Oromë

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Oromë
Personagem da Terra Média
Raça Ainur
Divisão Valar e Aratar
Família Vána
Tiítulos O Caçador dos Valar, Senhor das Florestas
Outros Nomes Aldaron, Araw, Arômêz, Béma, O Grande Cavaleiro, Tauron
Arma Arco, Lança
Data de Nascimento Antes da criação de Arda
Primeira aparição
em Livro
O Silmarillion
Personagems Criados por J.R.R. Tolkien

Oromë é um personagem fictício da obra O Silmarillion, de J. R. R. Tolkien. É um dos Ainur e um dos Aratar. Era um grande caçador, e também domava feras.[1] Foi o primeiro a ver os elfos que despertavam às margens do Cuiviénen. Tinha uma trompa, chamada Valaróma e era casado com Vána. O nome do seu cavalo era Nahar. Também era chamado de Aldaron.

Possuía dois criados da divisão dos Maiar, e esses dois eram Istari na Terra Média, onde eram conhecidos como Magos Azuis, Alatar e Pallando.

Nome e etimologia[editar | editar código-fonte]

Em Quenya ele foi nomeado Oromë, que significa "trompetista", de raiz Orom que significa "grande barulho" ou "tocar buzina".[2] Seu equivalente Sindarin é Araw (ou Arum em dialeto Sindarin do Norte[3]) no mesmo sentido; mas ele continua sendo empregado. Outros de seus nomes ainda são: o Quenya Aldaron equivalente ao noldorin Galaðon,[4] ambos construídos na raiz galad "árvore".[5]

O nome (Aran) Tauron, "o (rei) floresta" foi usada mais tarde em Sindarin, de preferência a Araw.[6] O Sindarin Tauros, literalmente "Floresta do Susto" estava entre os Sindar, um apelido "comum" para Oromë.[7] O nome Raustar é usado para designar Oromë só em The Book of Lost Tales (I e II). Ela está relacionado com a raiz rava "caça".[8]

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

“Oromë é um senhor poderoso. Embora seja menos forte do que Tulkas, é mais temível em sua ira [...] amava as terras da Terra-média e as deixou a contragosto, sendo o último a chegar a Valinor. Muitas vezes, no passado, atravessava as montanhas de volta para o leste e retornava com suas hostes para os montes e planícies. É caçador de monstros e feras cruéis e adora cavalos e cães de caça; ama todas as árvores [...] Nahar é o nome do seu cavalo [...] Valaróma é o nome da sua enorme trompa, cujo som se assemelha ao nascer do Sol escarlate, ou ao puro relâmpago que divide as nuvens.”

O Silmarillion, Capítulo 2, "Valaquenta"
Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Embora os Ainur não tenham relações reais de filiação entre eles, Oromë é amplamente considerado como o irmão de Nessa, a Valië veloz e dançante.[1][9] Yavanna Kementári (Palúrien) às vezes se passava por sua mãe antes mesmo de se tornou a esposa do Vala Aulë:[10]

Mas obviamente não entende-se esta como uma relação fisiológica: Yavanna definitivamente não pode ser a mãe biológica de Oromë; porque os Ainur são puramente espirituais, seres imateriais, portanto, incapazes de dar à luz. Na verdade ambos compartilhavam o amor pela Terra Média, mesmo depois de ter sido abandonada por outros Ainur.

Oromë era companheiro de Vána, a Sempre jovem, a irmã de Yavanna.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b O Silmarillion, "Valaquenta"
  2. The Lost Road and Other Writings, "Etimologias"
  3. Kloczko, Édouard. Dictionnaire des langues des Hobbits, des Nains, des Orques. Arda,‎ 2002, 179 p. ISBN 2-911979-04-4
  4. The Lost Road and Other Writings, "Apêndice II: A lista de nomes", p. 404
  5. The Lost Road and Other Writings, "Etimologias" entrada GÁLAD-
  6. The Peoples of Middle-earth, p. 358
  7. The Lost Road and Other Writings, "Etimologia", entrada TÁWAR-
  8. The Book of Lost Tales, "Apêndice: Nomes dos Contos Perdidos", entrada Meássë
  9. The Lost Road and Other Writings, "Notícias Anais de Valinor", pp. 109-110
  10. The Lost Road and Other Writings, "Notícias Anais de Valinor", pp. 119-121

Bibliografia[editar | editar código-fonte]