Oskar Dirlewanger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Oskar Dirlewanger
Nascimento 26 de setembro de 1895
Würzburg, Império Alemão
Morte 5 de junho de 1945 (49 anos)
Altshausen, Alemanha
Nacionalidade Alemão
Serviço militar
Lealdade  Império Alemão
 Alemanha Nazista
Serviço Flag of the Schutzstaffel.svg Waffen-SS
Comando 36ª Divisão Waffen Grenadier da SS
Conflitos Primeira Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial

Oskar Dirlewanger (26 de Setembro de 1895 Würzburg - 5 de Junho de 1945 Altshausen) foi um oficial da Schutzstaffel (SS) durante a Segunda Guerra Mundial. Comandou a unidade SS-Sturmbrigade Dirlewanger que encobria os crimes cometidos pelos nazistas na Alemanha.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Oskar Dirlewanger foi um oficial de infantaria na Primeira Guerra Mundial e ganhou o Cruz de Ferro de segunda classe e a Cruz de Ferro de primeira classe. Seu serviço militar era visto como exemplar pelas autoridades alemãs, e era conhecido por sua considerável bravura em batalha (por ter sido ferido mais de dez vezes) e que sempre conduzia suas tropas na frente. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele ganhou uma série de medalhas adicionais, incluindo a Cruz Ferro 2 ª Classe, a Cruz dos Balcãs, e da Cruz Alemã em Ouro. Ele foi premiado com a Cruz de Cavaleiro em 1944.[2]

Após o término da Primeira Guerra Mundial, ele se juntou a diferentes milícias de voluntários Freikorps e lutou no Ruhr; Saxónia e Silésia. Entre a sua atividade militante, ele estudou na universidade de Frankfurt e atingiu um PhD em ciência política em 1922. No ano seguinte, ingressou no NSDAP, mas acabou por ser expulso. Ele voltou anos depois e recebeu o numero do partido # 1098716 e, posteriormente,o da SS # 357267.[2]

Revolta de Varsóvia[editar | editar código-fonte]

Em 1944 a divisão de Dirlewanger ficou conhecida e temida pela extrema crueldade com que agia, autor de uma série de assassinatos, estupros e outros tipos de violência praticada por ele e sua divisão na Revolta de Varsóvia, tais como fuzilamentos de crianças, assassinatos e estupro de enfermeiras de guerra polonesas, enforcamento arbitrario e assassinatos de civis entre outros. A forma com que conduzia a sua divisão e os assassinatos a sangue frio com que cometia era mau visto até mesmo por próprio membros da SS. Oficiais com que conviviam pessoalmente com ele afirmam que Oskar tinha um comportamento psicótico e que ele matava e torturava apenas por diversão e para ver o sofrimento das vitimas.[2][3]

Morte[editar | editar código-fonte]

Oskar foi capturado e preso por tropas francesas no dia 1 de junho de 1945, no sul da Alemanha portando documentos falsos e usando roupa de civil, ele foi levado para o campo de prisioneiros de Altshausen onde morreu dias depois, vítima de espancamentos por poloneses.[3]

Referências

  1. «Oskar Dirlewanger» (em inglês). The dark Paladin. Consultado em 10 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 23 de novembro de 2010 
  2. a b c «Dirlewanger: A Violent Alcoholic, Sadist & War Criminal – Was Kicked to Death by His Guards» (em inglês) 
  3. a b Buono, Vinícius (2 de setembro de 2019). «Além de Hitler e Stalin: Os 14 homens mais carrascos da Segunda Guerra». Aventuras na História. Consultado em 22 de março de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Segunda Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.