Otávio Rêgo Barros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Otávio Rêgo Barros
GOMM · GOMN · GOMD
Porta-voz da Presidência de República
Período 14 de janeiro de 2019
07 de outubro de 2020
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor Alexandre Parola
Sucessor Cargo desativado
Dados pessoais
Nascimento 1 de julho de 1960 (60 anos)
Recife, Pernambuco
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Academia Militar das Agulhas Negras
Escola de Comando e Estado-Maior do Exército
Serviço militar
Lealdade  Brasil
Serviço/ramo Coat of arms of the Brazilian Army Exército Brasileiro
Graduação Insígnia de General de Divisão.gif General de Divisão
Condecorações

Otávio Santana do Rêgo Barros GOMM · GOMN · GOMD (Recife, 1 de julho de 1960) é um General de Divisão do Exército Brasileiro. Doutor em ciências militares, foi o porta-voz da Presidência da República, nomeado pelo governo Jair Bolsonaro.[7]

O General Rêgo Barros comandou, no Rio de Janeiro, a força de pacificação nos complexos do Alemão e da Penha e a segurança da Rio+20.[8][9]

História[editar | editar código-fonte]

General Rêgo Barros como porta-voz da Presidência da República em pronunciamento sobre o rompimento de barragem em Brumadinho.

Filho de Maria Auxiliadora Santana do Rêgo Barros e Francisco Rodolfo Valença do Rêgo Barros, Otávio Rêgo Barros nasceu em 1 de julho de 1960 no Recife, capital do estado brasileiro de Pernambuco.

Em 1975, ingressou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, e, em 1981, foi declarado Aspirante-a-Oficial de Cavalaria.[10]

Rêgo Barros comandou, no Rio de Janeiro, a força de pacificação nos complexos do Alemão e da Penha e a segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Atuou ainda na Cooperação Militar Brasileira no Paraguai e na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti.

Antes de ser nomeado porta-voz do governo por Bolsonaro, o general Rêgo Barros foi chefe do Centro de Comunicação Social do Exército, de abril de 2014 até 14 de fevereiro de 2019, e principal assessor do então Comandante do Exército, o General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas.[7]

Colaborou com o capítulo A Ética e a cultura da paz: é encantador ver mães e pais saírem para seus afazeres em Ética - Uma Caminhada Sem Linha de Chegada, ESPIRITO SANTO, Joper Padrão e outros, Editora VERVE, Rio de Janeiro, 2015[11]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Boletim do Exército do Brasil de dezembro de 2015». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  2. «Boletim do Exército do Brasil de maio de 2019». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  3. «Boletim do Exército do Brasil de junho de 2018». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  4. «Boletim do Exército do Brasil de agosto de 2001». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  5. «Boletim do Exército do Brasil de junho de 2009». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  6. «Boletim do Exército do Brasil de outubro de 2013». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  7. a b «Nominuto.com - Portal de notícias e artigos». nominuto.com. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  8. «Bolsonaro escolhe general Rêgo Barros como porta-voz». R7. Consultado em 8 de fevereiro de 2019 
  9. «Governo exonera Rêgo Barros do cargo de porta-voz da Presidência». G1. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  10. «Autores - EBlog do Exército Brasileiro». eblog.eb.mil.br. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  11. http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:ow5AF9KW4pkJ:www.joperpadrao.com.br/etica-e-civismo-na-esfera-privada/+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br