Paquistão Oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Dominion of East Pakistan
Domínio do Paquistão Oriental

Domínio da Comunidade das Nações

Flag of Pakistan.svg
1955 – 1971 Flag of Bangladesh.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
God Save The Queen


Localização de Paquistão Oriental
Continente Ásia
Capital Daca
Língua oficial bengali
Governo monarquia
Rainha do Paquistão
 • 1956-1971 Isabel II do Reino Unido
História
 • 14 de Agosto de 1955 Fundação do Paquistão Oriental
 • 25 de Março (declarada) - 16 de Dezembro (Reorganizado) de 1971 República da República Popular do Bangladesh
Moeda rupia paquistanesa
Membro de: Commonwealth, ONU

O Paquistão Oriental foi uma província paquistanesa estabelecida em 1955 pela Política de Uma Unidade, que hoje está dividida entre Índia e Bangladesh. Suas fronteiras terrestres eram com a Índia e a Birmânia, com um litoral na Baía de Bengala. Os paquistaneses orientais eram popularmente conhecidos como "paquistaneses bengalis"; para distinguir esta região do estado da Índia Bengala Ocidental (que também é conhecido como "Bengala indiana"), o Paquistão Oriental era conhecido como "Bengala paquistanesa". Em 1971, o Paquistão Oriental tornou-se o recém-independente estado de Bangladesh.

O Paquistão Oriental foi renomeado de Bengala Oriental pelo esquema de uma unidade do primeiro-ministro paquistanês Muhammad Ali Bogra. A Constituição do Paquistão de 1956 substituiu a monarquia paquistanesa por uma república islâmica. O político bengali Huseyn Shaheed Suhrawardy serviu como primeiro-ministro do Paquistão entre 1956 e 1957 e um burocrata bengali Iskander Mirza se tornou o primeiro presidente do Paquistão. O golpe de estado paquistanês de 1958 trouxe o general Ayub Khanao poder. Khan substituiu Mirza como presidente e lançou uma repressão contra líderes pró-democracia. Khan promulgou a Constituição do Paquistão de 1962, que acabou com o sufrágio universal. Em 1966, Sheikh Mujibur Rahman emergiu como o líder proeminente da oposição no Paquistão e lançou o movimento de seis pontos pela autonomia e democracia. A revolta de 1969 no Paquistão Oriental contribuiu para a derrubada de Ayub Khan. Outro general, Yahya Khan, usurpou a presidência e promulgou a lei marcial. em 1970, Yahya Khan organizou a primeira eleição geral federal do Paquistão. A Liga Awami emergiu como o maior partido, seguido pelo Partido Popular do Paquistão. A junta militar atrasou a aceitação dos resultados, levando à desobediência civil, à Guerra de Libertação de Bangladesh e ao genocídio de Bangladesh em 1971. O Paquistão Oriental se separou com a ajuda da Índia.[1]

A Assembleia Provincial do Paquistão Oriental era o órgão legislativo do território.

Devido à importância estratégica do Paquistão Oriental, a união paquistanesa era membro da Organização do Tratado do Sudeste Asiático. A economia do Paquistão Oriental cresceu a uma média de 2,6% entre 1960 e 1965. O governo federal investiu mais fundos e ajuda externa no Paquistão Ocidental, embora o Paquistão Oriental tenha gerado a maior parte das exportações. No entanto, o presidente Ayub Khan implementou uma industrialização significativa no Paquistão Oriental. A Barragem de Kaptai foi construída em 1965. A Refinaria Oriental foi estabelecida em Chittagong. Dacca foi declarada a segunda capital do Paquistão e planejada como sede do parlamento nacional.[2]

Localização: Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Partner, The Media Group | Publishing (23 de setembro de 2017). «Special report: The Breakup of Pakistan 1969-1971». DAWN.COM (em inglês). Consultado em 26 de março de 2022 
  2. «National Assembly Building of Bangladesh». architectuul.com. Consultado em 26 de março de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.