Pedro Franco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Pedro Diniz de Araújo Franco (Rio de Janeiro, 15 de março de 1935) é um médico escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado médico em 1962 pela Escola de Medicina e Cirurgia da UNI-RIO (hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ).[1][2]

Especializou-se em Cardiologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e pela Associação Médica Brasileira.[1]

Professor da Clínica Médica no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle.

Atuou profissionalmente na Caixa Econômica Federal.

Escritor, contista, cronista[3] e teatrólogo, publicou várias obras.[1]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Verona (1961);
  • Elas (1981);
  • Conversa com o paciente I (1981);
  • Conversa com o paciente II (1984);
  • Conversa com o paciente III (1986);
  • Petrópolis: Junqueira e Nogueira (1993);
  • Se alguém rir, paro de falar (1999)[nota 1][4];
  • Ao mesmo tempo (2002)[nota 2];
  • Dezessete contos premiados (2004)[nota 3];
  • A última exposição (2006)[nota 4];
  • Já sem os adereços (2008)[nota 5];
  • Crônicas de Natal (2008);
  • Casario e outras crônicas (2008);
  • O Lapso (2011).

Peças teatrais[editar | editar código-fonte]

  • Por pouco (2005)[nota 6];
  • Delírios e pinceladas (2005)[nota 7];
  • Dona Carmen, o Conde de Nova Friburgo e o Asa Negra (2007)[nota 8];
  • Quem matou Letícia (2008).[nota 9].

Instituições literárias[editar | editar código-fonte]

Pertence às seguintes instituições literárias:

Reconhecimentos literários[editar | editar código-fonte]

  • Mérito Cultural (1997) da União Brasileira de Escritores;
  • Mérito Cultural (2005) da ABRAMES;
  • Colar do Mérito Literário (1998) da Academia de Letras e Ciências de São Lourenço;
  • Prêmio Manoel Antônio de Almeida (1999), condedido pela ABRAMES;
  • Colar da Ordem do Magnífico Escritor (1999), da Academia Internacional de Ciências, Letras, Artes e Filosofia do Rio de Janeiro.

Notas e referências

Notas

  1. * Prêmio Hebron de Literatura 1994, instituído e promovido conjuntamente pela Academia Pernambucana de Letras e União de Médicos Escritores e Artistas Lusófonos - UMEAL, em congresso realizado no Recife
  2. * Prêmio Jesus Trindade Barreto, 2003, de livro de conto, promovido pela Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais
  3. * Prêmio João Fagundes de Menezes - 2004, para livro de contos.
  4. * Prêmio Aníbal Machado, da UBE, 2006 (empatado), para livro inédito de contos.
  5. * Medalha Harry Laus, da UBE.
  6. * Prêmio Bloch da UBE para peças teatrais.
  7. * Medalha de ouro no III Concurso Nacional da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias.
  8. * Prêmio Aldemar Bonates, promovido pela Prefeitura de Manaus
  9. * Prêmio Elpídio Câmara de teatro, promovido pela Prefeitura do Recife

Referências

  1. a b c d e * BEGLIOMINI, Helio. Imortais da ABRAMES. São Paulo: Expressão e Arte, 2010
  2. Porto visto por Pedro Franco
  3. a b * Jornal de Cardiologia (em pdf)
  4. * PARAÍSO, ROSTAND. Academia Pernambucana de Letras. Volume II (Efemérides). Recife: Academia Pernambucana de Letras, 2006

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • BEGLIOMINI, Helio. Imortais da ABRAMES. São Paulo: Expressão e Arte, 2010.
  • PARAÍSO, ROSTAND. Academia Pernambucana de Letras. Volume II (Efemérides). Recife: Academia Pernambucana de Letras, 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]