União Brasileira de Escritores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A União Brasileira de Escritores (UBE) é uma sociedade fundada a 17 de janeiro de 1958 com a fusão da seção paulista da Associação Brasileira de Escritores e da Sociedade Paulista de Escritores. Sucedeu à Sociedade dos Escritores Brasileiros, primeira associação profissional de escritores, fundada em 14 de março de 1942 por Mário de Andrade e Sérgio Milliet ".[1]

Sua sede fica na cidade de São Paulo e é uma sociedade civil representativa em âmbito nacional, com personalidade jurídica e patrimônio próprio.

Tem cerca de três mil escritores associados ".[2] Tem por finalidade:

  • Defesa da liberdade de expressão;
  • Defesa dos direitos autorais e demais direitos dos escritores;
  • Difusão da cultura e a democratização do acesso à informação.

Atividades[editar | editar código-fonte]

  • Publica desde 1980 a revista O Escritor, que inicialmente era um jornal e se tornou revista em 2005. Porém, boa parte das matérias que compõem o portal oficial da organização continuam sendo publicadas sob o título O Jornal da UBE.
  • Organiza congressos, encontros de escritores, debates, cursos e ciclos de palestras, com o apoio de órgãos públicos e outras instituições.
  • Promove todo ano, em parceria com o jornal Folha de S.Paulo, o concurso Intelectual do Ano - Prêmio Juca Pato.
  • Dá assistência aos associados em questões relativas a direitos autorais, à liberdade de expressão, e a aposentadorias como escritor.
A atual diretoria da UBE, em 30-04-2010, na cerimônia de posse

Ex-presidentes[editar | editar código-fonte]

Seção Pernambuco[editar | editar código-fonte]

A seção de Pernambuco da União Brasileira de Escritores (UBE-PE) foi fundada em 17 de janeiro de 1958, nas dependências de O Gráfico Amador, no Recife, em decorrência de uma campanha liderada pelo escritor Paulo Cavalcanti, que se tornou seu primeiro presidente.[3]

Sua primeira sede foi uma sala no Espaço Pasárgada, na Rua da União.

Recebeu, inicialmente em comodato, da Prefeitura do Recife, na gestão do prefeito Gilberto Marques Paulo, que sancionou a Lei 15.740/92, um casarão na rua de Santana, 202, Casa Forte, onde instalou sua sede própria, a Casa do Escritor Pernambucano, e que, agora, passa pelo processo final da doação, autorizada pela Lei 16.631/2000 de autoria do então vereador Admaldo Matos e sancionada pelo prefeito Roberto Magalhães.

Edita um periódico virtual, A voz do escritor, em parceria com a Academia de Letras e Artes do Nordeste, distribuído por e-mail e apresentado na página da entidade.

Referências