Pedro Paulo Guise Carneiro Lopes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pedro Paulo Guise Carneiro Lopes (Rio de Janeiro,2 de setembro de 1957Japão, 05 de abril de 1991), mais conhecido como Pepê, foi um esportista, musico, e empresário brasileiro.[1]

Atividades esportivas[editar | editar código-fonte]

Pepê foi campeão mundial de voo livre em 1981, , e vice campeão no mundial em que faleceu no Japão. em sexto colocado no Pipe Masters do Havaí (o melhor brasileiro do ranking antes de Gabriel Medina), bi campeão carioca mirim de hipismo, campeão no primeiro Waimea 5000 de 1976, e vice campeão em 1977 no Brasil, e um dos 18 melhores surfistas do mundo em 1976, sobressaia nas ondas grandes e tinha ótima colocação no tubo, nunca deixou de praticar o surfe, todos os anos viajava pelo mundo para surfar.[2]

Começou no esporte na natação, sempre nadou muito bem. Treinou judô no Hermany, jiu-jitsu com Rolls Gracie, esquiava, praticava pesca submarina, adorava jogar futebol e tinha jogo nas segundas no Clube Caiçaras e na casa da Barra do Luis de freitas (amigo e o maior incentivador nos esportes). Pós morte, Luis de Freitas criou a copa Pepê no futebol com os amigos em sua casa.

Aprendeu a montar no Floresta Country Club do Rio, aos nove anos, competiu no hipismo até os 13 anos.

Começou a surfar na em 1970, no Pier de Ipanema e no Arpoador, sendo um dos pioneiros do esporte no Brasil. Pepê logo se destacou nesse esporte.

Aprendeu voo livre com Andre Sansoldo 78/79, tornou-se campeão mundial em 1981, época em que a asa delta estava no auge de sua popularidade. Com apenas 24 anos, conquistou o campeonato mundial de asa-delta em 1981, em Bepu, Japão, com a asa AZUR da francesa La Mouette do Gerard Thevenot, onde morreria exatamente dez anos depois, quando tentava o bicampeonato.[3] e terminando como vice campeão. Como essa prática esportiva ainda não havia sido profissionalizada, procurou alternativas de sobrevivência nas praias do Rio.

Empresas que o Pepê teve patrocínio:

Company - surf

Jornal do Brasil - surf

Radio Cidade - surf

Company - vôo livre

Chocolate - vôo livre

Lewis - vôo livre

Fila - voo livre

Brahma - voo livre

Malt 90 - voo livre

Pepsi - voo livre

Mesbla - voo livre

Alternativa - voo livre

Trabalho como empresário[editar | editar código-fonte]

Pepê desde pequeno tinha um brilho no comercio, com oito anos produzia sabonete liquido e vendia para os vizinhos na rua Montenegro em Ipanema, fazia banca de revistas usadas. A partir de 13 anos começou com consertos de pranchas de surf, com 14 anos viajou para o Peru com dinheiro do seu trabalho e parou de pedir mesada ao seus pais, com 15 viajou para o Hawaii. Com 17 anos saiu de casa dividindo com dois amigos o aluguel de um apartamento na Barra. Fundou a Barraca do Pepê em São Conrado, a barraquinha foi projetada e desenvolvida pelo seu tio "Zequinha" , na fabrica (da familia parte de pai) de sabão Carlos Pereira Industrias Quimicas. Voltada para a comercialização de produtos naturais, sobre tudo entre atletas, surfistas e praticantes de voo livre. A Barraca do Pepê procurou incorporar um estilo carioca em sua linha de produtos, e ainda é um ponto de encontro na Barra da Tijuca e possui franquias em outros pontos.[4]

Embora não exista registro oficial, Pedro Paulo Guise Carneiro Lopes, o Pepê, foi um dos pioneiros na fabricação do sanduíche natural no País.[5]

Além da Barraca do Pepê, em 1986 o mesmo abriu o restaurante Sushi Leblon.

Vida pessoal e outras atividades[editar | editar código-fonte]

Pepê era casado com Carolina e pai de Bianca e João Pedro. Demonstrava grande afinidade com sua cidade natal, o Rio de Janeiro. Em suas palavras, “Cada vez que eu voo, dou graças a Deus por ser carioca”.

Desde a infancia curtia musica, com 9 anos contruia bateria de latas e tocava violão (autodidata nos instrumentos) e teve uma banda chamada Barão de Itaguaripe. Compunha suas músicas tocava guitarra e cantava, gravou um disco "Feito Um Cometa" com 12 músicas. Uma delas com a participação do Lobão (guitarra e voz) e outra com Fagner (voz e violão).

Ele morreu tragicamente aos 33 anos, num acidente de asa delta. quando disputava o campeonato mundial no Japão.[6][7]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O Projeto de Lei 1804/92, da vereadora Neuza Amaral, decretou a colocação de marco alusivo a Pepê na avenida que leva seu nome, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.[8]

Um trecho da Praia da Barra da Tijuca foi batizado em sua homenagem.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.