Physalis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaPhysalis
Physalis angulata

Physalis angulata
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: asterídeas
Ordem: Solanales
Família: Solanaceae
Género: Physalis
L.
Espécies
Cerca de 80 (ver texto)
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Fruto da Physalis.
Torta decorada com Physalis heterophylla.

Physalis L. é um género botânico, nome comum físalis ou camapu, pertencente à família Solanaceae. A Physalis angulata, é uma planta herbácea de hábitos perenes e reproduzida por sementes. O género Physalis destaca-se, na família Solanaceae, por apresentar cálice frutífero acrescente, vesiculoso e intumescido, envolvendo completamente o fruto. Pode chegar aos dois metros de altura.

A Colômbia é o principal produtor mundial e abastece todo o mercado europeu, principalmente a Alemanha e Países Baixos.

A Physalis é nativa das regiões temperadas, quentes e subtropicais de todo o mundo. O género é caracterizado por um fruto alaranjado e pequeno, semelhante em tamanho, forma e estrutura a um tomate, mas envolto parcial ou completamente por uma casca grande que deriva do verticilo.

Nome comum[editar | editar código-fonte]

A Physalis tem muitos nomes comuns por toda a lusofonia, físalis, fisalis, fisales, camapu, camaru,capota, bucho-de-rã, joá-de-capote, juá-de-capote, juá-roca, juá-poca, mata-fome, canapum, camapum, bate-testa, saco-de-bode, alquenquenje, erva-noiva, cerejas-de-judeu, balão, tomate-lagartixa, tomate-barrela, tomate-capucho e capucho [1] .

Em Portugal também é conhecido por alquequenge [2] e nos Açores também é conhecido por capucha [3] . Na Colômbia é conhecida como uchuva, no Equador como uvilla e no Japão como hosuki. No sul de Angola é matipatipa.

Produção[editar | editar código-fonte]

Cada planta produz entre 2 a 4 kg de frutos. Por cada hectare pode-se plantar cerca de 6000 plantas. As plantas crescem bem na maior parte dos solos e também em vaso. Produz frutos após 3 ou 4 meses do plantio, considerada planta medicinal valiosa, uma muda cultivada no jardim pode produzir 2 kg durante o ciclo de 6 meses. A muda é de rápida produção.
A Colômbia é o maior produtor mundial de physalis. [4]

Actividades medicinais de Physalis angulata[editar | editar código-fonte]

A Physalis é uma fruta conhecida por purificar o sangue, fortalecer o sistema imunológico, aliviar dores de garganta e ajudar a diminuir as taxas de colesterol.[5]

Utilização Parte da planta e/ou constituinte activo Referência
Calmante e depurativo Seiva Pio Corrêa, 1962
Comestível, desobstruente, resolvente e diurético Fruto / Cozimento e infusão de toda a planta Pio Corrêa, 1962
Anti-oxidante Fruto / Carotenóide Raghava e Nisha-Raghava, 1990
Diminuição da pressão arterial Fruto / Acetilcolina Melo & Afiatpour, 1985
Anti-bacteriana Extracto de raiz, caule e folha Sanchez et al, 1997
Actividade imunosupressora Vitaesteróides Sakhibov e al, 1990
Anti-tumoral Fisalina F Chiang et al, 1992
Hemorróidas (karioka hemorróida) Fisalina F Chiang al et, 1987

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

Espécies[editar | editar código-fonte]

O género Physalis inclui cerca de 90 espéciesvalidamente descritas,[6] entre as quais:[7] [8]

Espécies anteriormente incluídas no género[editar | editar código-fonte]

Classificação do gênero[editar | editar código-fonte]

Sistema Classificação Referência
Linné Classe Pentandria, ordem Monogynia Species plantarum (1753)

Referências

  1. Fisalis - Physalis sp Jardineiro.net. Visitado em 12 de novembro de 2011.
  2. Porto Editora. Alquequenge Priberam. Visitado em 10 de julho de 2013.
  3. Alquequenje Instituto Hipócrates de Ensino e Ciência. Visitado em 12 de novembro de 2011.
  4. Revista Gazeta Rural n.º 249, 15 de junho de 2015, pág. 8.
  5. Revista Gazeta Rural n.º 249, 15 de junho de 2015, pág. 8.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas whit
  7. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas ITIS
  8. a b c GRIN Species Records of Physalis Germplasm Resources Information Network United States Department of Agriculture. Visitado em 2011-05-21.
  9. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas vargas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre asterídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.