Ponte Ferroviária de Abrantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ponte Ferroviária de Abrantes
Ponte ferroviária de Abrantes
Arquitetura e construção
Material ferro
Estilo arquitetônico Ponte ferroviária
Design Ponte de Treliças
Término da construção 1889
Data de abertura 1891
Comprimento total 427,7 m
Geografia
Via Linha da Beira Baixa
Cruza Rio Tejo
Localização Abrantes
País Portugal Portugal
Coordenadas 39° 27′ 11,6″ N, 8° 11′ 12,52″ O

A Ponte Ferroviária de Abrantes é uma ponte metálica sobre o Rio Tejo, que transporta a Linha da Beira Baixa, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Consiste numa estrutura metálica,[1] que cruza o Rio Tejo.[2] Na altura da sua inauguração, era a primeira obra de arte na Linha da Beira Baixa a partir de Abrantes, e tinha um comprimento de 442 m, dividido em sete tramos, dos quais os dois extremos tinham 48 m.[1] Também contava com dois encontros em alvenaria, nas margens do Rio Tejo.[1]

Gravura da Ponte de Abrantes nos primeiros anos.

História[editar | editar código-fonte]

O contrato para a construção desta ponte foi assinado em 15 de Outubro de 1887, com a Sociedade Braine-le-Comte,[3] uma empresa belga que já tinha feito várias obras nos caminhos de ferro portugueses, nomeadamente nas Linhas da Beira Alta, Dão e do Douro.[1]

A construção demorou cerca de catorze meses,[3] tendo sido oficialmente concluída em 11 de Maio de 1889.[4][5], mas o troço no qual se encontrava, de Abrantes a Covilhã, só entrou ao serviço em 6 de Setembro de 1891, pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses.[6] Durante a construção, os pilares foram fundados através do uso de ar comprimido.[1]

A ponte foi objeto de uma intervenção de reforço em 1988, de modo a permitir a introdução de eletrificação na via.

Em 2021, a Infraestruturas de Portugal vai investir 2,8 milhões de euros no reforço e proteção das fundações da ponte. A empreitada, que tem como objetivo a melhoria das condições estruturais da estrutura e irá envolver, entre outros, trabalhos ao nível da reabilitação dos aparelhos de apoio, reparação das alvenarias e cantarias dos pilares e encontros, proteção dos pilares (do P2 a P6), e execução de prismas de enrocamento de proteção contra a erosão, em torno de todos os pilares[7].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «Tarifas de transporte». Gazeta dos Caminhos de Ferro de Portugal e Hespanha. Ano 4 (89). 3 de Setembro de 1891. p. 266-267 
  2. GALVÃO, Alexandre Lopes (1 de Janeiro de 1937). «Necessidades de tempo de paz e necessidades de tempo de guerra» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 49 (1177). p. 9-12. Consultado em 1 de Janeiro de 2016 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  3. a b NONO, Carlos (1 de Outubro de 1948). «Efemérides ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 60 (1459). p. 524-525. Consultado em 1 de Janeiro de 2016 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. «Efemérides 1888 - 1938» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 51 (1225). 1 de Janeiro de 1939. p. 43-48. Consultado em 1 de Janeiro de 2016 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. NONO, Carlos (1 de Maio de 1948). «Efemérides ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 70 (1449). p. 293-294. Consultado em 1 de Janeiro de 2016 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  6. TORRES, Carlos Manitto (16 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 70 (1682). p. 61-64. Consultado em 1 de Janeiro de 2016 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  7. «IP investe 2,8 milhões de euros no reforço de Ponte Ferroviária sobre o Tejo em Abrantes» 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a ponte de Abrantes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma ponte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.