Ponte metálica Dr. Dinis Assis Henning

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ponte Metálica Dr. Dinis Assis Henning
Nome oficial Ponte Dr. Dinis Assis Henning
Data de abertura 22 de novembro de 1896
Dimensões
Comprimento total 71,46 metros (parte metálica) e 110 metros somando os viadutos de acesso
Largura 7 m
Altura 8,10 m
Geografia
Via 1 via em sentido único
Cruza Rio Negro (divisa entre Paraná e Santa Catarina)
Localização Mafra,  Santa Catarina e Rio Negro,  Paraná
Coordenadas 26° 06′ S 49° 48′ W

A Ponte Metálica Dr. Dinis Assis Henning localiza-se nas cidades de de Mafra (SC) e Rio Negro (PR) sobre o rio Negro o qual serve de divisa entre os Estados de Santa Catarina e Paraná. Tombada pelo Patrimônio Histórico do Estado de Santa Catarina, a ponte é o maior monumento da região.

História[editar | editar código-fonte]

Construída nos estaleiros da Compgneie Dyle et Baccalan, na cidade de Lovaina, na Bélgica, foi montada e inaugurada em 22 de novembro de 1896, propiciando impulso ao desenvolvimento da região, que até então utilizava barcos para a travessia do rio Negro. O custo total da ponte foi de 728 contos e 728 mil réis.

Além da estrutura de ferro, a ponte possuía ainda viadutos de acesso nos dois lados, construídos em alvenaria, totalizando assim 110 metros de comprimento. No final do século XX, foi fechada ao trânsito para ser restaurada e reinaugurada, com liberação ao tráfego, em 2000.

Lendas[editar | editar código-fonte]

Há um folclore em relação ao comprimento da ponte, pois a ponte Dr. Dinis Assis Henning é mais curta que os taludes do rio Negro, por isso a necessidade da construção dos viadutos de acesso, uma vez que a estrutura metálica tem exatamente a largura do rio. Aventa-se a hipótese de que a medição do comprimento da ponte, antes de ser encomendada a construção na Bélgica, foi feita somente como base a largura do rio e não na largura das "barrancas" do rio[carece de fontes?].

Outra lenda, bastante popular, é a da troca de pontes, pois foram construídas duas pontes na Bélgica, uma mais curta que deveria ser destinada à África, para ser instalado em um rio com nome homônimo ao rio Negro, e uma mais comprida, que deveria vir ao Brasil. Somente na montagem da ponte foi descoberto o erro, pois a ponte mais curta, a qual deveria ser destinada à África, foi montada no Brasil[carece de fontes?].