Ramiro Valdés Menéndez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ramiro Valdés Menéndez
Nascimento 28 de abril de 1932 (88 anos)
Artemisa
Cidadania Cuba
Ocupação político, militar
Prêmios Ordem da Amizade, Herói da República de Cuba, Ordem de Playa Girón

Ramiro Valdes Menéndez (Havana, 28 de Abril de 1932) é um militar e político cubano, comandante da Revolução Cubana.

Aos 21 anos participou no assalto ao Quartel Moncada e é preso devido a este assalto na Ilha de Pinos. Em Maio de 1955 sai em liberdade pela amnistia que lhe concede o governo de Fulgencio Batista, devido às pressões populares. Posteriormente muda para o México, e ali se prepara para participar na expedição do Granma, a qual finalmente desembarca em 2 de Dezembro de 1956 com um total de 82 expedicionários. Na luta insurrecta da Sierra Maestra pertenceu primeiramente à Coluna 1 comandada por Fidel, à Coluna 4 e posteriormente foi segundo-chefe da Coluna 8 “Ciro Redondo” liderada por Che Guevara.

É designado Ministro do Interior em 1961. Em 1979 é chamado novamente para ocupar o mesmo posto. Como Ministro do Interior é o responsável por duras e encarniçadas medidas de repressão contra dissidentes, opositores políticos e homossexuais.

Valdés foi responsável pela criação da Dirección General de Inteligencia cubana (o temível "G-2", como é conhecido entre os cubanos, uma réplica do KGB), que desde 1955 recebeu assessoria directa da Stasi alemã-oriental e se desenvolveu como uma das principais agências de "segurança" e espionagem a nível mundial, encarregue da vigilância.

Actualmente faz parte do Gabinete Executivo no Governo transitório de Raúl Castro como Ministro da Informática. É encarado como possível sucessor de Fidel Castro, representando a linha mais conservadora comunista.