Reginaldo Prandi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Reginaldo Prandi
Nome completo José Reginaldo Prandi
Nascimento 14 de maio de 1946 (76 anos)
Potirendaba, SP
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Universidade de São Paulo
Profissão Sociólogo, Professor, Escritor
Prémios Prêmio Cátedra 10 Unesco - PUC-Rio (2017)

Prêmio Érico Vannucci Mendes – CNPq, SBPC e MinC (2001)

Prêmio Jabuti, quatro vezes indicado (1997, 2002, 2002, 2003)

Prêmio Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (2003, 2005)

Magnum opus Mitologia dos orixás
Outros Professor Emérito da USP (2018)
Página oficial
http://www.reginaldoprandi.fflch.usp.br

José Reginaldo Prandi (Potirendaba, 14 de maio de 1946) é um sociólogo, professor e escritor brasileiro[1][2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Prandi nasceu no interior de São Paulo numa família de origem italiana[3].

Tendo completado o ensino médio no Instituto de Educação "Monsenhor Gonçalves" em São José do Rio Preto, mudou-se em 1964 de Potirendaba para a cidade de São Paulo, iniciando o curso de medicina veterinária na USP, curso que abandonou ao completar o bacharelado em ciências sociais na Fundação Santo André em 1970. Iniciou, no ano seguinte, os estudos de pós-graduação em sociologia na USP (mestrado e doutorado).

Foi pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) desde sua fundação em 1969 até 1987[4] e professor da PUC-SP de 1972 até 1976. Em 1976 foi aprovado em concurso público para trabalhar como professor da USP, na Área de Sociologia do Departamento de Ciências Sociais, atual Departamento de Sociologia[5]. Aposentou-se em 2005, continuando o trabalho docente como professor colaborador e desde 2012 como professor sênior do mesmo departamento[6].

Tornou-se doutor em 1976 e livre-docente e 1989 em Sociologia[7] pela Universidade de São Paulo (USP), onde é professor titular desde 1993 do Departamento de Sociologia[8].

Em 1983 fez parte do grupo que fundou o Datafolha, instituto de pesquisa do jornal Folha de S.Paulo, tendo criado a metodologia usada até o presente pelo instituto[9][10].

Participou do Comitê de Ciências Sociais do CNPq (1997-2000), coordenou o Comitê de Sociologia da Capes (2001-2004) e foi membro do Comitê Acadêmico da Anpocs (1992-1996). É pesquisador do CNPq desde 1975, enquadrado no nível 1A a partir de 1996 e pesquisador Sênior desde março de 2020[6].

Trabalha principalmente na área de sociologia, com ênfase em sociologia da religião, atuando nos seguintes temas: religiões afro-brasileiras (candomblé e umbanda), catolicismo, espiritismo e pentecostalismo. Além de artigos e capítulos, é autor de mais de 30 livros, incluindo obras de sociologia, mitologia e ficção, gênero a que vem se dedicando desde 2003. Além dos textos publicados em português, parte de seus trabalhos está editada em inglês[11][12][13][14][15][16][17], espanhol[18][19], francês[20][21][22], italiano[23][24][25][26][27][28], alemão[29] e tcheco[30].

Recebeu em 2018 o título de Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo [31][32].

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

Sociologia
  • Os candomblés de São Paulo: nova edição ampliada. São Paulo, Arché, 2021
  • Ogum: caçador, agricultor, ferreiro, trabalhador, guerreiro e rei. Rio de Janeiro, Pallas, 2019
  • Os mortos e os vivos. São Paulo, Três Estrelas, 2012
  • Segredos guardados. São Paulo, Companhia das Letras, 2005
  • Encantaria brasileira. Rio de Janeiro, Pallas, 2001
  • Um sopro do Espírito. São Paulo, Edusp, 1998
  • A realidade social das religiões no Brasil. Em coautoria com Antônio Flávio Pierucci. São Paulo, Hucitec, 1996
  • Herdeiras do axé. São Paulo, Hucitec, 1996
  • Città In transe. Roma, Edizione Acta, 1993
  • Os candomblés de São Paulo. São Paulo, Hucitec e Edusp, 1991
  • Os favoritos degradados. São Paulo, Loyola, 1982
  • Os futuros cientistas sociais. São Paulo, FFLCH/USP, 1980
  • O trabalhador por conta própria sob o capital. São Paulo, Símbolo, 1978
  • Catolicismo e família. São Paulo, Brasiliense e Cebrap, 1975
  • Católicos, protestantes, espíritas. Em coautoria com Candido Procopio Ferreira de Camargo e outros. Petrópolis, Vozes, 1975
  • História de vida computacional. São Paulo, Editora Brasileira de Ciências/Cebrap, 1973
Mitologia afro-brasileira e indígena
  • Contos e lendas da Amazônia. São Paulo, Cia. das Letras, 2011
  • Contos e lendas afro-brasileiros. São Paulo, Cia. das Letras, 2007
  • Oxumarê, o Arco-Íris. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2004
  • Xangô, o Trovão. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2003
  • Ifá, o Adivinho. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2002
  • Os príncipes do destino. São Paulo, Cosac & Naify, 2001
  • Mitologia dos orixás. São Paulo, Companhia das Letras, 2001
Ficção
  • Motivos e razões para matar e morrer. São Paulo, Companhia das Letras, 2022
  • Aimó. São Paulo, Seguinte/Companhia das Letras, 2017
  • Feliz aniversário. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2010
  • Jogo de escolhas. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2009
  • Morte nos búzios. São Paulo, Companhia das Letras, 2006
  • Minha querida assombração. São Paulo, Companhia das Letrinhas, 2003

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

  • 2017. Prêmio Cátedra 10 Unesco - PUC-Rio, por Aimó
  • 2005. Prêmio White Raves, da Internationale Jugendbibliotek München, por Xangô, o Trovão
  • 2005. Prêmio FNLIJ, menção livro altamente recomendado por Xangô, o Trovão
  • 2003. Prêmio FNLIJ, por Ifá, o Adivinho
  • 2003. Jabuti, indicado por Ifá, o Adivinho
  • 2002. Jabuti, indicado por Mitologia dos Orixás
  • 2002. Jabuti, indicado por Os Príncipes do Destino
  • 2001. Prêmio Érico Vannucci Mendes – CNPq, SBPC e MinC, pelo conjunto da obra
  • 1997. Jabuti, indicado por A realidade social das religiões no Brasil

Referências

  1. Companhia da Letras. Reginaldo Prandi (dados biográficos do autor).
  2. Marques, Raul (2017). A história de Potirendaba. São José do Rio Preto: Serifa. pp. 98–99 
  3. Ofício de registro civil de Potirendaba (29 de maio de 1946). «Talão de registro de nascimento de José Reginaldo Prandi». Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  4. Arribas, Célia da Graça (dezembro de 2013). «Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo». Horizontes Antropológicos. 19 (40): 466–470. ISSN 0104-7183. doi:10.1590/S0104-71832013000200020. Consultado em 9 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2010 
  5. Bastos, Elide Rugai; Abrucio, Fernando; Loureiro, Maria Rita; Rego, José Márcio (2006). Conversas com sociólogos brasileiros. São Paulo: Editora 34. pp. 291–311 
  6. a b «Currículo Lattes». 5 de fevereiro de 2018. Consultado em 9 de fevereiro de 2018 
  7. Curriculum Vitae. José Reginaldo Prandi. FFLCH-USP
  8. Entrevista: Reginaldo Prandi estuda religiões afro-brasileiras. Pesquisador escreveu Mitologia dos Orixás, livro que reúne depoimentos de pais e mães de santo. Rede Globo. Por Flavio Lobo. Globo Universidade, 9 de janeiro de 2013.
  9. O livro da sociologia. São Paulo: Globo Livros. 2015. pp. 338–339 
  10. «Datafolha completa 30 anos como referência em pesquisas eleitorais». Folha de S. Paulo. 1 de maio de 2013. Consultado em 9 de fevereiro de 2018 
  11. Prandi, Reginaldo (dezembro de 2000). «African Gods in Contemporary Brazil: A Sociological Introduction to Candomblé Today». International Sociology (em inglês) (4): 641–663. ISSN 0268-5809. doi:10.1177/0268580900015004005. Consultado em 16 de abril de 2022 
  12. Prandi, Reginaldo (setembro de 2008). «Religions and Cultures: Religious Dynamics in Latin America». Social Compass (em inglês) (3): 264–274. ISSN 0037-7686. doi:10.1177/0037768608093689. Consultado em 16 de abril de 2022 
  13. Prandi, Reginaldo (fevereiro de 2004). «Afro-Brazilian Identity and Memory». Diogenes (em inglês) (1): 35–43. ISSN 0392-1921. doi:10.1177/0392192104041691. Consultado em 16 de abril de 2022 
  14. Prandi, Reginaldo (2008). «Axexê funeral rites in Brazil's òrìṣà religion : constitution, significance, and tendencies». In: Olupona, Jacob; Rey, Terry. Òrìşà devotion as world religion : the globalization of Yorùbá religious culture. Wisconsin: University of Wisconsin Press. pp. 437–448 
  15. Pierucci, Antônio Flávio; Prandi, Reginaldo (dezembro de 2000). «Religious Diversity in Brazil». International Sociology (4): 629–639. ISSN 0268-5809. doi:10.1177/0268580900015004004. Consultado em 16 de abril de 2022 
  16. Prandi, Reginaldo (2003). «Candomblé and Time : Concepts of Time, Knowing and Authority, from Africa to Afro-Brazilian Religious». Brazilian Review of Social Sciences. 1 (1): 7-22 
  17. Prandi, Reginaldo (2001). «Popular Expressions of Faith». In: O'Hanlon, Michael. Acts of Faith in Contemporary Brazil. Oxford: University of Oxford Press. pp. 21–25 
  18. Prandi, Reginaldo (1992). «Construcciones de espacios públicos de expressión en religiones populares». Sociedad y Religión. 9: 4-14 
  19. Prandi, Reginaldo (2008). «Corazón de Pombagira». In: Batalla, Juan; Barreto, Dany. Dueños de la encrucijada : estéticas de Exú y Pomba Gira en el Río de la Plata. Buenos Aires: Arte Brujo. pp. 100–112. OCLC 271196777 
  20. Prandi, Reginaldo (2001). Les princes du destin : contes de la mythologie afro-brésilienne. Paris: Éditions Présence africaine. ISBN 9782708708365. OCLC 933776331 
  21. Prandi, Reginaldo (2003). «Identité et mémoire afro-brésiliennes». Diogène (em francês) (1). 38 páginas. ISSN 0419-1633. doi:10.3917/dio.201.0038. Consultado em 13 de abril de 2022 
  22. Prandi, Reginaldo (2004). «Sur le traces des Orixa: les religions africaines dans le Brésil actuel». Bastidiana (45-46): 181-206 
  23. Prandi, Reginaldo (2015). Mitologia degli Orixas : le divinità della natura dall’Africa al Brasile. Traduzido por Bruno Barba. Firenze: Editpress. OCLC 1103668247 
  24. Prandi, Reginaldo (2013). I prìncipi del destino : Storie tratte dalla mitologia afrobrasiliana. Roma: CISU. ISBN 978-8879755870 
  25. Prandi, Reginaldo (1993). Città in Transe. Roma: Edizione Acta 
  26. Prandi, Reginaldo (1998). Un soffio dello Spirito : il rinnovamento conservatore del cattolicesimo carismatico in Brasile. Roma: Bulzoni. OCLC 889435897 
  27. Prandi, Reginaldo (2017). «Vivere a San Paulo». In: Barba, Bruno. San Paolo : ritratto di una città. Bologna: Odoya. pp. 9–14. OCLC 1102368344 
  28. Prandi, Reginaldo (2000). «Da africano a afro-brasiliano : etnia, identità, religione». Palaver. Cultura dell'Africa e della Diaspora. 10: 77-80 
  29. Prandi, Reginaldo (2018). «Kirche, Tempel, Terreiro : Die Dynamik des religiosen und kulturellen Wandels in Brasilien». Lettre International (123): 33-38 
  30. Prandi, Reginaldo (2021). Ukradený déšť a jiné příběhy z Amazonie. Praga: Baobab. OCLC 1284973679 
  31. «Reginaldo Prandi recebe título de Professor Emérito». Jornal da USP. 30 de maio de 2018 
  32. «'Quem pede intervenção militar não sabe o que foi a ditadura', diz sociólogo». Folha de S.Paulo. 4 de junho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]