Robert Guéï

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Robert Guéï
Primeiro-ministro
Período 24 de dezembro de 1999
a 26 de outubro de 2000
Primeiro-ministro Seydou Diarra
Antecessor(a) Henri Konan Bédié
Sucessor(a) Laurent Gbagbo
Vida
Nome completo Robert Guéï
Nascimento 16 de março de 1941
Kabakouma, África Ocidental Francesa
Morte 19 de setembro de 2002 (61 anos)
Abidjan, Costa do Marfim
Nacionalidade Costa do Marfm marfinense
Dados pessoais
Alma mater Escola Militar Especial de Saint-Cyr
Cônjuge Rose Doudou Guéï
Partido Independente (1999–2001)
UDPCI (2001–2002)
Religião Católico
Profissão político, militar

Robert Guéï (Kabakouma, 16 de março de 1941Abidjan, 19 de setembro de 2002) foi um chefe militar (general) e terceiro presidente da Costa do Marfim[1].

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em Kabakouma, uma aldeia situada no departamento de Man, no oeste da atual Costa do Marfim, Guéï foi treinado numa escola militar de Ouagadougou, em Burkina Faso (na época, Alto Volta) e, posteriormente, na Escola Militar Especial de Saint-Cyr, na França. Apoiava com frequência o então presidente marfinense Félix Houphouët-Boigny, o qual nomeou-o chefe do Exército após um motim.

Com a morte de Boigny em 1993, manteve distância considerável do novo chefe de estado, Henri Konan Bédié. Após negar-se em mobilizar suas tropas para resolver uma luta política entre Bédié e o líder da oposição Alassane Ouattara, Guéï teve que deixar o Exército em outubro de 1995. Foi nomeado ministro em seguida, porém foi afastado em agosto de 1996, e expulso do Exército no ano seguinte[1].

Na véspera do Natal de 1999, Bédié foi deposto num Golpe de Estado, que embora não fosse liderado por Guéï, o alçou para a presidência da Costa do Marfim[2]. Nas Eleições Presidenciais realizadas em outubro de 2000, o general foi derrotado por Laurent Gbagbo, mas não reconheceu a derrota nas urnas.

Foi assassinado durante uma insurreição armada, em 19 de setembro de 2002, nas proximidades de Abidjan. Além dele, sua esposa, outros membros de sua família e o Ministro do Interior, Émile Boga Doudou, também foram executados[1]. O corpo ficou durante quase 4 anos em um necrotério, e foi sepultado em 18 de agosto de 2006[3].

Referências

  1. a b c «Robert Guéï 1941–2002». encyclopedia.com. 2008. Consultado em 11 de abril de 2011 
  2. «General Guei assume o poder na Costa do Marfim». Diário do Grande ABC. 1999. Consultado em 26 de dezembro de 1999  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  3. "IVORY COAST: Funeral for former military ruler Robert Guei, nearly four years after he was shot dead during the coup of 2001", ITN Source: 19 de agosto de 2006
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Henri Konan Bédié
Presidente da Costa do Marfim de:
1999 - 2000
Sucedido por
Laurent Gbagbo