Rodolfo Azzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Rodolpho Azzi (Piracicaba, São Paulo, 1927 - 1993) foi um intelectual que muito contribuiu para a Psicologia brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Azzi estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro, no Instituto Mackenzie de São Paulo e na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (USP), onde concluiu o curso de Filosofia antes do desdobramento que deu origem aos cursos de Sociologia e Psicologia. Sua carreira teve inicio como professor de Filosofia e Sociologia no ensino público. Quando viajou para o Paraguai e passou a ensinar Psicologia.

Foi professor de psicologia na Universidade de Brasília (UnB) no começo da década de 1960. Ainda na década de 1960 teve importante participação nos processos de recepção e circulação da Análise do comportamento no Brasil. Foi um dos assistentes do professor estadunidense Fred Keller no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo USP.[1] Entre os anos de 1963 e 1965 foi Secretário geral da Associação Brasileira de Psicólogos. Coordenou a equipe de tradutores do livro Science and Human Behavior de autoria de B. F. Skinner[2].

Em 1965 teve sua carreira como professor universitário interrompida pelo regime militar, resultado das suas convicções e militância política, sendo detido da UnB e logo depois perseguido e preso pelo Regime militar. No período da redemocratização do Brasil obteve convites formais, mas não se reintegrou a universidade. Retornando ao país lecionou na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Preto (SP), na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (SP), na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP (SP) e no Instituto de Psicologia da UnB (DF). Desenvolveu atividades profissionais como assessoria técnica para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), entre 1962 e 1963, e escreveu os capítulos de Psicologia do curso de Ciências Humanas produzido e publicado pela TV Cultura entre 1968 e 1970.

É ainda hoje lembrado por seu legado ao ensino da Psicologia e por sua atuação na formação de expressivos representantes da Psicologia experimental.

Referências