Rosa Vercellana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rosa Vercellana
Condessa de Mirafiori e Fontanafredda
Cônjuge Vítor Emanuel II da Itália
Descendência Vittoria Guerrieri
Emanuelle Alberto Guerrieri
Nome completo
Maria Rosa Chiara Teresa Aloisia Vercellana
Nascimento 3 de junho de 1833
  Nice, Reino da Sardenha (atualmente na França)
Morte 26 de dezembro de 1885 (52 anos)
  Pisa, Itália
Enterro Turim, Itália
Pai Giovanni Battista Vercellana
Mãe Teresa Griglio


Rosa Vercellana (Nice, 3 de junho de 1833Pisa, 26 de dezembro de 1885) foi condessa de Mirafiori e Fontanafredda e a amante, e depois esposa, do rei Vítor Emanuel II da Itália. Era conhecida como La Bela Rosin.

Vida[editar | editar código-fonte]

Também conhecida por Rosina ou La Belle Rosin, ela nasceu em Nice, então no Reino da Sardenha, sendo a caçula do coronel-de-exército Giovanni Battista Vercellana e da dona-de-casa Teresa Griglio. Ela foi batizada com o nome de Maria Rosa Chiara Teresa Aloisia.

Seu pai, o coronel Giovanni, era natural de Moncalvo, na Província de Asti. Ele era membro da Guarda Imperial Napoleônica, sendo que, após a queda de Napoleão, ele foi apontado como Capitão da Guarda Real Sarda e Governador da Fortaleza Real, em Racconigi; Foi nesta fortaleza que, em 1847, a jovem Rosina conheceu o príncipe Vítor Emanuel da Sardenha. Eles tornaram-se amantes, e ela concebeu duas crianças do príncipe, alguns anos depois.

O affair dos dois causou um grande escândalo em 1849, quando Vítor Emanuel foi coroado Rei da Sardenha. Quando a rainha morreu em 1855, Vítor fez Rosina condessa de Mirafiori e Fontanafredda, por decreto de Sua Majestade, em 1858.

O rei também reconheceu a paternidade das duas crianças que havia tido com a condessa, permitindo-lhes a dignidade de Príncipe Real da Itália e outorgando-lhes o sobrenome Guerrieri.

Em 1860, Vítor Emanuel doou à condessa e aos filhos um castelo campal, no castelo de La Mandria, nas proximidades de Venaria.

Em 1864, quando a capital do Reino da Itália deixou de ser Turim e passou a ser Florença, a condessa e os filhos estabeleceram residência na Villa La Pietraia.

Em 1877, com a permissão do papa, o rei casou-se morganaticamente com Rosa Vercellana. Por tal fato, ela jamais foi reconhecida como rainha da Itália. Vítor Emanuel faleceu dois meses após a cerimônia. Rosa ainda viveu por oito anos.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Rosa Vercellana e o rei Vítor Emanuel tiveram os filhos:

  • Vittoria Guerrieri (2 de dezembro de 1848 - 29 de dezembro de 1905), casada no castelo de La Mandria com o marquês Giacomo Filippo Spinola di Genova, com o marquês Luigi Spinola e com Paolo de Simone, com descendência, nas famílias: Spinola, De Simone, Coci, Meshki, Tuccimei e Sforza.
  • Emanuelle Alberto Guerrieri (26 de junho de 1851 - 23 de dezembro de 1894), conde de Mirafiori e Fontafredda, casado em Florença com Bianca di Larderel, com descendência nas famílias: Guerrieri, Gromis e Grosso.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rosa Vercellana