Rute Rosas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rute Rosas
Nascimento 1972 (47 anos)
Porto
Alma mater Universidade do Porto
Ocupação escultora
Rute Rosas
Nascimento 1972
Porto
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação Artista Plástico

Rute Rosas (Porto, Portugal, 1972) é uma artista plástica de origem portuguesa. Licenciou-se em Escultura, obteve o seu mestrado em Multimédia, intitulado "Dentro de Mim" (2001) sob orientação de Bernardo Pinto de Almeida, Professor Catedrático da Universidade do Porto. O seu projeto de doutoramento em Arte e Design, "A Autocensura como Agente Poético Processual da Criação Escultórica - Projectos, Processos e Práticas Artísticas" (2011), foi desenvolvido sob orientação de Enric Tormo Ballester, Professor Catedrático da Universidade de Barcelona [1][2] na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Participa, desde 1994, regularmente em exposições e eventos, tais como conversas[3][4], simpósios[5][6], feiras de arte e concursos de artes plásticas em Portugal e no estrangeiro. Leciona no curso de Artes Plásticas - Escultura da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, desde 1999, altura em que se tornou na primeira mulher a lecionar nesta área do conhecimento do ensino superior artístico no Porto.

Rute Rosas participou recentemente na Biennale Internationale du Lin de Portneuf, Quebec, Canadá, (junho de 2019) onde a partir de reflexões sobre a condição humana, criou objetos esculturais como extensões / próteses para o corpo humano na sua situação contemporânea.

Participou na exposição ESBAP/FBAUP (1995), na Alfândega do Porto, com organização de Ângelo de Sousa, Carlos Carreiro e Carlos Barreira que marcou a entrada da Escola Superior de Belas Artes do Porto na Universidade do Porto, passando a designar-se por Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP).

Índice[editar | editar código-fonte]

Vista do trabalho de Rute Rosas na Biennale internationale du lin de Portneuf, em exposição no Moulin de La Chevrotière, Deschambault-Grondines (Québec), Canadá junho 2019.

Arte[editar | editar código-fonte]

Da Leveza e do Silêncio, 2017 de Rute Rosas

O trabalho artístico de Rute Rosas é simultaneamente auto-referencial, auto-biográfico e ficcional. Os seus projetos artísticos apresentam-se sob estratégias materiais que frequentemente combinam o têxtil[7], o vidro[8], o Happening, a fotografia[9], o som e a imagem em movimento[10]. O seu trabalho pode ser visto frequentemente na Contextile, em museus municipais, em bienais de arte, em fundações, entre outros. Começa a expor na segunda metade da década de 1990 na Galeria Serpente, com direção de Isabel Cabral e Rodrigo Cabral, e de seguida na Galeria Canvas, gerida por José Mário Brandão e Albuquerque Mendes, que promovia também o trabalho de artistas como Cláudia Amandi[11], Pedro Tudela, Rui Chafes, Lygia Pape e Efrain Almeida. "Rua 17 de Dezembro" é o título da sua primeira exposição (2003) no Brasil, no Castelinho do Flamengo, Rio de Janeiro, com curadoria de Paulo Reis[12]. [13].


Arte Pública[editar | editar código-fonte]

Vista de "Do Tempo, no Espaço, uma Ponte, um Apelo. Contigo ou sem Ti" (2018), de Rute Rosas no Parque da Ponte, Braga, Portugal.

Em 2018, Rute Rosas participou no simpósio Arte e Sustentabilidade[14], na cidade de Braga, Portugal, que deu origem ao projeto "Do Tempo, no Espaço, uma Ponte, um Apelo. Contigo ou sem Ti" no Parque Municipal da Ponte[15]. A proposta é uma intervenção escultórica in situ constituída por um elemento em chapa de ferro e iluminação no lago, uma chapa de ferro instalada sob o solo, relva, sementes de relva, adubo, tintas de diversos vermelhos em DST, casa de máquinas e iluminação led.

Vista de "Do Tempo, no Espaço, uma Ponte, um Apelo. Contigo ou sem Ti" (2018), de Rute Rosas no Parque da Ponte, Braga, Portugal.

Coleções[editar | editar código-fonte]

O trabalho de Rute Rosas pertence a várias coleções: Fundação P.L.M.J., Fundação António Prates, Associação Nacional de Jovens Empresários, Museu de Arte de Vila Nova da Cerveira, Museu do Estuque, Portugal, Museu Quiñones de León, Espanha, Comunidi Manciano, Itália, Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Câmara Municipal de Abrantes, Câmara Municipal de Cinfães, Prefeitura do Rio de Janeiro, Brasil, Universidade do Porto, Portugal, Coleção Fabio Szwarcwald, Brasil.


Prémios[editar | editar código-fonte]

  • 2005 Prémio XIII Bienal de Cerveira
  • 2005 Menção Honrosa no âmbito do Prémio Vespeira na categoria de fotografia
  • 1997 Prémio CER.TA.ME / Prémio Nacional de Cerâmica, Talha e Metais na categoria de Escultura em Metal
  • 1996 Prémio Fundação Eng.º António de Almeida
  • 1994 Menção Honrosa no Concurso Nacional de Jovens nas Artes - Associação Nacional de Jovens Empresários

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rosas, Rute Ribeiro (17 de novembro de 2011). «A Autocensura como Agente Poético Processual da Criação Escultórica - Projectos, Processos e Práticas Artísticas» 
  2. «LOCAL PORTO. A artista plástica Rute Rosas deu uma segunda vida à sua tese de doutoramento». PÚBLICO 
  3. Seara.com. «Fundação de Serralves - Serralves». Serralves. Consultado em 23 de junho de 2018 
  4. Porto, Faculdade de Belas Artes da Universidade do. «FBAUP - Aula Aberta: Cláudia Paim / Dispositivos de registo da Performance - estudos de caso do Brasil e da América Latina». sigarra.up.pt. Consultado em 23 de junho de 2018 
  5. «Desperdício industrial vai dar a Braga duas peças de arte». www.diariodominho.pt. Consultado em 23 de junho de 2018 
  6. «Obras apresentadas». Bienal de Cerveira. 18 de abril de 2018 
  7. «Programmation 2019 – Biennale internationale du lin de Portneuf». biennaledulin.com. Consultado em 21 de julho de 2019 
  8. «Exposição "Da leveza e do silêncio", de Rute Rosas, no Museu Nogueira da Silva» Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 23 de junho de 2018 
  9. «Rute Rosas mostra "Pele de Embrulho" nas montras da Livraria Lello». www.livrarialello.pt (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2018 
  10. Group, Global Media (22 de junho de 2017). «Instruções globais para uma arte local». JN 
  11. «MCO | Arte Contemporânea». mcoartecontemporanea.com. Consultado em 21 de julho de 2019 
  12. «Morre em Lisboa o curador de arte Paulo Reis». O Globo. 24 de abril de 2011 
  13. «zet ou o poder da palavra». Onde Ir. 1 de junho de 2018 
  14. «Simpósio em Braga pretende mostrar ″estreita ligação″ entre arte e economia circular». www.dn.pt. Consultado em 21 de julho de 2019 
  15. «Parque da Ponte». Wikipédia, a enciclopédia livre. 12 de maio de 2019