Ruy Alexandre Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ruy Alexandre Faria
Informação geral
Nome completo Ruy Alexandre Faria
Nascimento 31 de julho de 1937
Local de nascimento Cambuci, RJ
Brasil
Morte 11 de janeiro de 2018 (80 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasileira
Ocupação(ões) Cantor
Período em atividade 1964-2004
Afiliação(ões) MPB4

Ruy Alexandre Faria (Cambuci, 31 de julho de 1937Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2018) foi um cantor brasileiro fundador e integrante do grupo MPB4, do qual foi membro entre os anos de 1964 e 2004.

Dentre os membros do grupo, Ruy era o mais velho e já tinha experiência como crooner em algumas casas do Rio de Janeiro. Largou o emprego no Banespa, na capital carioca, para atuar nos Centros Populares de Cultura - CPC, em conjunto com Miltinho, Magro e Aquiles. A escala vocal do Ruy era a 1ª voz, marcando musicalmente os arranjos das músicas do quarteto.

Em 2004, saiu do grupo após desentendimentos com Miltinho (Milton Lima dos Santos Filho), pois não concordava que ele assumisse a dianteira nos assuntos empresariais do grupo. Em seguida, foi substituído por Dalmo Medeiros, que ocupa atualmente sua posição vocal.

Em 2005, lançou em parceria com Carlinhos Vergueiro o disco "Só pra Chatear", com excelentes arranjos musicais e entrosamento entre os dois músicos. A marca vocal de Ruy continua vigorosa neste trabalho.

Em 2007, após 43 anos de formado pela Universidade Federal Fluminense - UFF, Ruy Faria conseguiu emitir seu registro como advogado pela Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, seccional do Rio de Janeiro. Atua em um dos conceituados escritórios na cidade.

Paralela à advocacia continuava excursionando e dirigia a peça "Calabar" de autoria de Ruy Guerra e Chico Buarque.

Faleceu por complicações decorrentes de uma pneumonia.[1]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Ruy foi casado com Cynara, integrante do Quarteto em Cy. Os dois tiveram três filhos: João, Irene e Francisco. O casamento também rendeu boas parcerias musicais, como a música "Mar da Tranqüilidade" (com Aquiles, em 1968) e os LPs "Cobra de Vidro" (1978), "Bate-Boca" (1997), "Somos Todos Iguais Nesta Noite" (1998) e "Vinícius, a Arte do Encontro" (2000).
  • João (João Faria) e Francisco (Chico Faria) seguiram a carreira musical. O primeiro excursiona com artistas consagrados, como o MPB-4, e segue também carreira solo. Seu irmão Francisco também realiza estas atividades e lança também suas próprias composições.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Só Pra Chatear (2005)

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]