Sári

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a capital da província de Mazandaran, no Irã, veja Sari.
Maharani Chimnabai e a filha, Indira Devi, vestidas com um tradicional sari de Maharashtra, cerca de 1924.

O sári, saree ou shari[nota 1] é um traje tradicional das mulheres na Índia.[1] Ele consiste em uma longa peça de pano com cerca de 6 metros de comprimento, tipicamente amarrada na cintura com uma das pontas disposta sobre um ombro. Existem vários estilos de se fabricar e dobrar o sári, sendo o mais comum o estilo Nivi, originário da região do Decã, na Índia.[2]

O sári é usado com uma blusa colada no corpo por baixo da tira de tecido, chamado de choli (ravike no sul da Índia e cholo no Nepal) e um tipo de anágua, chamado parkar ou ul-pavadai.[3]

Por conta dos extremos de temperatura no subcontinente indiano, o sari tem tanto um papel prático quanto um decorativo. Não apenas é quente no inferno e fresco no verão como também permite uma maior liberdade de movimentos que as atividades diárias precisam.[3] O sári é considerado na Índia moderna um ícone cultural.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra sari descrita em sânscrito como शाटी śāṭī[5] significa "pedaço de pano"[6] e em शाडी śāḍī ou साडी sāḍī em Pali também, que evoluiu para o sāṛī no indiano moderno. A palavra 'Sattika' é descrita como uma vestimenta de mulheres na Antiga Índia, na literatura budista e em sânscrito, o que seria o equivalente ao moderno 'Sari'.[1]

História e origens[editar | editar código-fonte]

Escultura de mulher da região de Matura, século II.
Tara mostrada com uma vestimenta de três peças; século XI.
Dama oference vinho, Decã. 1600.

Pode-se traçar a história do sári até a Civilização do Vale do Indo, que floresceu entre os anos de 2800 e 1800 a.C., no noroeste do subcontinente indiano.[3] O algodão foi pela primeira vez cultivado e fervido no subcontinente indiano por volta do 5º milênio antes de Cristo. Tinturas usadas naquele período ainda hoje são usadas, principalmente o açafrão-da-terra, a Rubia, o anil e o lilás.[7] A seda foi confeccionada por volta de 2500 a 2000 a.C..[8][9]

A palavra 'sari' evoluiu de 'sattika', mencionada na literatura jainista e budista mais antiga como "traje feminino".[3] O Sari ou Sattika evoluiu de um conjunto de três peças que compreende o Antriya, a vestimenta inferior; o Uttariya; um véu usado sobre o ombro ou a cabeça; e o Stanapatta , uma faixa no peito. Esse conjunto é mencionado na literatura sânscrita e literatura budista Pali durante o século VI a.C..[10] A antiga antriya assemelhava-se muito à dobra dothi na forma de rabo de peixe, que era então passada entre as pernas, cobrindo-as com folga e desenhando longas pregas na frente.[1] Acabou evoluindo para a saia Bhairnivasani, conhecida hoje como Gagra choli e lehenga.[1] Uttariya era um véu parecido com um xale usado sobre o ombro ou a cabeça, que evoluiu para o que hoje é conhecido como dupatta e ghoongat.[1][3] Entre os séculos II a.C. e 1 d.C., Antariya e Uttariya se fundiram em uma única peça, conhecida como sari, tal como mencionada na literatura Pali, sendo duas vestimentas em uma única peça.[3][11]

No Kadambari e na antiga poesia tamil, bem como na Silappatikaram (Cinco Grandes Epopéis em idioma tamil), mulheres são descritas usando roupas drapeadas ou saris.[2][12] Na antiga Índia, embora as mulheres usassem sáris que expunham o diafragma, os escritores do Dharmasastra declararam que as mulheres deviam estar vestidas de tal forma que o umbigo nunca ficasse visível e durante algum tempo mostrar o umbigo era proibido.[3][13][14]

Com evidências em antigas esculturas, as blusinhas apertadas ou cholis, devem ter surgido e se popularizado entre os séculos II a.C. e VI d.C em vários estilos regionais diferentes.[2] Os primeiros cholis eram amarrados nas costas, sendo mais comum em partes do norte da Índia, e ainda é comum em algumas partes do Rajastão e diferentes estilos de bordados decorativos são feitos nele.[1][3] No sul da Índia, o choli é conhecido como ravikie, que é amarrado na frente ao invés de ser amarrado nas costas. No Nepal, o choli é conhecido como cholo ou chaubandi cholo e é tradicionalmente amarrado na frente.[1][3]

A cor preferida para os saris de casamento é o vermelho e é a roupa preferida pelas noivas indianas. As mulheres costumam usar saris de diversos tecidos regionais, indo desde o algodão até a seda, com pinturas, cores e bordados diversos. Os saris de seda mais procurados em festas e ocasiões formais são os Banasari, Kanchipuram, Gadwal, Paithani, Mysore, Uppada, Bagalpuri, Balchuri, Maheshwari, Chanderi, Mekhela, Ghicha, entre outros.[15]

Os saris de seda ikat e de algodão como os Patola, Pochampally, Bomkai, Khandua, Sambalpuri, Gadwal, Berhampuri, Bargarh, Jamdani, Tant, Mangalagiri, Guntur, Narayan pet, Chanderi, Maheshwari, Nuapatn, Tussar, Ilkal, Kotpad e Manipuri são usados no dia a dia e em festividades. Saris tingidos em Tie-dye ou por impressão são conhecidos como Bandhani, Leheria/Leheriya, Bagru, Ajrakh, Sungudi, Kota Dabu/Dabu e são em geral usados durante a época das monções.[16] Os apliques do bordado de gota patti, originário do Rajastão, são uma forma popular de decoração de saris para várias ocasiões, bem como outros tipos de bordados tradicionais.[17] Atualmente já existem saris com tecidos modernos, como polyester e cetim.[18][19]

Estilos[editar | editar código-fonte]

Ilustração de 1928, com diferentes estilos de sari, como o gagra choli e shalwar kameez usados por mulheres na Índia.

Existem mais de 80 tipos registrados de uso de um sari.[3][20] O estilo mais comum é aquele amarrado ao redor da cintura, com um drapeado solto e o final do drapeado sobre o ombro, na frente do peito.[21] O sari, porém, pode ser dobrado e drapeado de diversas maneiras diferentes, cada um deles exigindo um sari de um determinado tamanho. A historiadora e pesquisadora Ṛta Kapur Chishti documentou cerca de 108 maneiras diferentes de se usar um sari em seu livro ‘Saris: Tradition and Beyond’[22], documentando os costumes de 14 estados da Índia, como Gujarat, Maharashtra, Goa, Karnataka, Kerala, Tamil Nadu, Andhra Pradesh, Odisha, West Bengal, Jharkhand, Bihar, Chhattisgarh, Madhya Pradesh e Uttar Pradesh.[22]

Chantal Boulanger, antropóloga francesa, categorizou o sari nos seguintes estilos[3]:

  • Nivi – estilo originário de Andhra Pradesh; além do moderno nivi, há também o kaccha nivi, onde as pregas são passadas pelas pernas e presas na cintura na parte de trás. Isso permite movimento livre enquanto cobre as pernas.
  • estilo bengali e odia – o estilo é usado sem pregas. Tradicionalmente, o estilo Bengali é usado sem pregas, onde o sari é enrolado no sentido anti-horário ao redor da cintura e, em seguida, uma segunda vez a partir da outra direção. A ponta solta é muito mais longa e gira ao redor do corpo sobre o ombro esquerdo. Há pano suficiente para cobrir a cabeça também. O estilo moderno de vestir um sari origina-se da família Tagore. Jnanadanandini Devi, a esposa do irmão mais velho de Rabindranath Tagore Satyendranath começou com a moda de usar o sari assim depois de sua estadia em Mumbai.
  • Gujarate/Rajastão – depois de dobrar as pregas de modo semelhante ao estilo nivi, a ponta solta é retirada das costas, colocada sobre o ombro direito e puxada para ser presa nas costas;
  • Himachal Pradesh – Kulluvi Pattu é uma forma tradicional de sari de lã usada em Himachal Pradesh, variação similar também é usada em Uttarakhand.
  • Nepal – existem várias maneiras diferentes de se dobrar um sari, sendo o mais comum atualmente o estilo nivi. As comunidades falantes de Bhojpuri e Awadhi usam o sari sedha pallu com o drapeado do Gujarate. A comunidade Mithila tem sua própria tradição como os drapeados madhubani e purniea, raros de se ver hoje em dia. As mulheres das comunidades Rajbanshi tradicionalmente usam o sari sem choli e o amarram no pescoço, como uma toalha, uma tradição ainda usara pelas mulheres mais velhas. O estilo newari
  • Maharashtra – estilo muito semelhante ao dhoti masculino, apesar de ter variações regionais e sociais. O centro do sari (mantido no sentido do comprimento) é colocado no meio das costas, as extremidades são levadas para a frente e amarradas com segurança, depois as duas extremidades são enroladas em volta das pernas. Quando usado como um sari, um pano extra longo de é usado e as extremidades são então passadas sobre os ombros e a parte superior do corpo. O estilo é popular também em Goa;
  • Madisar – esse drapeado é típico das mulheres brâmanes Iyer de Tamil Nadu;
  • Pin Kosuvam – tradicional estilo Tamil Nadu;
  • Distrito de Kodagu – este estilo é único das senhoras que vivem no distrito Kodagu, de Karnataka. Neste estilo, as pregas são criadas na parte de trás, em vez da frente. A extremidade solta do sari é colocada de costas para a frente no ombro direito, e fica presa ao resto do sari.
  • Gobbe Seere – estilo usdo pelas mulheres das regiões de Malenadu e área central de Karnataka, com 18 pregas, três ou quatro voltas na cintura e depois um nó cruzando sobre os ombros;
  • Assam – estilo com três peças, conhecido como Mekhela chador. A parte de baixo é drapeada na cintura, a mekhela, o véu é o chadar e é usado com um longo véu por cima do ombro;
  • Manipur – também um estilo de três peças, com véu innaphi, parte de baixo phanek e o longo chale choli;
  • Meghalaya - o estilo Khasi de sari é conhecido como "Jainsem", que é composto de várias peças de tecido, dando ao corpo uma forma cilíndrica.
  • Kerala - duas peças, feitas geralmente de algodão cru, decorado com ouro ou com tiras coloridas nas barras;
  • Estilos tribais - geralmente amarrado e preso no peito, cobrindo os seios;
  • Kinbi ou denthli - estilo usado pelos povos Gaudas e Kunbis, do litoral de Goa e por aqueles que migraram para outros estados, drapeando-se o tecido e criando um nó no tecido que é atado abaixo do ombro, com uma tira de tecido cruzando por cima do ombro esquerdo, amarrada nas costas.

Estilo Nivi[editar | editar código-fonte]

O estilo Nivi é um vestígio colonial do passado britânico da Índia. Foi criado para atender às exigências vitorianas. Jnanadanandini Devi, cunhada de Rabindranath Tagore, criou o estilo Nivi, pegando emprestado a anágua e a blusa de outros estilos, para agradar as normas sociais britânicas sem perder a identidade indiana.[23][24] Os britânicos tentaram formalizar a complexa cultura indiana em estereótipos bem definidos. O sari não tinha lugar na moral vitoriana, que priorizava a modéstia sobre o conforto e a liberdade de movimentos.[25]

O estilo hoje é o mais comum em Andhra Pradesh. A crescente interação com os britânicos fez com que a maioria das mulheres das famílias reais saísse das purdah nos anos 1900, o que exigiu uma mudança de vestimenta. A Maharani Indira Devi popularizou o sari de chiffon. Ela ficou viúva cedo e seguiu a convenção de abandonar seu saris ricamente adornados em favor do branco do luto e sem adornos, conforme a tradição hindu. Curiosamente, ela transformou suas roupas de "luto" em alta costura, chegando até mesmo às passarelas em Paris.[26]

A Maharani Ourmilla Devi usando um sari Nivi.

O sari de chiffon fez em poucos anos o que séculos de tradição não fez, que foi homogeneizar a moda em todo o país.[22] O tecido leve, brilhante, elegante e de drapeado bonito se adaptava muito bem ao clima indiano. Diferentes cortes pelo país adotaram seus próprios estilos, alguns com barrados de ouro bordados à mão, como em Varanasi, ou em bordado Zardozi, entre vários outros estilos regionais, simultaneamente agradando à tradição local como o novo moral britânico que se instalava.[1][3]

O drapeado Nivi começa com uma ponta do sari enfiada no cós da [anágua], geralmente uma saia [lisa]. O pano é enrolado ao redor da parte inferior do corpo uma vez, depois manualmente dobrado em pregas até abaixo do umbigo. As pregas estão enfiadas no cós da anágua.[1][3] Criam um efeito decorativo gracioso que os poetas compararam às pétalas de uma flor. Depois de mais um giro ao redor da cintura, a ponta solta é colocada sobre o ombro.[3] Essa ponta solta é conhecida como pallu, pallav, seragu ou paita, dependendo do idioma, drapeada de maneira diagonal sobre o torso feminino. Ele é usado no quadril direito sobre o ombro esquerdo, em parte, desnudando o umbigo.[3]

O umbigo pode ser revelado ou escondido pela usuária ajustando o pallu, dependendo da camada social. O longo final do pallu pendurado na parte de trás do ombro é muitas vezes ricamente decorado. O pallu pode estar pendurado livremente, dobrado na cintura, usado para cobrir a cabeça, ou usado para cobrir o pescoço, passando-o pelo ombro direito também. Alguns estilos nivi são usados com o pallu colocado de costas para a frente, vindo da parte de trás sobre o ombro direito com um canto dobrado pelo quadril esquerdo, cobrindo o tronco/cintura.[1][3] O sari nivi foi popularizado também através das pinturas de Raja Ravi Varma.[1][3][27]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. O nome da vestimenta em diferentes idiomas do sul da Ásia incluem:
    em bengali: শাড়ি śāṛi, em hindi: साड़ी sāṛī, em oriá: ଶାଢୀ sāddhi, em canarês: ಸೀರೆ , sīrē, em concani: साडी, कापड, चीरे , sāḍī, kāpaḍ, cīrē, em malaiala: സാരി sāri, em marata: साडी sāḍī, em nepali: सारी sārī, em panjabi: ਸਾਰੀ sārī, em tâmil: புடவை puṭavai, em telugu: చీర cīra, em urdu: ساڑى sāṛī

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Lynton, Linda (1995). The Sari. Nova York: Harry N. Abrams, Incorporated. ISBN 978-0-8109-4461-9 
  2. a b c Katiyar, Vijai Singh (2009). Indian saris: traditions, perspectives, design. Nova Delhi: Wisdom Tree in association with National Institute of Design, Ahmedabad. 211 páginas. ISBN 9788183281225 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q Boulanger, Chantal (1997). Saris: An Illustrated Guide to the Indian Art of Draping. Nova York: Shakti Press International. ISBN 978-0-9661496-1-6 
  4. «Sari, Always in Vogue». Hinduism Today. Consultado em 1 de julho de 2019 
  5. R. S. McGregor, ed. (1997). The Oxford Hindi-English Dictionary. [S.l.]: Oxford University Press. p. 1003. ISBN 978-0-19-864339-5 
  6. Monier-Williams, Monier (1995). A Sanskrit-English Dictionary. Delhi: Motilal Banarsidass. p. 1063. ISBN 978-81-208-0065-6. Consultado em 1 de julho de 2019 
  7. «What did the Indus people wear and what material were their clothes made of?». Harappa.com. Consultado em 26 de dezembro de 2015 
  8. Abbott, Phill (2009). «Rethinking silk's origins : Nature News». Nature. 457 (7232). 945 páginas. PMID 19238684. doi:10.1038/457945a 
  9. Good, I.L.; Kenoyer, J.M.; Meadow, R.H. (2009). «New evidence for early silk in the Indus civilization». Archaeometry. 50 (3): 457. doi:10.1111/j.1475-4754.2008.00454.x 
  10. Prasad Mohapatra, Ramesh (1992). Fashion Styles of Ancient India: A Study of Kalinga from Earliest Times to Sixteenth Century Ad. [S.l.]: B.R. Publishing Corporation. 357 páginas. ISBN 9788170187233 
  11. Levick, Melba; Crites, Mitchell; Nanji, Ameeta (2008). IndiaColor: Spirit, Tradition, and Style. [S.l.]: Chronicle Books. ISBN 978-0-8118-5316-3 
  12. Parthasarathy, R. (1993). The Tale of an Anklet: An Epic of South India – The Cilappatikaram of Ilanko Atikal, Translations from the Asian Classics. New York: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-07849-8 
  13. Anant Sadashiv, Altekar (1956). The Position of Women in Hindu Civilization, From Prehistoric Times to the Present Day. [S.l.]: Motilal Banarsidass Publ. 380 páginas. ISBN 9788120803244 
  14. Beck, Brenda (1976). «The Symbolic Merger of Body, Space, and Cosmos in Hindu Tamil Nadu». Contributions to Indian Sociology. 10 (2): 213–243. doi:10.1177/006996677601000202 
  15. «Saree saga: Draped for elegance, growth too». Mumbai: The Economic Times. Consultado em 1 de julho de 2019 
  16. Wada, Yoshiko wamoto (2002). Memory on Cloth: Shibori Now. [S.l.]: Kodansha International. p. 28. ISBN 9784770027771 
  17. «Embroidery on Indian wedding wear | Gota work». Marry me weddings.in. 24 de novembro de 2011. Consultado em 1 de julho de 2019 
  18. Sandhu, Arti (2015). Indian Fashion: Tradition, Innovation, Style. [S.l.]: Bloomsbury. p. 19. ISBN 978-18478-8780-1 
  19. Rocca, Federico (2009). Contemporary Indian Fashion. [S.l.]: Damiani. p. 136. ISBN 9788862081009 
  20. Anita Rao Kashi (ed.). «How to Wear a Sari in India». World Hum. Consultado em 1 de julho de 2019 
  21. «The History of Indian Sarees - Chappals UK». chappals.co.uk. Consultado em 1 de julho de 2019 
  22. a b c Kapur Chishti, Ṛta (2013). Saris: Tradition and Beyond. [S.l.]: Roli Books. p. 276. ISBN 978-8174363749 
  23. «Dressing the Indian woman». BBC World. Consultado em 1 de julho de 2019 
  24. «9 Facts You Might Not Know About The Sari». Google Arts & Culture. Consultado em 1 de julho de 2019 
  25. Toolika Gupta, ed. (2011). «The Effect of British Raj on Indian Costume» (PDF). Process Arts. Consultado em 1 de julho de 2019 
  26. Kumar, Rita (maio de 2008). «A story of sartorial amalgamation». Seminar (585). Cópia arquivada em 14 de setembro de 2008 
  27. «18 Traditional Saree Draping Styles From Different Parts Of India». The Ethnic Soul. Consultado em 1 de julho de 2019 

Bibliografia

  • Ambrose, Kay (1950) Classical Dances and Costumes of India. London: A. & C. Black.
  • Craddock, Norma (1994) Anthills, Split Mothers, and Sacrifice: Conceptions of Female Power in the Mariyamman Tradition. Dissertation, University of California, Berkeley.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sári