São Gabino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

São Gabino (em latim: Gabinus) é um nome atribuído a dois santos. O primeiro morreu mártir em Porto Torres, Sardenha, Itália (a antiga Turris) por volta de 300. Sua festa é celebrada em 30 de maio e é o único "Gabino" incluído no Martirológio Romano, a oficial e reconhecidamente incompleta lista de santos da Igreja Católica[1]. De acordo com uma Passio do século XII, Gabino foi um soldado romano encarregado de cuidar de um padre e um diácono aprisionados por sua fé, acabou convertido e os três morreram como mártires. A cada ano, em 3 de maio, três estátuas representando os três mártires são levadas em procissão a partir da Basílica de São Gabino (Basilica di San Gavino), a maior e mais antiga igreja românica da Sardenha, até uma pequena igreja onde estão três túmulos esculpidos na rocha da época da Roma Antiga na qual as estátuas são depositadas durante o Pentecostes. A pequena igreja então se transforma num local de peregrinação até que as estátuas voltem para a basílica em outra procissão na noite de Pentecostes. A pequena igreja então fica fechada até o dia 3 de maio do ano seguinte.

Acredita-se que o segundo "São Gabino" seja o pai de Santa Susana e irmão do papa Caio (r. 283–296). Segundo a lenda, apesar de ser um parente do imperador romano Diocleciano, foi decapitado em 296 por se recusar a realizar um sacrifício aos deuses romanos. Suas relíquias são veneradas atualmente na Igreja da Santíssima Trindade em Lyon, França, onde se comemora sua festa todo dia 19 de fevereiro.

Referências

  1. Martyrologium Romanum (Libreria Editrice Vaticana 2001 ISBN 88-209-7210-7)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]