Sant'Urbano a Campo Carleo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja de Santo Urbano no Campo Carlino
Sant'Urbano a Campo Carleo
Antiga via Alessandrina, onde ficava Sant'Urbano.
Fim da construção século XIII
Religião Igreja Católica
Diocese Diocese de Roma
Ano de consagração 15 de agosto de 1264
Geografia
País Itália
Região Roma
Local Rione Monti
Coordenadas 41° 53' 40.57" N 12° 29' 8.66" E
Notas: Demolida em 1933

Sant'Urbano a Campo Carleo ou Igreja de Santo Urbano no Campo Carlino, conhecida também como Sant'Urbano ai Pantani, era uma igreja de Roma, Itália, localizada no rione Monti, na antiga via Alessandrina, e demolida em 1933. Era dedicada a Santo Urbano.

História[editar | editar código-fonte]

A igreja, com o mosteiro vizinho de monges beneditinos, foi consagrada em 15 de agosto de 1264 pelo papa Urbano IV e construída graças ao patrocínio da nobre Giacoma Bianchi. Seu nome é uma referência ao nome da área na Idade Média, "Campo Carleo", que era também uma referência ao palácio de um nobre que ficava no local, Carlo Leone. Em documentos antigos, o nome aparece também como "campus Caloleonis". Depois do século XVI, a igreja assumiu o nome de "Sant’Urbano ai Pantani", desta vez uma referência ao Arco dos Pântanos, que fica nas imediação.

A igreja antiga já estava arruinada no século XV e, perto do Jubileu de 1600, havia planos de construir uma nova no local com base num projeto de Mario Arconi. O mosteiro vizinho, também restaurado, foi entregue pelo papa Clemente VIII, a pedido do cardeal Barônio, às irmãs popularmente conhecidas como "le sperse di sant'Eufemia". O conservatório de Santa Eufêmia e a igreja vizinha foram demolidos em 1933 durante as escavações que revelaram os Fóruns Imperiais e as obras da Via dei Fori Imperiali.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A igreja tinha uma única nave, com um altar-mor e dois laterais. O da direita guardava uma "Anunciação" de Girolamo Muziano; no altar-mor estava "Santo Urbano, Santa Clara, a Madona e Anjos", de Sebastiano Ceccarini; no altar da esquerda, "São Carlos, São Francisco e São Nicolau", de Ottavio Leoni.

No refeitório do mosteiro de Santa Eufêmia estava um precioso afresco, de autor desconhecido, provavelmente do século XVII e representando a "Samaritana no poço". Recentemente restaurado, está hoje conservado no Museu de Roma no Palazzo Braschi.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]