Elígio de Noyon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Santo Elígio)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Santo Elígio de Noyon
Santo Elígio, no Museu de Belas Artes de Berna (1515)
Bispo; Confessor
Nascimento c. 588 em Chaptelat, Limoges, Aquitânia (França)
Morte 1 de dezembro de 660 (72 anos) em Noyon, França
Veneração por Igreja Católica
Igreja Ortodoxa[1]
Festa litúrgica 1 de dezembro
Atribuições Bigorna; bispo com um báculo em sua mão direita e, na mão esquerda, uma igreja de ouro em miniatura; bispo com um martelo, bigorna e ferradura; bispo a cavalo; ourives; martelo; segurando a perna de um cavalo para trocar-lhe a ferradura; ferradura; segurando o nariz do diabo com uma pinça de ferreiro; segurando um cálice e o martelo de ourives; segurando um martelo e uma coroa perto de uma ferraria; santo com Santa Godeberta.
Padroeiro carroceiros; relojoeiros; colecionadores de moedas; artesãos de todos os tipos; açougueiros; douradores; ferreiros; cavalos; joalheiros; jóqueis; chaveiros; metalúrgicos em geral; mineiros; produtores de facas, moedas, ferramentas e aparatos de montaria; veterinários
Gloriole.svg Portal dos Santos

Elói ou Elígio (5881 de dezembro de 660), de origem familiar Galo-Romana nobre, foi artesão em Limoges onde trabalhou como aprendiz do superintendente mestre de cunhagem de moedas reais.

Vida e obras[editar | editar código-fonte]

Dado o seu carácter de rigor e honestidade, foi incumbido da construção dum trono para o rei Clotário II . Deu-se a circunstância de que conseguiu construir não um, mas dois tronos, com o ouro que para esse efeito lhe tinha sido entregue. Este facto valeu-lhe a promoção a chefe da casa da moeda a par de ourives oficial do rei. Exerceu a profissão de ourives com grande prestígio, foi autor de diversas moedas que circularam com sua assinatura, e chegou em certa altura a ser o cunhador da moeda de Marselha. Após a morte de Clotário II, Dagoberto I manteve-o nas mesmas funções acrescentando-o ainda das incumbências de conselheiro e diplomata. De tal sorte exerceu de forma eficaz estes cargos, que muitas vezes era ele quem se encontrava com os emissários estrangeiros antes destes se encontrarem com o rei, evitando assim o espoletar de conflitos, dado o tempero e carácter conhecidos do soberano, não só na vida pública como inclusivamente na privada, onde santo Elígio também exerceu muitas vezes as suas influências paziguadoras. Apesar de tanta tarefa e responsabilidade ainda conseguiu ter tempo para se dedicar a obras de carácter social ligadas à igreja e isto valeu-lhe a nomeação para Bispo de Noyon e Tournai, embora tivesse exercido este mister durante pouco tempo, pois preferia antes o trabalho no terreno junto às obras por ele fundadas.

Fundou muito cedo um mosteiro em Solignac e um convento para mulheres em Paris e mais tarde outros.

Apoiou o trabalho missionário, sendo generoso para com os pobres fazendo ainda uma especial amizade com Santa Batilde.

Ainda hoje existem obras-primas atribuídas a este santo diplomata e artífice, entre elas, alguns relicários, verdadeiras preciosidades artísticas. Atribuem-se-lhe os relicários feitos para S. Germano de Paris, S. Piat, S. Severino, S. Martinho, Santa Comba e Santa Genoveva. Consta que o túmulo de S. Dinis também foi guarnecido com trabalhos de ourivesaria da sua autoria. Além dos negócios e trabalhos na sua arte, foi um benemérito, tendo estado implicado na libertação de escravos, no acudir à pobreza e no conforto levado a prisioneiros. Demitiu-se de todos os cargos em 639 aquando da morte do rei e entrou para a vida eclesiástica. Foi nomeado Bispo em Ruão após ter sido ordenado sacerdote . Fundou, como se disse, mosteiros, entre os quais um perto de Solignac em Limousin, outro dedicado a S. Martinho de Noyon e ainda outro a dez quilómetros de Arrás, numa colina que depois se chamou Monte de Santo Elói (Santo Elígio). A sua fama transvasou a França e espalhou-se por toda a Europa

Referências

  1. December 1. Latin Saints of the Orthodox Patriarchate of Rome.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Elígio de Noyon