Serenata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Serenata é uma canção e / ou performance musical em honra a alguém, geralmente uma donzela, com teor romântico. Serenatas são tipicamente calmas, musicalmente leves, e abrangem trechos musicais de pequena duração, usualmente cantados, tocados à noite, de preferência debaixo de uma janela.

A palavra "serenata" provém da Língua italiana, e deriva da palavra latina serenus.[1]

Um dos estilos mais marcantes é o das serenatas feitas por estudantes e ex-estudantes universitários. Na tradição portuguesa e latina, existem diversos tipos de grupos musicais que executam este gênero de acto cultural, com especial relevo para os grupos de fado de Coimbra, para as tunas e para os grupos de serenatas.

Uma serenata

Eras clássica e romântica[editar | editar código-fonte]

O tipo mais importante e predominante de serenata na história da música é um trabalho para grande conjunto instrumental em múltiplos movimentos, relacionado ao divertimento, e principalmente sendo composto nos períodos clássico e romântico, embora existam alguns exemplos a partir do século XX. Normalmente, o caráter do trabalho é mais leve do que outros trabalhos de movimento múltiplo para grande conjunto (por exemplo, a sinfonia), com sintonia sendo mais importante do que o desenvolvimento temático ou intensidade dramática. A maioria destas obras são da Itália, da Alemanha, da Áustria e da Boêmia.

Entre os exemplos mais famosos da serenata do século XVIII estão os de Mozart, cujas serenatas contêm uma multiplicidade de movimentos que vão de quatro a dez. Suas serenatas eram muitas vezes peças puramente instrumentais, escritas para ocasiões especiais, como as encomendadas para cerimônias de casamento. As famosas serenatas de Mozart incluemHaffner, a Serenata notturna, e um de seus mais famosos trabalhos, Eine Kleine Nachtmusik.[2]

No século XIX, a serenata se transformara em um trabalho de concertos, menos associado ao desempenho ao ar livre para ocasiões honorárias, e os compositores começaram a escrever serenatas para outros conjuntos. As duas serenatas de Johannes Brahms Brahms são mais ou menos sinfonias leves, talvez mais relacionadas com suites, exceto que eles usam um conjunto que Mozart teria reconhecido: uma pequena orquestra - no caso da Serenata No. 2, uma orquestra inteiramente sem violinos. Dvořák, Tchaikovsky, Josef Suk, Edward Elgar entre outros escreveram serenatas para cordas apenas, como fez Hugo Wolf, que escreveu um para quarteto de cordas (a Serenata Italiana). Outros compositores a escreverem serenatas em estilo romântico incluem Ludwig van Beethoven, Hector Berlioz, Franz Schubert, Richard Strauss, Max Reger, Ethel Smyth e Jean Sibelius.

Século 20[editar | editar código-fonte]

Alguns exemplos de serenatas no século XX incluem a Serenade for Tenor, Horn and Strings de Benjamin Britten, a Serenata em A para piano de Stravinsky, a Serenata para barítono e septeto, Op. 24 de Arnold Schoenberg, e alguns dos movimentos entitulados "serenata" no último quarteto para cordas de Shostakovich, o No. 15 (1974). Ralph Vaughan Williams escreveu uma Serenade to Music (para 16 vozes em sola e orquestra) que estreou em 1938, enquanto Leonard Bernstein compôs sua Serenade after Plato's "Symposium" (para violino solo, cordas de harpa e percussão) em 1954. Essas serenatas modernas são adaptações livremente exploradas para o layout formal e instrumentação original da serenata.

Forma[editar | editar código-fonte]

Uma serenata é geralmente de uma estrutura multi-movimento, variando de quatro a dez movimentos. Eles geralmente são construídos com um movimento de abertura rápida, seguido por movimentos lentos do meio que alternam com os rápidos e fechar com um presto rápido ou movimento allegro. Há fortes influências da música de câmara, e serenatas podem ser sutilmente inserido em um programa de música de câmara. Uma serenata pode ser considerada em algum lugar entre uma suíte e uma sinfonia, mas é geralmente de uma natureza clara e romântica - casual e sem demasiados momentos excessivamente dramáticos.[3]

Referências

  1. «Hubert Unverricht & Cliff Eisen. "Serenade". Grove Music Online. Oxford Music Online. 8 December 2009.». (pede subscrição (ajuda)) 
  2. Hubert Unverricht and Cliff Eisen, “Serenade”, The New Grove Dictionary of Music and Musicians, second edition, edited by Stanley Sadie and John Tyrrell (London: Macmillan Publishers).
  3. Lynan, Peter. “Serenade.” The Oxford Companion to Music. Ed. Alison Latham. Oxford Music Online. 8 December 2009. http://www.oxfordmusiconline.com/subscriber/article/opr/t114/e6099

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The New Harvard Dictionary of Music, ed. Don Randel. Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press, 1986. ISBN 0-674-61525-5
  • Articles "Wolfgang Amadeus Mozart", "Serenade," "Serenata," in The New Grove Dictionary of Music and Musicians, ed. Stanley Sadie. 20 vol. London, Macmillan Publishers Ltd., 1980. ISBN 1-56159-174-2
Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.