Simaroubaceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaSimaroubaceae
Ailanthus altissima

Ailanthus altissima
Simaba ferruginea
Simaba ferruginea
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Sapindales
Família: Simaroubaceae
Géneros
Ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Simaroubaceae

Simaroubaceae é uma família de plantas angiospérmicas (plantas com flor – divisão Magnoliophyta), pertencente à ordem Sapindales. As sapindales, por sua vez, são um grupo monofilético, com sinapomorfias como folhas pinado-compostas e flores apresentando disco nectarífero evidente, geralmente pequenas; são plantas lenhosas com folhas alternas espiraladas, desprovidas de estípula. O táxon consiste em 9 famílias e cerca de 5.800 espécies, dentre elas a Simaroubaceae é uma das principais. Essa ordem está incluída nas Malvídeas (Eurosídeas II), segundo o atual sistema de classificação APG II (o mais atual para angiospermas).

São plantas ditas eudicotiledônias, desenvolvendo portanto embriões com dois ou mais cotilédones e possuindo geralmente grão de pólen tricolporado.

Habitat[editar | editar código-fonte]

No Brasil, ocorrem 6 gêneros e 20 espécies distribuídas pantropicalmente, encontrada em regiões tropicais ou sub-tropicais. Sua distribuição global se dá nas regiões tropicais das América, se estendendo até África, Madagascar e regiões da Austrália banhadas pelo Oceano Pacífico, ocorrendo poucos gêneros em regiões temperadas.

Relações Ecológicas[editar | editar código-fonte]

De acordo com a literatura, suas flores são polinizadas por diversos insetos, principalmente abelhas e outros animais como aves (geralmente quando drupa); contudo, alguns gêneros são polinizados pelo vento (quando fruto é tipo sâmara), como em Leitneria.

Fórmula floral[editar | editar código-fonte]

Flor estaminada: *, K (4-5), C5, A5+5, G (5)•

Flor carpelada: *, K (4-5), C5, A5+5•, G (5); agregado de sâmaras ou drupas

Informações botânicas[editar | editar código-fonte]

São arbustos ou árvores, ocasionalmente armados como no caso da Castela; apresentam compostos triterpenóides amargos do tipo quassinóide.

Flor[editar | editar código-fonte]

IInflorescência geralmente cismosa, determinada, terminal o axilar; flores pouco vistosas, unissexuadas (plantas monoicas ou raramente dióicas) ou raramente bissexuadas, com estaminódios e pistilódios bem desenvolvidos frequentemente; actinomorfas, diclamídeas ou raramente monoclamídeas; cálice 4-5 mero, geralmente livres a ligeiramente conatas, prefloração valvar ou imbricada; corola 3-5(-8-)-mera, geralmente dialipétala, também imbricadas ou valvares; estames em número duplo ao das sépalas, raramente em número igual ou numeroso, livres entre si, com frequência basalmente apendiculados, anteras rimosas; grão de pólen tricolporado. disco nectarífero geralmente presente (intraestaminal); gineceu dialicarpelar ou gamocarpelar, 1-5(-8-)-carpelar, unidos apenas pelos estiletes; estigma capitado a fortemente lobado; ovário súpero, 1-5(-8-)-loculos, placentação geralmente axial, lóculos unidos ou raramente biovulados (separando-se em carpelos individuais à medida que os frutos se desenvolvem). Flores ausentes em ''Leitneria''.

Fruto[editar | editar código-fonte]

Apresenta fruto agregado de sâmaras ou de drupas carnosas à secas; o endosperma pode estar ausente.

Folhas[editar | editar código-fonte]

Filotaxia é alterna (geralmente espiralada) ou raramente opostas, podendo apresentar folhas compostas pinadas e ocasionalmente folhas simples, ausência de estípulas, com folículos inteira ou serreada. A venação é peninérvea. Apresentam células secretoras esparsas frequentemente nas folhas e casca. Geralmente com tricomas simples na superfície.

Gêneros[editar | editar código-fonte]

Compreende 20 gêneros , incluindo os nativos brasileiros (6 gêneros) tais como Castela, Picrasma, Picrolemma, Quassia,Simaba e Simarouba. O gênero Simarouba foi fundado em 1775 por Aublet, e esse se difere dos taxa Quassia L. e Simaba Aubl. principalmente por possuir flores unissexuais com estigmas longos e divergentes, Principais gêneros da família Simaroubaceae:

Alvaradoa
Ailanthus com 15 spp;
Brucea
Castela com 12 spp.
Eurycoma
Holacantha
Leitneria
Picramnia
Picrasma
Quassia
Simarouba
Simaba com, aproximadamente, 30 spp;

Principais espécies[editar | editar código-fonte]

Todas as espécies de Simaba são utilizadas para medicina popular como antifebrífugo, antidiarreico, anti-reumático e contra hidropisia, além de possuirem compostos de caráter terapêutico e antimalária (Eurycoma longifolia). Espécies do gênero Simaba:

Simaba multiflora
Simaba orinocensis
Simaba guianensis
Simaba cuspidata Spruce
Simaba cedron Planchon
Simaba polyphylla Caval.
Simaba subcymosa
Simaba ferruginea

Importância[editar | editar código-fonte]

Uso medicinal de algumas espécies que possuem compostos amargos como no caso de alguma das espécies dos gêneros Quassia e Picrasma; e no uso da madeira do marupá (Simarouba amara). Provavelmente tais substâncias amargas conferem propriedades medicinais à estas plantas. A presença das substâncias denominadas quassinóides é exclusiva dessa familia. Pesquisas recentes demonstram que o potencial anti-malária do quissanóide (orinocinolide) é presente na Simaba orinocensis, uma vez que possuem compostos de caráter terapêutico (Eurycoma longifolia). Todas as espécies de Simaba são utilizadas para medicina popular como antifebrífugo, antidiarreico, anti-reumático e contrahidropisia. Também existem estudos que incentivam a pesquisa aprofundada dos compostos químicos de certas espécies, uma vez que extratos de A. excelsa demonstraram um significante poder de atuação antioxidante e atiproliferativo, que pode ser aplicado para inibir processos de carcinogênese, como iniciação, promoção e progressão de um tumor. Na biotecnologia, espécies dessa família também apresentam utilidade como marcadores de microssatélite (totalizando 18 marcadores), obtidos a partir da espécie  Eurycoma longifolia, para a  criação de perfis de DNA em estudos de diversidade genética. Ainda, algumas espécies são usadas no ramo ornamental: a árvore-do-paraíso do gênero Ailanthuse o marupá (Simarouba).

Referências[editar | editar código-fonte]

CRONQUIST, ARTHUR. Studies in the Simaroubaceae-II. The Genus Simarouba. Bulletin of the Torrey Botanical Club.Vol. 71, No. 3, pp. 226-234. Mai 1944.

GUARIM NETO, G.; MORAIS, R. G. Medicinal plants resources in the Cerrado of Mato Grosso state Brazil: a review. Acta Bot. Bras., v. 17, n. 4, p. 561-584, 2003.

JUDD, W. S., CAMPBELL, C. S., KELLOGG, E. A., STEVENS, P. F., DONOGHUE, M. J. Sistemática Vegetal: Um Enfoque FilogenÈtico. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, p.435. 2009.

MARCELLO, C. M. Avaliação da Atividade Antiúlcera de Frações de Simaba ferruginea St. Hil. (Simaroubaceae). In: XVII Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, 2002, Cuiabá. XVII Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, 2002.   

MUHAMMAD, I.; BEDIR, E.; KHAN, S. I.; TEKWANI, B. L.; KHAN, I. A.; TAKAMATSU, S.; PELLETIER, J.; WALKER, L. A.; J. NAT. A newantimalarial quassinoid from Simaba orinocensis. J. Nat. Prod., 62. pp. 772–777. 2004.

NOLDI, F. V. Estudo fitoquímico das folhas e rizomas de Simaba ferruginea St. Hil. e avaliação da atividade antiúlcera e antinociceptiva dos extratos e compostos isolados. Universidade do vale do Itajaí, Brasil Itajaí. 2005.

SAID, ATAA; TUNDIS, ROSA; HAWAS, USAMA W.; EL-KOUSY, SALAH M.; RASHED, KHALED; MENICHINI, FEDERICA; BONESI, MARCO; HUEFNER, ANTJE; LOIZZO, MONICA ROSA; MENICHINI, FRANCESCO. In vitro Antioxidant and Antiproliferative Activities of Flavonoids from Ailanthus excelsa (Roxb.) (Simaroubaceae) Leaves. Z. Naturforsch. 65 c, 180 – 186. 2010.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática. Guia ilustrado para identificação de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005.

THOMAS, W. W. Os gêneros americanos de Simaroubaceae e sua distribuição. Acta Bot. Bras. [online], vol.4, n.1, pp. 11-18. ISSN 0102-3306. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061990000100002. 1990.

TNAH, LEE HONG; LEE, CHAI TING; LEE, SOON LEONG; NG, KEVIN KIT SIONG; NG, CHIN HONG; HWANG, SIAW SAN. Microsatellite markers of an important medicinal plant, Eurycoma longifolia(Simaroubaceae), for DNA profiling. American Journal of Botany, vol. 98 no. 5, e130-e132. Mai 2011

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Sapindales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.