Sora-e

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sora-e é um avião elétrico tripulado brasileiro, o primeiro desse tipo a ser produzido na América Latina. O primeiro voo foi realizado na cidade de São José dos Campos[1] em 18 de Maio de 2015. Fez seu primeiro voo para a imprensa em 23 de junho de 2015 e foi desenvolvido conjuntamente pelas empresas ACS Aviation e Itaipu Binacional[2][3].

Características[editar | editar código-fonte]

O Sora-e é um monomotor de dois lugares, com hélice de madeira e carbono. Sua base é o Sora, um avião para acrobacia aérea, com motor a combustão, que foi o primeiro modelo produzido pela ACS. Com estrutura de fibra de carbono, pesa cerca de 650 quilos e tem 8 metros de envergadura.

Utiliza dois motores elétricos Emrax[4] de 35 kW cada um, produzidos pela empresa eslovena Enstroj. Os motores são alimentados por seis conjuntos de baterias de lítio íon polímero, que juntos fornecem 400 volts.

O aparelho apresenta razão de subida de 1.500 pés por minuto. Sua autonomia de voo é de 90 minutos a 190 km/h, podendo atingir a velocidade máxima de 340 km/h[5].

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a ACS recebeu R$ 500 mil da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O objetivo era desenvolver um sistema elétrico para aeronaves. Em setembro de 2014 o Sora-e foi aprovado em testes realizados pelo Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Montagem de Veículos Movidos a Eletricidade (CPDM-VE) da Itaipu.

O voo inaugural foi realizado em Hernandarias, no Paraguai, na fronteira com o Brasil.

Referências

  1. «São José dos Campos». Wikipedia (em inglês). 11 de agosto de 2017 
  2. SORA-e, 1º avião elétrico tripulado da América Latina.Infodefensa, 1 de setembro de 2014
  3. Começam testes com primeiro avião elétrico tripulado da América Latina. Itaipu Binacional, 27 de agosto de 2014
  4. «EMRAX motors/generators | Electric products | ENSTROJ - electric motor manufacturer». www.enstroj.si. Consultado em 21 de julho de 2016 
  5. Primeiro voo. Revista Fapesp, fevereiro de 2015