Sunjong da Coreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sunjong
순종
純宗
The Imperial Seal of Korea 03.png
Imperador da Coreia
Imperador da Coreia
Reinado 20 de julho de 1907 – 29 de agosto de 1910
Predecessor Gojong da Coreia
Sucessor título abolido
príncipe herdeiro Yi Un (tornou-se apenas pretendente)
 
Esposas Imperatriz Sunmyeonghyo
Imperatriz Sunjeong
Casa Yi
Nascimento 25 de março de 1874
  Palácio Changdeokgung, Seul, Reino de Joseon, Coreia
Morte 24 de abril de 1926 (52 anos)
  Palácio Changdeokgung, Keijo (Seul), Império do Japão
Enterro Yureung, Namyangju, Coreia do Sul
Pai Gojong da Coreia
Mãe Rainha Myeongseong

Sunjong (hangul: 순종; hanja: 純宗; rr: Sunjong; MR: Sunjong; 25 de março de 187424 de abril de 1926),[1] também conhecido pelo nome de Imperador Yunghui (hangul: 융희제; hanja: 隆熙帝; rr: Yunghuije; MR: Yunghŭije), foi o segundo e último imperador coreano durante a Dinastia Joseon, tendo exercido sua regência de 1907 até 1910, quando se estabeleceu a ocupação japonesa na Coreia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos e reinado[editar | editar código-fonte]

Sunjong nasceu como o quarto filho do Imperador Gojong e da Imperatriz Myeongseong. Quando ele completou dois anos de idade, foi proclamado o príncipe herdeiro. Em 1882, se casou com uma mulher do clã Min, que mais tarde tornou-se a imperatriz Sunmyeonghyo (Hangul: 순 효 황후; Hanja: 純 明 孝 皇后). O império coreano foi estabelecido no ano de 1897, e Sunjong tornou-se o príncipe herdeiro imperial. Em julho de 1907, Gojong foi deposto como resultado da pressão exercida pelo imperialismo japonês, e dessa forma, Sunjong tornou-se imperador da Coreia. Ele foi proclamado herdeiro do trono de seu irmão mais novo, o Príncipe Imperial Yeong (Hangul: 영친왕; Hanja: 英 親王), e mudou-se do Palácio Deoksugung para a residência imperial localizada no Palácio Changdeokgung.[2]

Intervenção japonesa e abdicação[editar | editar código-fonte]

Apesar de seu título, o reinado de Sunjong foi limitado através da crescente intervenção armada do governo japonês à Coreia. Em julho de 1907, ele foi proclamado imperador da Coreia, mas foi imediatamente forçado a entrar no Tratado Japão-Coreia de 1907 (Hangul: 협약 신 협약, 정미 7 조약; Hanja: 韓日 新 協約, 丁未 七 條約). Este tratado permitiu ao governo japonês supervisionar e intervir na administração e governança da Coreia, o que também permitiu a nomeação de ministros japoneses dentro do governo.[3] Sob supervisão japonesa, o exército coreano foi demitido sob o pretexto de falta de regulamentação sobre as finanças públicas. Em 1909, o Japão implementou o Protocolo Japão – Coreia (Hangul: H 각서; Hanja: 己酉 覺 書) que efetivamente conseguiu remover o poder judiciário da Coreia. Enquanto isso, o Japão despachou Ito Hirobumi, o Residente-Geral Japonês na Coreia, para negociar com a Rússia acerca dos problemas envolvendo a Coreia e a Manchúria. No entanto, Ito foi assassinado por Ahn Jung-geun em Harbin, o que levou à efetiva ocupação japonesa a Coreia. Além disso, políticos pró-japoneses, como Song Byung-jun e Lee Wan-yong, desertaram, ocasionando na disposição coreana para se unir com o Japão e estabelecendo o Tratado de Anexação Japão-Coreia em 29 de agosto de 1910.[4][5] Embora o reinado de Sunjong ainda existisse no papel, a intervenção do governo japonês efetivamente acabou com o seu reinado de três anos, tornando-o sem efeito. Em 29 de agosto de 1910, o Japão aboliu o império coreano, encerrando definitivamente os 519 anos da dinastia Joseon.[6]

Pós abdicação e morte[editar | editar código-fonte]

Sunjong trajando o uniforme de honra do Império Japonês.

Após o tratado de anexação, o agora ex-imperador Sunjong e sua esposa, a imperatriz Sunjeong, viveram o resto de suas vidas presos no Palácio Changdeokgung em Seul.[7] Sunjong não conseguiu exercer qualquer poder como imperador porque havia apenas políticos pró-japoneses no governo. Após o colapso do Império Coreano, ele foi rebaixado de imperador para rei. No entanto, o Japão permitiu-lhe utilizar o título de Rei Yi do Palácio de Changdeok (Hangul: H 이왕; Hanja: 昌 德 宮 李 王) e que o mesmo fosse herdado.[2]

Sunjong morreu em 24 de abril de 1926, em Changdeokgung e foi enterrado com suas duas esposas no túmulo imperial de Yureung (유릉, 裕 陵) na cidade de Namyangju. Seu funeral de estado ocorreu em 10 de junho de 1926, e tornou-se um catalisador para o Movimento de 10 de junho contra o domínio japonês.[8]

Nome póstumo completo[editar | editar código-fonte]

  • Seu Imperador a Majestade Imperial Sunjong Munon Muryeong Donin Seonggyeong da Coreia
  • Daehan Jeguk Sunjong Munon Muryeong Donin Seonggyeong Hwangje Pyeha

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Sunjong foi retratado por Ahn Sang-woo no filme sul-coreano de 2016, The Last Princess.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Korea. Choson. The Yi Dynasty Genealogy». Buyers, Christopher: The Royal Ark. Consultado em 11 de abril de 2015 
  2. a b «The Academy of Korean Studies(한국학중앙연구원) : 순종(Sunjong)» 
  3. «『고종시대사 6』(History of Gojong's Period 6) : 국사편찬위원회(National History Compilation Committee), 1969, 635p» 
  4. «『고종시대사 6』(History of Gojong's Period 6) : 국사편찬위원회(National History Compilation Committee), 1969, 641p» 
  5. Rhee, Song Nai. Beautiful as the Rainbow: Nashimoto Masako, a Japanese Princess against All ... [S.l.: s.n.] 100 páginas 
  6. «::: Cultural Heritage, the source for Koreans' Strength and Dream :::». Cultural Heritage Administration of Korea. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  7. «Emperor Sunjong of Korea». Asian History. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  8. Yunghui Yi Cheok, Emperor Sunjong. Korea's Last Emperor's Goodbye: Korea Annexed by Japan. [S.l.]: 1915