Tatyana Chernova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tatyana Chernova
Atletismo
Modalidade heptatlo
Nascimento 29 de janeiro de 1988 (29 anos)
Krasnodar, URSS
Hoje: Rússia
Nacionalidade Rússia russa
Compleição Altura: 1,89 m
Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Londres 2012 Heptatlo
DSQ Pequim 2008 Heptatlo
Campeonatos Mundiais
DSQ Daegu 2011 Heptatlo
Campeonatos Mundiais – Indoor
DSQ Doha 2010 Pentatlo
Universíada
Ouro Kazan 2013 heptatlo

Tatyana Sergeyevna Chernova (em russo: Татьяна Сергеевна Чернова; Krasnodar, 29 de janeiro de 1988) é uma heptatleta russa.

Em Pequim 2008, Chernova terminou em quarto lugar a prova do heptatlo. Após a desclassificação da medalhista de prata, a ucraniana Lyudmila Blonska, por doping, herdou a medalha de bronze,[1] mas foi igualmente desclassificada em 24 de abril de 2017 após a reanálise de seu exame antidoping acusar o uso da substância proibida turinabol.[2]

Conquistou a medalha de ouro no Campeonato Mundial de Atletismo de 2011 em Daegu, Coreia do Sul, derrotando a então líder do ranking mundial e futura campeã olímpica em Londres 2012, a britânica Jessica Ennis, por 129 pontos, com um recorde pessoal de 6880 pontos.[3] Em Londres 2012, conquistou uma segunda medalha olímpica de bronze.[4]

Doping[editar | editar código-fonte]

Em 2015, após novos testes de amostras de urina dos atletas que competiram no Campeonato Mundial de Atletismo de 2009, em Berlim, ela foi pega por doping com esteróides anabolizantes e suspensa por dois anos, com todos seus resultados entre 15 de agosto de 2009 e 15 de agosto de 2011 sendo anulados, o que lhe custou a medalha de bronze no pentatlo conquistada no Mundial Indoor de Doha 2010. A anulação de resultados, porém, acabava duas semanas antes do Mundial de 2011, em Daegu, iniciado apenas em 27 de agosto daquele ano, o que fez com que ela pudesse manter sua medalha de ouro e seu título mundial lá conquistado. A resolução fez com que Ennis, que ficou com a medalha de prata, fizesse uma petição à IAAF solicitando que a medalha de ouro fosse redirecionada a ela, argumentando que "não entendia como a medida poderia ser justa, já que esteróides fazem efeitos por anos no corpo humano".[3]

Em 25 de março de 2015 a IAAF entrou com um apelo no Tribunal Arbitral do Esporte questionando a desclassificação seletiva feita pela RUSADA – a agência antidoping russa – dos períodos de suspensão dela e de outros seis atletas russos desqualificados na mesma época. O caso de Chermova envolve estranhas lacunas em seu período de suspensão, incluindo sua elegibilidade a partir de duas semanas antes da medalha de ouro em Daegu, que não foi confiscada, e se iniciando novamente outro período de desclassificação menos de duas semanas depois dela conquistar o ouro na Universíade em Kazan 2013, permitindo que ela mantivesse as duas medalhas.[5]

Referências

  1. Terra Esportes. «Após doping, ucraniana perde prata e é expulsa dos Jogos» 
  2. «IOC SANCTIONS TWO ATHLETES FOR FAILING ANTI-DOPING TEST AT BEIJING 2008 AND LONDON 2012» (em inglês). Comitê Olímpico Internacional. 24 de abril de 2017. Consultado em 12 de julho de 2017 
  3. a b «Jessica Ennis-Hill wants 2011 silver upgrade after Tatyana Chernova ban». The Guardian. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  4. «Jessica Ennis wins Olympic gold after stunning heptathlon performance». The Guardian. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  5. «AAF APPEALS SIX DECISIONS RECENTLY MADE BY RUSADA». IAAF. Consultado em 11 de agosto de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]