Fonte da Telha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Teleférico da Aroeira)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Praia da Fonte da Telha
Praia da Fonte da Telha.jpg

Vista geral da Praia da Fonte da Telha

Localização
Endereço
Descrição
Tipo de praia
Oceânica
Banhada por
Faixa de areia
Sim
Funcionamento
Acesso público
Fácil

Fonte da Telha é uma praia de grande extensão do litoral português, na margem sul do rio Tejo, partilhada entre os municípios de Almada e Sesimbra e as freguesias de Costa de Caparica e Castelo (Sesimbra)[1]. Situada numa enseada da Mata Nacional dos Medos (ou Pinhal do Rei), da zona da Fonte da Telha avistam-se dois cabos: à esquerda o Cabo Espichel e à direita o Cabo Raso.

Nela existe uma importante comunidade piscatória originária da zona sul da Charneca de Caparica e que se fixou ali em finais do séc. XIX. Além da atividade piscatória a Fonte da Telha é um local de veraneio, onde existem nove praias vigiadas, restaurantes, bares, escolas de atividade náutica, um centro de mergulho. É o terminal sul do minicomboio da Caparica. Numa das extremidades da praia pratica-se o naturismo, na praia da Adiça, perto da Lagoa de Albufeira.

História[editar | editar código-fonte]

A Fonte da Telha foi habitada, inicialmente, por mestres de arte xávega que foram eles: Mané Pataia e Zé do Florinda, desde meados do século XIX.

As primeiras noticias publicadas sobre os habitantes da Fonte da Telha remontam a 1889. Saiu no jornal Correio do Sul e fala sobre uma desordem entre os pescadores de mar — companhias de pesca — que pescavam com artes valencianas, e os pescadores mareantes habitantes da Fonte da Telha, Charneca de Caparica, Vila Nova de Caparica e Costa de Caparica.

Os mestres das artes xávega trouxeram consigo camaradas e suas famílias, e, juntamente com as gentes da Charneca de Caparica, povoaram a zona da Fonte da Telha.

No inicio do século XX já habitavam muitas famílias na Fonte da Telha: a família dos Santos (descendentes do Mané Pataia), a dos Silvas descendentes do Zé da Florinda, a do Zé Duque, as do Dionísio, mais os Zegas, os Figueiredos, os Luís, os Silvérios, os Faustinos, os Duques “Latróias”, os Rodrigues, e os Xavier “Grazinas”.

Teleférico da Aroeira[editar | editar código-fonte]

Teleférico da Aroeira
Unknown route-map component "uSTRc2" Unknown route-map component "uCONT3"
SolpraiaCaparica
Unknown route-map component "uKBHF1"
Unknown route-map component "uSTRc4" + Unknown route-map component "uexKBHFa"
0 Fonte da Telha
Unknown route-map component "uexGIPl"
Unknown route-map component "uexKBHFe"
Herdade da Aroeira

Em 2000, um projecto para a construção de um teleférico, ligando esta praia à Herdade da Aroeira, foi apresentado pelo Grupo SIL, proprietário deste empreendimento; este projecto recebeu o apoio da Câmara Municipal de Almada[2] mas também críticas ao seu impacto ambiental por parte do I. C. N. e da Quercus. [3] O projecto foi rejeitado em 17 de novembro de 2000 por despacho do secretário de Estado do Ambiente, Rui Gonçalves, pelo seu impacto ambiental não minimizável e por escasso interesse público, dada a previsível utilização ser limitada a inquilinos da Herdade. [4]

Referências

  1. Praia da Fonte da Telha in Guia da Cidade.
  2. Maria Augusta HENRIQUES: "Luz verde para o teleférico da Aroeira: Câmara de Almada aprova ideia" Setúbal na Rede, 2000-09-25 (09:16).
  3. Etelvina BAÍA: "Quercus preocupada com o ambiente da região: Rejeita teleférico da Aroeira e critica aterro" Setúbal na Rede, 2000-10-16 (11:43).
  4. "Charneca de Caparica: Governo chumba teleférico da Aroeira" Público, 2000-11-17 (21:45).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]