Thiago Soares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde outubro de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Thiago Soares, 2016
Thiago Soares durante performance em Onegin
Thiago Soares

Thiago Soares (Rio de Janeiro, 18 de maio de 1981) é um bailarino brasileiro. Chegou aos palcos das grandes cias de balé tendo iniciado a sua arte na dança com o breakdance e hip-hop até tornar-se primeiro bailarino do Royal Ballet de Londres.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Thiago Soares viveu sua infância e adolescência na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Nascido em São Gonçalo e criado no bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro aos nove anos, começou a frequentar a Escola de Circo, onde encontrou na acrobacia e atuação as primeiras experiências de sua arte.[2] Vivendo um momento de proeminência, ainda no circo, Thiago foi encorajado a buscar uma escola de dança para aperfeiçoar seus movimentos no breakdance e hip-hop.

O início de sua carreira na dança clássica foi aos 15 anos, quando começou seus estudos no Centro de Dança Rio, no Méier. Ao se destacar por suas habilidades e por ter um biotipo ideal para a dança, passou a integrar aos 17 anos o corpo de baile do  Theatro Municipal do Rio de Janeiro.[3]

Nesse mesmo ano, conquistou a Medalha de Prata no Concurso Internacional de Dança de Paris. Em sua trajetória no Rio de Janeiro, interpretou os papéis principais em 'O Quebra-Nozes', 'Don Quixote', 'Floresta Amazônica', 'O Lago dos Cisnes' e em 'Tome Valsa', criado por Tindaro Silvano especialmente para ele e a bailarina Cecília Kerche.

Em 2001, participou do Concurso Internacional do Ballet Bolshoi, na Rússia, e conquistou a medalha de ouro, disputada entre mais de 270 candidatos.[4] A vitória foi um marco na história da dança nacional, já que foi a primeira e única conquistada por um brasileiro até hoje. Após isso, foi convidado para estagiar no Balé Kirov, tornando-se o segundo estrangeiro a integrar a companhia em 100 anos de história.[5]

No ano seguinte, foi convidado a integrar o corpo de baile do Royal Ballet de Londres. Em 2002, foi promovido a solista; em 2004, passou a ser primeiro solista e foi premiado como a artista revelação masculino de dança clássica, pela premiação Critics' Circle National Dance Awards.[6] E então, em 2006, conquistar o posto de Primeiro Bailarino do Royal Ballet.

No Royal, o seu repertório inclui o papel-título nas produções de Onegin, A Bela Adormecida, La Bayadère, O Lago dos Cisnes, O Quebra-Nozes, Coppélia, Voluntários, Gong, Romeu e Julieta, Anastasia, Manon, Sonhos de Inverno, Mayerling e Las Hermanas, e inclui também montagens criadas especialmente para ele: Les Saisons, The Seven Deadly Sins, Sweet Violets and Raven Girl.

Em sua trajetória em Londres, vida profissional e pessoal também se misturaram, e Thiago foi casado por 13 anos com a bailarina argentina Marianela Núñez, uma de suas principais partners na companhia. Atualmente, os dois ainda dividem os palcos, mas seguem suas vidas de forma separadas.[7]

Fora do Royal Ballet, Thiago Soares se apresenta ainda como convidado nos principais teatros do mundo. Já teve passagem pelos Teatro Alla Scalla di Milano,[8] Teatro Argentino de La Plata, Bolshoi, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Estonian National Opera,[9] Teatro dell’Opera di Roma e o Munich National Theatre.

Em 2008, promove a realização de um espetáculo especial, Thiago Soares & Friends,[10] que levou aos palcos brasileiros estrelas da dança internacional como Alicia Amatriain, David Makhateli, Jason Reilly, Laura Morera, Marianela Núñez, Natalia Kremen e Ricardo Cervera sendo visto em várias capitais do país.

Em 2012 Thiago se apresenta na Cerimônia de Encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres,[11] representando a cultura brasileira. Em 2013, recebeu o prêmio Special International Press da Embaixada do Brasil em Londres em reconhecimento à sua contribuição para as artes.

Nos últimos anos, tem se dedicado também à criação e direção de alguns projetos pessoais. Para comemorar seus 15 anos de carreira internacional,[12] teve uma temporada no Brasil com o espetáculo “Paixão”, em que reuniu repertórios clássicos e novos coreógrafos, como “O lago dos cisnes”, “La bala”, do português Arthur Pitta, e “Caresse du temps”, que marcou a estreia de Alessio Carbone, primeiro-bailarino do Balé da Ópera de Paris, como coreógrafo. O espetáculo ainda contou com a coreografia “Paixão”,  idealizada por Deborah Colker, e que deu nome ao conjunto da obra.

Em 2016, mais um marco em sua carreira: o espetáculo Roots.[13] Com direção de Ugo Alexandre e Renato Cruz, Thiago dividiu o palco do Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, com Danilo D´Alma, bailarino e coreógrafo reconhecido no cenário das danças de rua do Rio. O espetáculo produzido por Miguel Colker foi uma volta ao passado de Thiago e promoveu um diálogo entre a dança clássica e a dança de rua contemporânea.

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • 1998: Medalha de Prata - Paris International Dance Competition[14]
  • 2001: Medalha de Ouro - Moscow International Ballet Competition[15]
  • 2004: Outstanding Male Artist (Classical) - Critics' Circle National Dance Award[16]
  • 2013: Prêmio especial do board - Brazilian International Press Awards[17]

Referências[editar | editar código-fonte]

Esta categoria reúne artigos sobre Thiago Soares.
Ícone de esboço Este artigo sobre bailarino, dançarino ou coreógrafo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. http://www.roh.org.uk/people/thiago-soares Consultado em 17 de setembro de 2016.
  2. «Thiago Soares, 1º bailarino do Royal Ballet: "Achava que era coisa de gay" | | Glamurama». Glamurama. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  3. «Thiago Soares: "Abri mão da juventude para ser bailarino" - Cultura - iG». Último Segundo 
  4. «Winners | Moscow Ballet Competition». moscowballetcompetition.com. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  5. «Thiago Soares: Ballet Association meeting report». www.balletassociation.co.uk. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  6. «National Dance Awards Oustanding Male Classical». www.nationaldanceawards.com. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  7. «Thiago Soares and Marianela Nuñez maintain ballet partnership». Evening Standard (em inglês). 27 de janeiro de 2016 
  8. «Thiago Soares estreia no Scalla - Cultura - Estadão». Estadão 
  9. OKIA. «Thiago Soares». Estonian National Opera (em inglês) 
  10. «Thiago Soares une balés clássico e moderno em espetáculo em SP - Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  11. «Londres encerra Jogos; começa o ciclo olímpico brasileiro | VEJA.com». VEJA.com. 9 de setembro de 2012 
  12. «Thiago Soares, o bailarino brasileiro mais bem sucedido no exterior, comemora 15 anos de carreira». revistaepoca.globo.com 
  13. «Roots :: Teatro e Dança :: Guia Rio Show :: O Globo». rioshow.oglobo.globo.com. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  14. «THE INTERNET BALLET DATABASE | Artist | Soares Thiago». www.balletbase.com. Consultado em 18 de outubro de 2016 
  15. «Winners | Moscow Ballet Competition». www.moscowballetcompetition.com. Consultado em 18 de outubro de 2016. Arquivado do original em 19 de outubro de 2016 
  16. «National Dance Awards Critics' Circle». www.nationaldanceawards.com. Consultado em 18 de outubro de 2016 
  17. «Brazilian International Press Awards». Brazilian Press Awards. 2013