Três Espaços Linguísticos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Três Espaços Linguisticos
TEL.svg

Países cujo idioma oficial é o espanhol em preto, o francês em vermelho e o português em azul.
Fundação 2001 (17 anos)
Membros 103 países

Três Espaços Linguísticos (em francês: Trois Espaces Linguistiques, em castelhano: Tres Espacios Lingüísticos[1], acrónimo: TEL) é uma iniciativa interinstitucional de cooperação linguística liderada pela Organização de Estados Iberoamericanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), a Secretaria de Cooperação Ibero-americana (SECIB), a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a Organização Internacional da Francofonia (OIF), representantes principais da Hispanofonia, a Lusofonia e a Francofonia.[2]

O projeto se autodefine como um “inovador espaço de reflexão para o desenho de novas estratégias de cooperação internacional que permitam reforçar, através do diálogo entre as culturas, a construção de uma cultura de paz, um de cujos valores principais é o respeito às diferenças”.[3]

Os Três Espaços Linguísticos estão integrados, em palavras do secretário geral ibero-americano Enrique V. Iglesias, por 103 países e 900 milhões de falantes dispersos nos cinco continentes.[4] Estes três espaços têm, segundo assinala Iglesias, "problemas comuns, como é tratar de fazer de suas línguas instrumentos a cada vez mais utilizados na economia, na cultura, no comércio e, especialmente, em internet". Por isso, considera que "a digitalização do mundo abre novas oportunidades para a expansão destas línguas, sua consolidação e defesa".

Acontecimentos[editar | editar código-fonte]

No ano 2001 as organizações citadas realizaram conjuntamente o I Coloquio dos Três Espaços Linguísticos (TEL). Concebeu-se, em palavra de Durántez Prados, como "um processo de encontros formalizados de representantes das organizações dos países de línguas neolatinas junto com especialistas independentes desses âmbitos, com o objectivo geral de criar as condições para iniciar um diálogo orientado a conseguir uma sorte de acordo panlatina e assim organizar uma frente comum para combater os efeitos negativos da mundialização".[5]

No ano 2013, no marco da Jornada Européia das Línguas, os Três Espaços Linguísticos lançaram uma mensagem manifestando que "unem suas vozes para recordar a necessidade de proteger e promover o multilingüismo no espaço europeu".[6]

Em novembro do 2015 celebrou-se o "Encontro de Três Espaços Linguísticos" na sede da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, com a participação do Secretário Geral da OEI, representantes da CPLP, da Organização Internacional da Francofonía (OIF) e a Secretaria Geral Iberoamericana (SEGIB).[7] Baixo o título "A linguagem, a identidade e a inclusão social num mundo globalizado", a reunião dividiu-se em três mesas redondas: plurilingüismo e o diálogo intercultural; Idioma, Cultura e Desenvolvimento; e Idiomas, Conhecimento e Inclusão Social.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]