Tratado Naval de Washington

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tratado Naval de Washington
Tratado das Cinco Potências
A cerimônia de assinatura do tratado
Tipo Controle de armamento
Local de assinatura Washington, D.C., Estados Unidos
Signatário(a)(s) Warren G. Harding
Jorge V
Yoshihito
Alexandre Millerand
Vítor Emanuel III
Partes  Estados Unidos
 Reino Unido
 Japão
 França
 Itália
Assinado 6 de fevereiro de 1922
Em vigor 17 de agosto de 1923
Expiração 31 de dezembro de 1936
Publicação
Língua(s) Inglês

O Tratado Naval de Washington, também chamado de Tratado das Cinco Potências, foi firmado entre as potências navais da época e estabelecia restrições de tonelagem aos navios de guerra. Foi uma tentativa das potências vencedoras da Primeira Guerra Mundial para evitar uma corrida armamentista, que levaria a uma outra guerra.[1]

Assinaram o tratado em 6 de fevereiro de 1922 os representantes dos Estados Unidos, Reino Unido, Japão, França e Itália. O limite de 35 000 toneladas para cada navio e canhões de calibre máximo de menos de 406 milímetros foi o que ficou estabelecido.

Limites estabelecidos pelo Acordo[editar | editar código-fonte]

Tonnages autorisés
País couraçados porta-aviões Nº de navios
Império Britânico 580 450 t 135 000 t 22
Estados Unidos 500 600 t 135 000 t 18
Império do Japão 301 320 t 81 000 t 10
Terceira República Francesa 220 170 t 60 000 t 10
Reino de Itália 180 800 t 60 000 t 10

O Tratado estabeleceu também uma moratória durante a qual não se poderia construir novos navios. Este impedimento durou até 1927 para França e Itália, e até 1931 para os demais países. Após este período as Marinhas seriam reconfiguradas.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.