Vítor Emanuel III da Itália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vítor Emanuel III
Rei da Itália e Rei da Albânia

Imperador da Etiópia

Rei da Itália
Reinado 29 de julho de 1900
a 9 de maio de 1946
Predecessor Humberto I
Sucessor Humberto II
Imperador da Etiópia
Reinado 9 de maio de 1936
a 5 de maio de 1941
Predecessor Haile Selassie
Sucessor Haile Selassie
Rei da Albânia
Reinado 16 de abril de 1939
a 8 de setembro de 1943
Predecessor Zog I
Sucessor Monarquia abolida
Príncipe Herdeiro da Itália
Reinado 9 de janeiro de 1878
a 29 de julho de 1900
Predecessor Humberto
Sucessor Humberto
 
Nascimento 11 de novembro de 1869
  Palácio Real de Capodimonte Nápoles, Reino da Itália
Morte 28 de dezembro de 1947 (78 anos)
  Alexandria, Reino do Egito
Sepultado em Santuário de Vicoforte, Vicoforte
Nome completo  
Vítor Emanuel Fernando Maria Januário
Esposa Helena de Montenegro
Descendência Iolanda de Saboia
Mafalda de Saboia
Humberto II da Itália
Joana de Saboia
Maria Francisca de Saboia
Casa Saboia
Pai Humberto I da Itália
Mãe Margarida de Saboia
Assinatura Assinatura de Vítor Emanuel III

Vítor Emanuel III (Nápoles, 11 de novembro de 1869Alexandria, 28 de dezembro de 1947) foi o Rei da Itália de 1900 até sua abdicação em 1946. Além disso, ele também reivindicou ser Imperador da Etiópia[1] entre 1936 e 1941, e também Rei da Albânia de 1939 até 1943, porém esses títulos e domínios nunca foram reconhecidos internacionalmente. Era o único filho do rei Humberto I da Itália e sua esposa Margarida de Saboia.[2]

Foi encarregado de arbitrar a divergência entre Brasil e Reino Unido acerca do território litigioso que os ingleses julgavam pertencer à Guiana Inglesa, litígio conhecido como Questão do Pirara. Foi a única arbitragem internacional onde o Brasil saiu derrotado, perdendo parte de seu território.[carece de fontes?]

Membro da Casa de Saboia, ascendeu ao trono italiano após o assassinato de seu pai.[3] Numa primeira fase, desempenhou unicamente funções constitucionais, mas, durante a crise que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, teve um importante papel nas decisões políticas. Em 29 de outubro de 1922, encarregou Benito Mussolini, depois da sua marcha sobre Roma, da formação do novo governo e, nos anos seguintes, assistiu Mussolini implantar o regime fascista.[4] Durante seu reinado, foi assinado o Tratado de Latrão.

Após a derrota militar da Itália na Segunda Guerra Mundial, participou em 1943 na destituição de Mussolini por parte do Grande Conselho do Fascismo e assumiu o comando do exército.[5] Em 12 de abril de 1944, renunciou a favor de seu filho Humberto II[6] e, em 1946, abdicou e exilou-se no Egito. Pouco depois, foi proclamada a República Italiana.

Nascimento e família[editar | editar código-fonte]

Vítor Emanuel nasceu em 11 de novembro de 1869, no Palácio Real de Capodimonte em Nápoles durante o reinado de seu avô Vítor Emanuel II da Itália [7], chamado pelos italianos de "Pai da Pátria", quando unificou a Península Itálica num único estado. Vítor Emanuel não tinha estatura nem mesmo pelos padrões do século XIX, o que lhe valeu o apelido de piccolo re ("pequeno rei"), ele tinha apenas 1,53 m de altura.[8]

Seu casamento com a princesa Helena de Montenegro, deu origem à expressão "casal italiano", referindo-se à uma esposa alta e marido pequeno, uma vez que sua esposa, descrita como uma "beleza eslava", era bastante alta (ela tinha 1,80 m de altura).

Reinado[editar | editar código-fonte]

No seu reinado fez parte da chamada Tríplice Aliança, junto da Alemanha e da Áustria-Hungria. Em 1914, quando a Grande Guerra iniciou, com o ataque da Áustria-Hungria à Sérvia, a Itália se manteve neutra, justificando que a Aliança era somente para propósitos defensivos. Em 1915, para surpresa de todos, a Itália entra na guerra ao lado da Entente, traindo seus antigos aliados em troca da promessa de conquistar territórios austro-húngaros na costa do Mar Adriático. Como parte da Entente, esteve do lado vencedor, mas suas demandas não foram atingidas, causando uma queda na popularidade do monarca e de seu governo.

Em 1922, depois da Marcha sobre Roma, o rei declara Benito Mussolini como primeiro-ministro, o qual fez alianças com Hitler e Hirohito e entrou na Segunda Guerra Mundial ao lado do Eixo. Em 1943, com o apoio do rei, os ministros depuseram Mussolini e o Reino da Itália passou a apoiar os Aliados, que haviam invadido o sul da península.

Relações entre Igreja e Estado[editar | editar código-fonte]

Na sua vida privada, Vítor Emanuel III era muito diferente dos seus antecessores no que se referia às relações com a Igreja . Seu bisavô, Carlo Alberto, era fortemente religioso; seu avô Vítor Emanuel II era um descrente que, no entanto, nutria um temor supersticioso pela Igreja; seu pai, Humberto I, era um agnóstico observador que ia à igreja mais para dar um exemplo a seus súditos do que por convicção pessoal, mas ao mesmo tempo tinha um profundo respeito pela hierarquia eclesiástica. Vítor Emanuel era, ao contrário, um cético que não acreditava e não praticava: quando jovem, ele cultivou leituras positivistas (como Comte , Stuart Mill e Arbigò) porém, mais do que um secularista, ele era um "gibelino" profundamente consciente de seu próprio papel como aquele que a Igreja havia desempenhado na história do país e, portanto, desconfiava dela.[9]

Um alto nível de tensão nas relações entre a Igreja e o Estado foi causado pela visita de 1904 do presidente francês Émile Loubet a Vítor Emanuel: a Santa Sé protestou alegando que um chefe de Estado católico visitou Roma e prestou homenagem ao Rei de Itália ao invés do Papa . O incidente produziu na França o fortalecimento das posições anticlericais e a ruptura das relações diplomáticas com a Santa Sé .[carece de fontes?]

Tratado de Latrão[editar | editar código-fonte]

Vítor Emmanuel era anticlerical, ficando muito amargurado com a recusa da Igreja Católica em reconhecer Roma como a capital da Itália, mas percebeu que enquanto a Igreja Católica permanecesse oposta ao Estado italiano, muitos italianos continuariam a considerar o estado italiano como ilegítimo e que um tratado com o Vaticano era necessário.[10] No entanto, quando Orlando tentou abrir negociações com o Vaticano em 1919, ele foi bloqueada pelo rei que ficou furioso com a maneira em que Igreja Católica tinha mantido uma neutralidade pró-austríaca durante a Primeira Guerra Mundial I.[10] Em particular, Victor Emmanuel considerava a Igreja Católica com um olhar preconceituoso, fazendo comentários sobre os clérigos mais velhos como sendo hipócritas gananciosos, cínicos e exagerados que se aproveitavam da fé devota dos italianos comuns.[10] Em 1926, o rei permitiu que Mussolini fizesse o que impediu Vittorio Emanuele Orlando de fazer em 1919, dando permissão para abrir negociações com o Vaticano para encerrar a Questão Romana.[10] Em 1929, Mussolini, em nome do rei, assinou o Tratado de Latrão. O tratado foi um dos três acordos celebrados naquele ano entre o Reino da Itália e a Santa Sé . Em 7 de junho de 1929, o Tratado de Latrão foi ratificado e a Questão Romana foi resolvida.

Exílio e morte[editar | editar código-fonte]

Em 28 de dezembro de 1947, Vítor Emanuel morre aos 78 anos no Hospital Moassat em Alexandria [11]. O desaparecimento de Vítor Emanuel limitou todas as ligações a apenas Humberto II[12] O rei do Egito Faruque I ordenou que o falecido tivesse um funeral militar (com o caixão que é colocado em uma carruagem de armas e escoltado por uma representação adequada das forças armadas egípcias ); o corpo de Vítor Emanuel - saudado durante o funeral por 101 tiros de canhão - foi enterrado na catedral católica latina de Alexandria, no Egito [58] [59] [60] . Por outro lado, pelo desejo do falecido, nenhuma flor foi colocada no caixão; na verdade, aqueles que queriam honrar sua memória foram aconselhados a seguir a sugestão da Rainha Elena, ou para beneficiar a comunidade italiana em Alexandria, no Egito .

Em 17 de dezembro de 2017 , quase coincidindo com o septuagésimo aniversário de sua morte, o corpo de Vítor Emanuel foi repatriado a bordo de um avião da Força Aérea Italiana e sepultado na capela de São Bernardo do santuário Vicoforte[13] ao lado de sua esposa Helena , cujos restos mortais foram transferidos de Montpellier dois dias antes.[14]

Títulos da Coroa Italiana[editar | editar código-fonte]

Selo italiano emitido em 1903 com a efígie de Vítor Emanuel III

De 1860 a 1946, os seguintes títulos foram usados ​​pelo rei da Itália:

Victor Emmanuel III, pela Graça de Deus e a Vontade da Nação, rei da Itália, rei da Sardenha, Chipre, Jerusalém, Armênia, duque de Savoy, conde de Maurienne, marquês (do Sacro Império Romano) na Itália; Príncipe de Piemonte, Carignano, Oneglia, Poirino, Trino; Príncipe e vigário perpétuo do Sacro Império Romano; príncipe de Carmagnola, montmelliano com Arbin e Francin, príncipe bailliff do Ducado de Aosta, príncipe de Chieri, Dronero, Crescentino, Riva di Chieri e Banna, Busca, Bene, Brà, duque de Gênova, Monferrat, Aosta, duque de Chablais, Genevois, Duque de Placência, Marquês de Saluzzo (Saluces), Ivrea, Susa, de Maro, Oristano, Cesana, Savona, Tarantasia, Borgomanero e Cureggio, Caselle[desambiguação necessária], Rivoli, Pianezza, Govone, Salussola, Racconigi com Tegerone, Migliabruna e Motturone, Cavallermaggiore, Marene, Modane e Lanslebourg, Livorno Ferraris, Santhià Agliè, Centallo e Demonte, Desana, Ghemme, Vigone, Conde de Barcaça, Villafranca, Ginevra, Nizza, Tenda, Romont, Asti, Alessandria, del Goceano, Novara, Tortona, Bobbio , Soissons, Sant'Antioco, Pollenzo, Roccabruna, Tricerro, Bairo, Ozegna, de Apertole, Barão de Vaud e de Faucigni, Senhor de Vercelli, Pinerolo, de Lomellina, de Valle Sesia, de Ceva Marquisate, senhor de Mônaco, Roccabruna e 11/12 de Menton, nobre patrício de Veneza, pat técnico de Ferrara.[15]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Helena de Montenegro, esposa de Vítor Emanuel III, com suas filhas Iolanda e Mafalda.

Vítor Emanuel III casou-se com a princesa montenegrina Helena de Petrović-Njegoš, filha do rei Nicolau I a 24 de Outubro de 1896. Juntos tiveram cinco filhos:

  1. Iolanda de Saboia (1 de junho de 1901 - 16 de novembro de 1986), casada com Giorgio Carlo Calvi, Conde de Bergolo; com descendência;
  2. Mafalda de Saboia (2 de novembro de 1902 - 27 de agosto de 1944), casada com Filipe de Hesse-Cassel, neto do imperador Frederico III da Alemanha e membro Partido Nazista; com descendência. Mafalda foi presa Gestapo e levada para o campo de concentração de Buchenwald, na Alemanha; Após um bombardeio pelas tropas aliadas, Mafalda ficou gravemente ferida e, devido a uma infecção no braço, tiveram de amputar o membro da princesa, que levou à sua morte, aos 41 anos;
  3. Humberto II da Itália (15 de setembro de 1904 - 18 de março de 1983), o último rei da Itália entre maio e junho de 1946, casado com a princesa Maria José da Bélgica; com descendência. É o pai do atual pretendentes ao trono italiano, Vítor Emanuel, Príncipe de Nápoles;
  4. Joana de Saboia (13 de novembro de 1907 - 26 de fevereiro de 2000), casada com o czar Bóris III da Bulgária; com descendência. Foi a última czarina da Bulgária, além de mãe de Simeão II, o último czar da Bulgária e atual pretendente ao extinto torno;
  5. Maria Francisca de Saboia (26 de dezembro de 1914 - 7 de dezembro de 2001), casada com Luís de Bourbon-Parma; com descendência.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Havas (10 de maio de 1936). «O rei da Itália foi ontem proclamado imperador da Etiópia». Folha da manhã, ano XI,edição 3724, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014 
  2. United Press (30 de dezembro de 1947). «Mais um membro da Casa di Savóia que desaparece». Jornal do Brasil, Ano LVII, edição 306, página 5. Consultado em 1 de maio de 2014 
  3. «O rei Umberto I- Regicídio». Jornal do Brasil, Ano X, número 212/Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. 31 de julho de 1900. Consultado em 1 de maio de 2014 
  4. Dirk Kaufmann. «1922: Chega ao fim a Marcha sobre Roma». Deutsche Welle. Consultado em 1 de maio de 2014 
  5. United Press (26 de julho de 1943). «Cae Mussolini. Lo sucede Badoglio-El Rey asume el mando del ejército». El Tiempo, Ano, edição, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014 
  6. United Press (13 de abril de 1944). «Abdiciou ao trono da Itália o rei Victor Emanuel». Folha da manhã, AnoXIX, edição 6161, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014 
  7. «Margerita of Savoy biography». PALAZZO PITTI (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2022 
  8. «Biography for King Victor Emmanuel III». IMDb.com. Consultado em 16 de setembro de 2013 
  9. MONTANELLI, Indro (1979). Storia d'Italia. [S.l.: s.n.] 
  10. a b c d MAK SIMTH, Denis (1989). Italy and Its Monarchy. New Haven: Yale University Press. p. 267 
  11. TIMES, Special to THE NEW YORK (29 de dezembro de 1947). «VICTOR EMMANUEL DIES IN EXILE AT 78; VICTOR EMMANUEL DIES IN EXILE AT 78». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  12. Servizio studi Camera, Leggi costituzionali – Casa Savoia (XIII disp. trans. fin.)
  13. Tornerà in Piemonte la salma dell'ex re d'Italia Vittorio Emanuele terzo artícolo de La Reppublica, de 16 de Dezembro de 2017
  14. Vittorio Emanuele III sepultado em Vicoforte artícolo de La Stampa, em 17 de dezembro de 2017
  15. «Victor Emmanuel III Facts». biography.yourdictionary.com. Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  16. «Ancestors of King Victor Emmanuel III of Italy and Albania, Emperor of Ethiopia». myorigins.org. Consultado em 5 de maio de 2020