Helena de Montenegro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Helena
Rainha Consorte da Itália
Reinado 29 de julho de 1900
a 9 de maio de 1946
Predecessora Margarida de Saboia
Sucessora Maria José da Bélgica
Imperatriz Consorte da Etiópia
Reinado 9 de maio de 1936
a 5 de maio de 1941
Predecessora Menen Asfaw
Sucessora Menen Asfaw
Rainha Consorte da Albânia
Reinado 16 de abril de 1939
a 8 de setembro de 1943
Predecessora Géraldine Apponyi de
Nagyappony
Sucessora Monarquia Abolida
Princesa Herdeira Consorte da Itália
Reinado 24 de outubro de 1896
a 29 de julho de 1900
Predecessor Margarida de Saboia
Sucessor Maria José da Bélgica
 
Nascimento 8 de janeiro de 1873
  Cetinje, Principado do Montenegro
Morte 28 de novembro de 1952 (79 anos)
  Montpellier, França
Sepultado em 15 de novembro de 2017
Santuário de Vicoforte, Vicoforte, Itália
Nome completo Helena Petrović-Njegoš
Marido Vítor Emanuel III da Itália
Descendência Iolanda de Saboia
Mafalda de Saboia
Humberto II da Itália
Joana de Saboia
Maria Francisca de Saboia
Casa Petrović-Njegoš (por nascimento)
Saboia (por casamento)
Pai Nicolau I de Montenegro
Mãe Milena Vukotić
Religião Catolicismo
(anteriormente Cristã ortodoxa)
Assinatura Assinatura de Helena
Brasão

Helena de Montenegro (Cetinje, 8 de janeiro de 1873Montpellier, 28 de novembro de 1952) foi a esposa do rei Vítor Emanuel III e rainha-consorte da Itália de 1900 até 1946. Além disso, ela foi Imperatriz Consorte da Etiópia entre 1936 e 1941, e também Rainha Consorte da Albânia de 1939 até 1943. Era filha do rei Nicolau I de Montenegro e sua esposa Milena Vukotić.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Helena na infância

Nascida em Cetinje, então capital de Montenegro, no dia 8 de janeiro de 1873, Helena (Jelena Petrović Njegoš), era filha de Nicolau Petrović Njegoš, então príncipe soberano do Principado de Montenegro e, a partir de 1910, rei do Reino de Montenegro.

Sexta de doze filhos, Helena foi primeiro confiada aos cuidados de uma governanta, Lilian Crown (cuja nacionalidade não é certa) e, por volta de 1878, ela começou a receber uma educação 'principesca' da governanta suíça Louise Neukomm.[1] A princípio foi educada em casa e, além de seu servo-croata (também dito montenegrino) nativo, também aprendeu francês, bem como poesia e política. As demandas educacionais de seu pai eram muito rígidas. Aos doze anos, ingressou no Instituto Smolny, fundado em São Petersburgo pela czarina russa Catarina II para as jovens da nobreza; três irmãs mais velhas da princesa também foram educadas lá: Milica, Anastásia e Maria. Devido aos laços de amizade devotada que uniam os Petrovićs aos Romanov, as princesas montenegrinas eram consideradas pela corte russa quase como pertencentes à família imperial russa (o czar Alexandre II havia sido padrinho da princesa Helena).[2]

Helena cresceu como uma garota muito tímida e fechada, mas também sensível, animada e curiosa. Ela estudou política e filosofia na Universidade de São Petersburgo. Tendo completado seus estudos, a princesa voltou para Cetinje. Ela apreciava a literatura e compôs versos, alguns dos quais foram publicados na revista literária russa Nedelja. Nas viagens ao exterior, as artes eram o objeto preferido de suas observações. Dotada de uma aptidão singular para a pintura a óleo e aquarela, promoveu a arte em Montenegro - foi a autora do desenho do monumento ao príncipe Daniel I de Montenegro. Dedicou-se também com paixão à caça e à pesca.[2] Amante da natureza, sua flor favorita era o ciclame.[carece de fontes?].

Conhecida por sua "beleza eslava", Helena foi descrita como: Seu rosto é lindo, seu perfil é nobre, sua testa irradia inteligência. Ele tem grandes olhos negros, um olhar inteligente e gentil. O nariz e as características do nariz são finos, o cabelo é rico e sedoso. Em suma, a princesa Helena dotará o posto de real e rainha na Itália de inquestionável dignidade e beleza.[3] Helena também foi a candidata favorita do czar Alexandre III e sua esposa Maria Feodorovna, militantes em prol de pan-eslavismo, para se casar com o tsarevich, Nicolau Alexandrovich. Entretanto Nicolau não estava interessado, pois estava enamorado por uma princesa neta da rainha Vitória do Reino Unido, com quem acabaria por casar-se em 1894, logo após ascender ao trono como Nicolau II da Rússia.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Helena e Vítor Emanuel

Em 1894, o primeiro-ministro italiano Francesco Crispi, a pedido da rainha Margarida de Saboia, esposa do rei Humberto I da Itália, começou a contemplar, através do embaixador italiano em Montenegro, Fabio Sanminiatelli, a possibilidade de um casamento entre o herdeiro do trono italiano, Vítor Emanuel, Príncipe de Nápoles, com uma filha do então Príncipe de Montenegro. Após um relatório do enviado sobre duas princesas disponíveis, Helena e sua irmã Ana, a escolha recaiu sobre Helena.[1]

A rainha Margarida ansiava em encontrar uma noiva para o filho, afim de assegurar o quanto antes uma linhagem à dinastia italiana - a princesa inglesa Maud de Gales, neta da rainha Vitória, já havia sido rejeitada devido a consanguinidade entre as casas reais.[4] Um casamento com uma princesa montenegrina traria 'sangue novo' à Casa de Saboia, que, durante duas gerações, tinha protagonizado casamentos entre primos de primeiro grau. Ademais, o vínculo com o pequeno principado balcânico protegido pela Rússia abriu uma interessante frente política para a Itália, que poderia ser jogada à mesa da Tríplice Aliança (o pacto defensivo com a Alemanha e a Áustria-Hungria assinado em 1882).[1]

Seguindo um protocolo secreto, o primeiro encontro entre os dois futuros cônjuges foi organizado em abril de 1895 em Veneza. Em junho do ano seguinte, o rei Humberto I instruiu o embaixador em Viena, Costantino Nigra, a fazer contato com o pai de Helena, naquele momento de passagem para a corte dos Habsburgos, para concluir o noivado. Apesar de momento político delicado e certa resistência da mãe de Helena, contrária à abjuração da filha do cristianismo ortodoxo para a conversão ao catolicismo romano, necessária para o casamento, as negociações foram bem sucedidas. A Rússia também favoreceu as negociações, interessado em dificultar as relações entre a Itália e a Áustria-Hungria, sempre tensas, também no que diz respeito ao controle do Adriático. Em agosto de 1896 Vítor Emanuel embarcou no iate Gajola para pedir oficialmente a mão da princesa.[1]

Feitas as núpcias, Helena deixou definitivamente Montenegro, embarcando no cruzador Savoia em 19 de outubro de 1896; chegou à Itália já convertida à religião católica. O casamento foi celebrado em Roma no dia 24, na Basílica Santa Maria. O casal se estabeleceu primeiro em Florença, no Palazzo della Meridiana, e depois, após a transferência de Vítor Emanuel para o comando de um batalhão do exército em Nápoles, no Palácio Capodimonte.[1] O casal teve cinco filhos: Iolanda, Mafalda, Humberto, Joana e Maria Francisca.

Rainha da Itália[editar | editar código-fonte]

Retrato da rainha Helena em 1900, ano da ascensão do marido

Quando Humbero I foi assassinado por Gaetano Bresci em 29 de julho de 1900, os príncipes estavam longe da Itália, em um cruzeiro na rota do Pireu, e retornaram à Itália no dia 31. O reinado de Vítor Emanuel e Helena começou marcado pelo trágico regicídio. O novo monarca, durante o discurso de juramento ao Estatuto, em 11 de agosto de 1900, prestou homenagem à sua esposa "noiva augusta", proveniente "de uma raça valente", dedicada à "sua pátria adotiva".[1] Oficialmente, Helena assumiu todos os títulos de "Rainha da Itália", e após as ocupações de Mussolini na Albânia e na Etiópia, ela assumiu os títulos de "Rainha da Albânia" e "Imperatriz da Etiópia".

Helena foi descrita como digna, mas natural e simples, e manteve os hábitos simples de sua juventude em Cettigne. Ela não gostava da vida social e do entretenimento ou da vida dos deveres públicos de representação real, mas preferia viver uma vida familiar simples e tranquila. Ela foi descrita como uma mãe amorosa, dedicada a dar a seus filhos uma educação simples, destinada a evitar que eles se sentissem superiores a outras crianças por causa de seu nascimento.

Em 1911, a rainha Helena foi descrita como:

«Nenhuma rainha na Europa hoje, exceto a czarina e a rainha Vitória Eugénia, parece mais uma rainha do que Helena. Ela é majestosa e alta, com uma postura escultural que a distingue em qualquer lugar da multidão. Seu cabelo é tão preto quanto a floresta da meia-noite profundezas, seus olhos tão luminosos como brasas. Sua pele é como azeitonas, e suas mãos firmes, fortes e grandes. Seus ombros são largos e ela os segura firmemente. A impressão que a mulher dá é de força física incomum. Nem poderia isso bem ser o contrário em vista de seu treinamento atlético."»[5]

Em 28 de dezembro de 1908, Messina foi atingida por um terremoto desastroso. A rainha ajudou com os socorristas. Ela visitou o local, organizou para que os feridos fossem levados para um navio Hospital e auxiliou pessoalmente seus cuidados como enfermeira; ela também organizou uma arrecadação de fundos para as vítimas em Roma.[2] Isso ajudou a aumentar sua popularidade no país.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Helena como enfermeira durante a Primeira Guerra Mundial

Helena foi a primeira Inspetora das Enfermeiras Voluntárias da Cruz Vermelha Italiana de 1911 a 1921. Ela estudou medicina e conseguiu obter um laurea honoris causa. Ela financiou instituições de caridade para pessoas que sofriam de encefalite e tuberculose, alem de ajudar financeiramente ex-soldados e mães pobres. Ela estava profundamente envolvida em sua luta contra a poliomielite, doença de Parkinson e câncer e promoveu muitos esforços para a formação de médicos e para a pesquisa nessas áreas.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Helena trabalhou como enfermeira e, com a ajuda da sogra, transformou o Palácio Quirinal e a Villa Margherita em hospitais , que funcionaram de julho de 1915 a 1919. Para arrecadar fundos, ajudou fotografando retratos de si mesma e oferecendo-os à venda. No final da guerra, ela propôs vender algumas joias da coroa para pagar as dívidas de guerra. Em 1920, ela fundou a fundação Elena di Savoia para bolsas de estudo para os filhos órfãos de ex-trabalhadores ferroviários ou soldados; ela sugeriu que todas as mulheres na Itália doassem algumas de suas joias para as crianças cujos pais haviam sido sacrificados pela nação, e ela começou doando algumas de suas próprias joias.[2]

Em 15 de abril de 1937, o Papa Pio XI concedeu-lhe a Rosa de Ouro, a mais importante honraria concedida a uma senhora católica na época. O Papa Pio XII, em um telegrama de condolências enviado a seu filho Humberto II pela morte da rainha, a definiu como uma "Senhora de obras de caridade".

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Em 1939, três meses após a invasão alemã da Polônia e a declaração de guerra pelo Reino Unido e França, Helena escreveu uma carta às seis rainhas europeias ainda neutras (Rainha Alexandrina da Dinamarca, Rainha Guilhermina dos Países Baixos, Grã-Duquesa Carlota de Luxemburgo, Rainha Isabel da Bélgica, Rainha Joana da Bulgária e a Rainha Maria da Iugoslávia) para evitar a grande tragédia que a Segunda Guerra Mundial se tornaria.

Helena influenciou o marido a convencer Benito Mussolini, primeiro-ministro da Itália, a criar um Reino de Montenegro independente em 1941. Em 1943 também conseguiu obter a libertação do seu sobrinho, o príncipe Miguel de Montenegro e da sua esposa Geneviève de uma prisão alemã. Miguel tinha sido preso depois de se ter recusado a tornar rei de Montenegro sob a proteção da Itália.

Em 25 de julho de 1943, Vítor Emanuel III prendeu Benito Mussolini. O rei deixou Roma em 9 de setembro para fugir para Brindisi com a ajuda dos Aliados e Helena seguiu o marido em sua fuga. Em contraste, em 23 de setembro, sua filha Mafalda foi presa pelos nazistas e enviada para o campo de concentração de Buchenwald, onde morreu em 1944.

Exílio e morte[editar | editar código-fonte]

Após a Segunda Guerra Mundial, Vítor Emanuel III abdicou em favor de seu filho Umberto, e o ex-rei assumiu o título de conde de Pollenzo. Em 2 de junho de 1946, um referendo resultou em 52% dos eleitores favorecendo uma república sobre a monarquia. A república foi formalmente proclamada quatro dias depois, e o reinado da Casa de Saboia sobre a Itália terminou formalmente em 12 de junho de 1946. Helena e Vítor Emanuel exilaram-se no Egito, onde foram recebidos com grande honra pelo rei Faruque. Vítor Emanuel morreu um ano depois de edema pulmonar em Alexandria. Helena ficou no Egito pouco tempo antes de se mudar para a França. Lá, em Montpellier, ela foi diagnosticada com uma forma grave de câncer e morreu durante uma cirurgia para tratá-lo.[6]

Em 15 de dezembro de 2017, 65 anos após a sua morte, seus restos mortais de foram repatriados de Montpellier para o Santuário de Vicoforte, perto de Turim. O corpo de Vítor Emanuel III foi transferido dois dias depois de Alexandria e enterrado ao lado dela.[7]

Legado[editar | editar código-fonte]

Diversos poetas e escritos, tais como Antonio Fogazzaro, Luigi Capuana, Vittorio Bersezio, Giovanni Pascoli e Gabriele D'Annunzio dedicaram suas obras à Helena. Ada Negri também recordou a rainha em El Anillo de Acero. Giacomo Puccini dedicou Madama Butterfly à rainha.[8]

A Amaro Montenegro, uma famosa bebida alcoólica italiana, foi nomeado em honra à rainha após seu casamento, em 1896.[9]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Helena de Montenegro com suas filhas Iolanda e Mafalda.
  1. Iolanda de Saboia (1 de junho de 1901 - 16 de novembro de 1986), casada com Giorgio Carlo Calvi, Conde de Bergolo; com descendência;
  2. Mafalda de Saboia (2 de novembro de 1902 - 27 de agosto de 1944), casada com Filipe de Hesse-Cassel, neto do imperador Frederico III da Alemanha e membro Partido Nazista; com descendência. Mafalda foi presa Gestapo e levada para o campo de concentração de Buchenwald, na Alemanha; Após um bombardeio pelas tropas aliadas, Mafalda ficou gravemente ferida e, devido a uma infecção no braço, tiveram de amputar o membro da princesa, que levou à sua morte, aos 41 anos;
  3. Humberto II da Itália (15 de setembro de 1904 - 18 de março de 1983), o último rei da Itália entre maio e junho de 1946, casado com a princesa Maria José da Bélgica; com descendência. É o pai do atual pretendentes ao trono italiano, Vítor Emanuel, Príncipe de Nápoles;
  4. Joana de Saboia (13 de novembro de 1907 - 26 de fevereiro de 2000), casada com o czar Bóris III da Bulgária; com descendência. Foi a última czarina da Bulgária, além de mãe de Simeão II, o último czar da Bulgária e atual pretendente ao extinto torno;
  5. Maria Francisca de Saboia (26 de dezembro de 1914 - 7 de dezembro de 2001), casada com Luís de Bourbon-Parma; com descendência.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Helena de Montenegro
Helena de Montenegro Pai:
Nicolau I de Montenegro
Avô paterno:
Mirko Petrović-Njegoš, Grão-duque de Grahovo
Bisavô paterno:
Sava Petrović-Njegoš
Bisavó paterna:
Angelika Radamović
Avó paterna:
Anastasija Martinović
Bisavô paterno:
Drago Martinović
Bisavó paterna:
Stana Martinović
Mãe:
Milena Vukotić
Avô materno:
Petar Vukotić
Bisavô materno:
Petar Perkov Vukotić
Bisavó materna:
Stana Milić
Avó materna:
Jelena Voivodić
Bisavô materno:
Tadija Voivodić
Bisavó materna:
Milica Pavićević

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Helena de Montenegro

Referências

  1. a b c d e f Gentile, Pierangelo (2018). «SAVOIA, Elena di». Dizionario Biografico degli Italiani (em italiano). website oficial (www.treccani.it) da Enciclopédia Treccani, nome que se conhece comummente a Enciclopedia Italiana di Scienze, Lettere ed Arti também abreviada Enciclopédia Italiana. Consultado em 6 de junho de 2022 
  2. a b c d Bellini, Isabella (1932). «ELENA di Savoia, regina d'Italia». Dizionario Biografico degli Italiani (em italiano). website oficial (www.treccani.it) da Enciclopédia Treccani, nome que se conhece comummente a Enciclopedia Italiana di Scienze, Lettere ed Arti também abreviada Enciclopédia Italiana. Consultado em 6 de junho de 2022 
  3. Boulay, Cyrille, Legendes Royales Dans L'intimite Des Cours D'europe, p. 54–59. ISBN 963-547-931-X.
  4. Antonio Spinosa, Vittorio Emanuele III. L'astuzia di un re, Arnoldo Mondadori Editore, Milano, 1990, pp. 46-47
  5. Durland, Kellogg: Royal romances of to-day, New York, Duffield, 1911
  6. Paolo Griseri. «Il fascismo, le leggi razziali, la fuga». La Repubblica. Consultado em 18 de dezembro de 2017 
  7. Nicole Winfield (16 de dezembro de 2017). «Remains of Exiled Italian King to be Returned after 70 years». ABC News. Consultado em 17 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2017 
  8. Petronzi, Monica (23 de agosto de 2021). «Madama Butterfly – una tragedia giapponese scritta da Puccini per la regina Elena Montenegro». Hermes Magazine (em italiano). Consultado em 6 de junho de 2022 
  9. «L'Amaro Montenegro». bibliotecasalaborsa.it. Consultado em 6 de junho de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • L. Regolo, Jelena: tutto il racconto della vita della regina Elena di Savoia, Milão, 2002.
  • P. Gentile, Vittorio Emanuele III, Milão, 2014, passim. Per gli aspetti della vita di corte.
  • M. Mureddu, Il Quirinale del Re, Milão, 1977, passim.
  • P. Mazzarello, L’erba della regina. Storia di un decotto miracoloso, Turim, 2013.
  • A. Lumbroso, Elena di Montenegro regina d’Italia, Florença, 1935.
  • G. Papasogli, La Regina Elena, Milão, 1965.
  • R. Barneschi, Elena di Savoia. Storia e segreti di un matrimonio reale, Milão, 1986.
  • C. Siccardi, Elena, la regina mai dimenticata, Milão, 1996, 2002.
  • G. Artieri, P. Cacace, Elena e Vittorio. Mezzo secolo di regno tra storia e diplomazia, Milão, 1999.
  • I. Pascucci, Elena di Savoia nell’arte e per l’arte. Iconografia e storia della seconda regina d’Italia, Turim, 2009.
  • G. Bonnano di San Lorenzo, Elena d'Italia: la regina buona, s.l. 2016.
  • G. Marcotti, Il Montenegro e le sue donne. Il matrimonio del principe ereditario d'Italia, Milão, 1896.
  • F. Martini, Conversazioni della domenica, in Illustrazione italiana, XXIII, s.l. 1896.
  • U. Pesci, La principessa Elena. Nozze reali, numero unico dell'Illustrazione italiana, XXIII s.l. 1896.
  • P. Lombroso, Un couple royal moderne, in La Revue, IV s.l. 1903.
  • B. Ivanovich, The King and Queen of Italy, in The Contemporary Review s.l. 1903.
  • V. Solaro del Borgo, Giornate di guerra del Re soldato, Milão, 1931.


Helena de Montenegro
Casa de Petrović-Njegoš
8 de janeiro de 1873 – 28 de novembro de 1952
Precedida por
Margarida de Saboia
CoA Helena of Montenegro queen of Italy.svg
Rainha-Consorte da Itália
29 de julho de 1900 – 9 de maio de 1946
Sucedida por
Maria José da Bélgica
Precedida por
Menen Asfaw
Scudo Africa Orientale Italiana.svg
Imperatriz Consorte da Etiópia
9 de maio de 1936 – 5 de maio de 1941
Sucedida por
Menen Asfaw
Precedida por
Géraldine Apponyi de
Nagyappony
Royal Coat of arms of Albania (1939–1943).svg
Rainha Consorte da Albânia
16 de abril de 1939 – 8 de setembro de 1943
Sucedida por
Monarquia abolida