Ada Negri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ada Negri
Nascimento 3 de fevereiro de 1870
Lodi
Morte 11 de janeiro de 1945 (74 anos)
Milão
Nacionalidade Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Reino da Itália
Ocupação Poetisa

Ada Negri (Lodi, 3 de fevereiro de 1870 — Milão, 11 de janeiro de 1945) foi uma poetisa italiana. Também é lembrada por ser a primeira e única mulher a ser admitida na Accademia d'Italia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ada Negri nasceu em Lodi em uma família de artesãos de Giuseppe Negri, e sua mulher Vittoria Cornalba. Frequentou a Escola Normal para Meninas de Lodi e obteve um diploma de professora do ensino elementar. Aos dezoito anos, assumiu um cargo de professora na aldeia de Motta Visconti,[1] no Ticino, perto de Pavia. Seu primeiro volume de poemas líricos, Fatalità, (1892) confirmou sua reputação como poetisa, e levou a sua nomeação para a escola normal em Milão. Seu segundo livro de poemas, Tempeste (1896), conta a tragédia dos pobres abandonados.[2]

Em 28 de março de 1896, Ada Negri se casou com o industrial Giovanni Garlanda, de Biella,[3] que havia se apaixonado por ela ao ler suas poesias. A partir de 1904 eles tiveram filhas, Bianca e Vittoria. Esta última morreu ainda criança. Em 1913, Negri se separou do marido e se mudou para a Suíça com Bianca. Depois, ela frequentemente se mudava. Era uma visitante assídua de Laglio, no lago de Como, onde escreveu seu único romance, uma obra autobiográfica, Stella Mattutina (Estrela Matutina), publicado em 1921, e traduzido para o inglês em 1930.[4]

Em 1926 e em 1927, Ada Negri foi indicada para o Prêmio Nobel de Literatura.[5].

Em 1931, a autora recebeu o Prêmio Mussolini[6] por sua carreira; esses foram os anos em que Benito Mussolini ainda usou as relações nascidas em seu período socialista. O prêmio consagrou Ada Negri como uma intelectual do regime, tanto que em 1940 ela foi a primeira mulher membro da Accademia d'Italia.[6]

Mas agora sua vida foi permeada por um profundo pessimismo, fechada em si mesma e em uma religiosidade recém-descoberta[6] que a levou a mergulhar em um esquecimento progressivo.

Ela morreu em 1945 e foi enterrada no Cemitério Monumental de Milão. Em 3 de abril de 1976, seu túmulo foi transferido para a antiga igreja de São Francisco, em Lodi.

Notas

  1. Maurer, Doris; Maurer, Arnold E. (1993). Guida letteraria dell'Italia (em italiano). Parma: Ugo Guanda Editore. p. 90. ISBN 9788882114763 
  2. Chisholm, Hugh. «Negri, Ada». Encyclopædia Britannica (em inglês). 19 1911 ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 343 
  3. The Academy (em inglês). [S.l.]: J. Murray. 1900. p. 522 
  4. «Villa Negri». web.archive.org. 7 de outubro de 2010. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  5. Enrico Tiozzo, "L'Italia dei premi Nobel", in Atlante della letteratura italiana, v. III (Einaudi, 2012)
  6. a b c Dizionario biografico degli italiani: Natta - Nurra (em italiano). Roma: Istituto della Enciclopedia Italiana. 2013. ISBN 9788812000326 

Referências

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Elisabetta Rasy (1997). Ritratti di signora. Grazia Deledda, Ada Negri e Matilde Serao. [S.l.]: Rizzoli Editore 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Media relacionados com Ada Negri no Wikimedia Commons