Faruque do Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Faruque I do Egito
Rei do Egito
Reinado 28 de abril de 1936 - 26 de julho de 1952
Antecessor(a) Fuad I
Sucessor(a) Fuad II
 
Cônjuge Farida
Narriman Sadek
Descendência Farial
Fawzia
Fadia
Fuad II
Nascimento 11 de fevereiro de 1920
  Palácio de Abdeen, Cairo, Egito
Morte 18 de março de 1965
  Roma, Itália
Pai Fuad I
Mãe Nazli Sabri

Faruque I ou Faruk I do Egito (árabe: فاروق الاول) GCTEGCBDO ‎(Cairo, 11 de fevereiro de 1920Roma, 18 de março de 1965) foi o penúltimo rei do Egito (r. 1936–1952), sucedendo a seu pai, Fuad I, em 1936. Sua irmã Fawzia foi Rainha do Irã por um breve período. Seu título completo era "Sua Majestade Faruque I, pela graça de Deus, Rei do Egito e do Sudão, Soberano da Núbia, do Cordofão e de Darfur".

Faruque era contrário ao estabelecimento de um governo democrático representativo. Sua aproximação de Abdalazize III ibne Saúde, rei da Arábia Saudita, é considerada a base da fundação da Liga Árabe. A ameaça de invasão estrangeira, desigualdade social, corrupção administrativa, pobreza do povo e a derrota na luta contra os israelenses, em 1948, abalaram o governo do rei Faruque. Seu governo foi marcado por sérias rivalidades internas. O descrédito na monarquia era total. Faruque foi destronado em 1952 por um grupo de jovens militares pertencentes à sociedade secreta denominada "Oficiais Livres", dirigida por Gamal Abdel Nasser.

A 5 de Maio de 1951 foi agraciado com a Grã-Cruz da Banda das Duas Ordens e com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal.[1]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Faruque casou virgem em 1938, aos 18 anos, com Safinez Zulficar. Sendo ainda jovem, ingênuo e romântico, Faruque mudou legalmente o nome de sua esposa para Farida, que significa "a única". Ela, porém, não retribuiu o cumprimento, tendo vários amantes.

Ferido pela infidelidade de Farida, Faruque resolveu retribuir na mesma moeda. Uma de suas primeiras amantes foi Fatima Chirine Toussoun, esposa de seu primo, o príncipe Hassan Tousson e futuramente esposa do príncipe brasileiro João Maria de Orléans e Bragança. No entanto, com 23 anos, Faruque começou a ter crises de impotência. O fato é que seus genitais não estavam plenamente desenvolvidos. Faruque passou a consultar especialistas em hormônios e se tornou um perito em afrodisíacos. Poções de amor usadas no tempo dos faraós foram preparadas. Ele tentou anfetaminas, haxixe com mel, tabletes de cafeína e pó de chifre de rinoceronte. Consumiu enormes quantidades de ostras e ovos. Estava convencido de que pombo e manga também curavam impotência. Os diversos tratamentos tiveram resultado. Em onze anos de casamento, Farida lhe deu três filhas.

Logo após o divórcio, Faruque casou-se com Narriman Sadek. A cerimônia de casamento foi tão opulenta que parecia ter saído das páginas de As mil e uma noites. Houve então uma lua-de-mel de quatro meses na Europa - provavelmente uma das luas-de-mel mais dispendiosas e luxuosas da história. Após terem um filho, Fuad II, em 1952, o casal se separou. Faruque apaixonou-se depois por Irma Minutolo, que foi a sua amante até o fim da vida.[2]

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Farouk I Rei". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de abril de 2015. 
  2. CAWTHORNE, Nigel. A vida sexual dos ditadores. São Paulo: Ediouro, 2003, p. 267-287.
Casa de Muhammad 'Ali
Faruque I do Egito
Nascimento: 11 de fevereiro de 1920; Morte: 18 de março de 1965
Precedido por
Fuad I
CoA of Kingdom of Egypt.PNG
Rei do Egito
19361952
Sucedido por
Fuad II