Isabel da Baviera, Rainha dos Belgas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Isabel
Rainha Consorte dos Belgas
Reinado 23 de dezembro de 1909
a 17 de fevereiro de 1934
Predecessora Maria Henriqueta da Áustria
Sucessora Astrid da Suécia
 
Marido Alberto I da Bélgica
Descendência Leopoldo III da Bélgica
Carlos, Conde de Flandres
Maria José da Bélgica
Casa Wittelsbach
Saxe-Coburgo-Gota
Nome completo
Isabel Gabriela Valéria Maria
Nascimento 25 de julho de 1876
  Castelo de Possenhofen, Baviera, Império Alemão
Morte 23 de novembro de 1965 (89 anos)
  Castelo de Stuyvenberg, Laeken, Bélgica
Enterro Igreja de Nossa Senhora de Laeken, Laeken, Bélgica
Pai Carlos Teodoro, Duque na Baviera
Mãe Maria José de Portugal
Religião Catolicismo

Isabel da Baviera (Isabel Gabriela Valéria Maria; Possenhofen, 25 de julho de 1876Laeken, 23 de novembro de 1965) foi Rainha Consorte dos Belgas como esposa do rei Alberto I da Bélgica e duquesa na Baviera por nascimento. Ela era a mãe do rei Leopoldo III da Bélgica e da rainha Maria José da Itália, e avó dos reis Balduíno da Bélgica, Alberto II da Bélgica e da grã-duquesa Josefina Carlota de Luxemburgo.

Através de sua mãe, Maria José de Bragança, Isabel da Baviera era prima em segundo grau da Princesa Isabel do Brasil, visto que sua mãe era prima direta do Imperador Pedro II do Brasil (os pais de Maria José de Bragança e de Pedro II eram irmãos).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Carlos Teodoro, Duque na Baviera e de Maria José de Bragança, ela se casou, em 2 de outubro de 1900, em Munique, com o príncipe Alberto, filho de Filipe, Conde de Flandres e de Maria Luísa de Hohenzollern-Sigmaringen, que subiu ao trono em 1909.

Dotada de grande simplicidade e bondade, Isabel conquistou a afeição de seu povo pela coragem que demonstrou durante a Primeira Guerra Mundial. Após o conflito, dedicou-se a diversas atividades: artísticas, filantrópicas e científicas.

Com a trágica morte de seu marido, em 1934, ela voltou-se para as artes. Criou, em 1937, o Concurso Musical Eugène-Ysaye, que, em 1950, passou a se chamar Concurso Musical Internacional Rainha-Elisabeth-da-Bélgica. Durante a ocupação alemã da Bélgica, 1940-1944, usou sua influência como rainha e suas conexões alemãs para ajudar no resgate de centenas de crianças judias[1]. Após a guerra, ela recebeu o título de Justos entre as nações, homenagem concedida pelo estado de Israel para descrever os não-judeus que arriscaram suas vidas durante o Holocausto para salvar judeus.[2]

Ela morreu aos oitenta e nove anos, e seu corpo foi sepultado na cripta real no cemitério de Laeken.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Heroes of the Holocaust». www.geni.com 
  2. Isabel da Baviera - a sua actividade para salvar Judeus' vidas durante o Holocausto, o Yad Vashem site (em inglês)
Precedido por
Maria Henriqueta da Áustria
Rainha consorte da Bélgica
Alliance Coat of Arms of King Albert I and Queen Elisabeth.svg

23 de dezembro de 190917 de fevereiro de 1934
Sucedido por
Astrid da Suécia
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Isabel da Baviera, Rainha dos Belgas
Ícone de esboço Este artigo sobre uma Rainha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.