Benedetto Croce

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Benedetto Croce
Nascimento 25 de fevereiro de 1866
Pescasseroli
Morte 20 de novembro de 1952 (86 anos)
Nápoles
Nacionalidade Italiano Flag of Italy.svg
Ocupação Filósofo, historiador, político

Benedetto Croce (Pescasseroli, 25 de fevereiro de 1866 - Nápoles, 20 de novembro de 1952) foi um historiador, escritor, filósofo e político italiano. Os seus escritos giram em torno de um largo espectro temático, sobretudo estética e teoria/filosofia da história. É considerado uma das personalidades mais importantes da Itália no século XX, tendo uma forte correspondência com o esotérico fascista Julius Evola.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Croce nasceu em Pescasseroli, na região de Abruzzo, no seio de uma família rica, influente e conservadora.[3] A sua educação foi marcada por uma atmosfera fortemente religiosa, da qual o jovem Croce cedo se distanciaria. Em 1883, perdeu os pais, Pasquale e Luisa Sipari, assim como a irmã, Maria, todos mortos num terremoto que acometeu a vila de Casamicciola Terme, na ilha de Ísquia, onde a família passava férias. Nesta ocasião, o próprio Croce permaneceu soterrado por longo tempo, tendo corrido sério risco de morte. Após a fatalidade, ele herdou a fortuna da família, o que lhe permitiu viver em relativo conforto, e dedicar tempo à reflexão filosófica.

[4]

Na política, foi nomeado senador em 1910. Entre 1920-21 foi ministro da educação. Croce opôs-se ao governo fascista de Benito Mussolini, embora inicialmente o tivesse apoiado.[5].

Croce teve um AVC em 1949, que limitou sua capacidade de andar. Sem sair de casa, continuou seus estudos até morrer enquanto lia em sua poltrona de sua biblioteca particular, em 20 de novembro de 1952, em Nápoles.[6]

Principais escritos[editar | editar código-fonte]

  • Materialismo storico ed economia marxistica (1900)
  • L'Estetica come scienza dell'espressione e linguistica generale (1902)
  • Logica come scienza del concetto puro (1909)
  • Breviario di estetica (1912)
  • Saggio sul Hegel (1912)
  • Teoria e storia della storiografia (1917)
  • Ultimi saggi (1935)
  • La poesia (1936)
  • La storia come pensiero e come azione (1938)
  • Il carattere della filosofia moderna (1941)
  • Filosofia e storiografia (1949)

Referências

  1. S. ARCELLA: Lettere di Julius Evola a Benedetto Croce, edited by S. ARCELLA, Rome 1995.
  2. S. MICCOLIS, “Benedetto Croce e Julius Evola. Un legame immaginario”, Belfagor, LIV, 1999, pp. 349-354.
  3. http://www.filosofico.net/crocefilosofo/crocepagee.html Página visitada em 8 de janeiro de 2016.
  4. http://educacao.uol.com.br/biografias/benedetto-croce.htm Página visitada em 8 de janeiro de 2016.
  5. Denis Mack Smith, “Benedetto Croce: History and Politics”, Journal of Contemporary History, Vol. 8 (1), Jan. 1973, p. 47.
  6. http://www.filosofico.net/crocefilosofo/crocepagee.html Página visitada em 8 de janeiro de 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Benedetto Croce


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.