União da língua Neerlandesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um mapa que mostra os estados-membros da União da língua Neerlandesa (azul escuro)

A União da língua Neerlandesa ou União da língua Holandesa (em neerlandês: Sobre este somNederlandse Taalunie , NTU) é uma instituição internacional que regula as questões relativas à língua neerlandesa (língua holandesa). Esta organização foi fundada em 9 de setembro de 1980 pelos Países Baixos (Holanda) e Bélgica (em relação à Comunidade flamenga). O Suriname tem sido um membro associado da Taalunie desde 2005.

História[editar | editar código-fonte]

O mundo de língua holandesa.

A União da língua Neerlandesa foi estabelecida por um tratado entre a Bélgica e os Países Baixos, assinado em 9 de setembro de 1980, em Bruxelas. Ela conseguiu o "Acordo Cultural" (que rege mais do que apenas a língua) entre os dois países foi assinado logo após a Segunda Guerra Mundial. Este acordo foi refeito em 1995, após a federalização da Bélgica, e um novo tratado foi assinado entre Holanda e Flandres.[1] Em 12 de dezembro de 2003, a presidente do Comitê de Ministros da União da Língua Neerlandesa Medy van der Laan e o Ministro da Educação do Suriname Walter Sandriman assinaram o acordo para a adesão do Suriname na união. A adesão foi ratificada pela Assembleia Nacional do Suriname em 2004 e entrou em vigor no ano seguinte.[2]

O Padrão Holandês (Algemeen Nederlands, muitas vezes abreviado para AN) é a língua padrão, uma vez que é ensinado nas escolas e usado pelas autoridades dos Países Baixos, Flandres, Suriname e do Caribe Neerlandês.

Estados-membros[editar | editar código-fonte]

Como a base da Taalunie é um tratado entre o Reino dos Países Baixos e do Reino da Bélgica, os dois Estados soberanos, que constituem a União. Para o Reino dos Países Baixos, o tratado só é aplicável ao seu território europeu. O tratado permite dois tipos de extensões:

  • filiação de outros Estados soberanos através de uma "adesão à associação"[3]
  • extensão a outros territórios do Reino dos Países Baixos (atualmente: Aruba, Curaçao e São Martinho).[3]

Em 2004, o Suriname assinou um "tratado associativo" com a Taalunie.[2] Desde 27 de novembro de 2013 o tratado aplica-se também para os Países Baixos Caribenhos (Bonaire, Saba e Santo Eustáquio)[4] Os três países autônomos do Caribe pertencente ao Reino dos Países Baixos, Aruba, Curaçao e São Martinho, são designados como Estados candidatos.[5] Além disso, A Indonésia e a África do Sul são considerados "parceiros especiais" da União da língua Neerlandesa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Willemyns 176.
  2. a b «Suriname, lid van de Taalunie» (em neerlandês). Consultado em 14 de fevereiro de 2015 
  3. a b «Verdrag tussen het Koninkrijk der Nederlanden en het Koninkrijk Belgie inzake de Nederlandse Taalunie, Brussel» (em neerlandês). Consultado em 14 de fevereiro de 2015 
  4. «Tractatenblad 2013, 253» (em neerlandês). Kingdom of the Netherlands. Consultado em 14 de fevereiro de 2015 
  5. «Wie we zijn: Drie landen, één taal» (em neerlandês). Nederlandse Taalunie. Consultado em 14 de fevereiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]