Vigdís Finnbogadóttir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde março de 2016) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vigdís Finnbogadóttir
Vigdis Finnbogadottir (1985)
4.ª Presidente da Islândia
Período 1 de agosto de 1980
a 1 de agosto de 1996
Antecessor(a) Kristján Eldjárn
Sucessor(a) Ólafur Ragnar Grímsson
Dados pessoais
Nascimento 15 de abril de 1930 (88 anos)
Reykjavík, Islândia
Alma mater Universidade de Paris
Universidade de Grenoble
Universidade de Copenhague
Universidade da Islândia
Partido Independente
Profissão Professora e diretora de teatro

Vigdís Finnbogadóttir (Reykjavík, 15 de Abril de 1930) foi a primeira mulher eleita presidente da Islândia, assim como na Europa e no Mundo, e a quarta presidente desse país.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vigdís Finnbogadóttir nasceu em Reykjavík em 15 de abril de 1930. Seu pai era um engenheiro civil, e professor na Universidade da Islândia. Sua mãe era enfermeira. Após ter passado no exame de matrícula em 1949, Vigdís estudou o idioma francês e literatura francesa na Universidade de Grenoble e na Sorbonne em Paris, de 1949-1953, História do teatro na Universidade de Copenhague.

Participou nos anos 60 e os anos 70 em numerosas reuniões para protestar contra a presença militar dos Estados Unidos em Islândia (e em particular em Keflavík). As centenas de cada ano, às vezes milhares, andaram na estrada de 50 quilômetros a Keflavík dizendo "OTAN do úr de Ísland, burt do herinn"; (literalmente: Islândia fora de OTAN, afastar as Forças Armadas).

Vigdís Finnbogadóttir trabalhou na Companhia de Teatro Reykjavík de 1954-1957 e outra vez de 1961-64. Durante os verões, igualmente, trabalhou como um guia turística. Vigdís ensinou o francês no í Reykjavík de Menntaskólinn de 1962-1967 e no við Hamrahlíð de Menntaskólinn, de 1967-1972. Igualmente ensinou na Universidade de Islândia, assim como cursos franceses na RÚV, a televisão do estado islandês. Era a diretora artística da Companhia de Teatro de Reykjavík[3] (Leikfélag Reykjavíkur), mais tarde, de 1972-1980, do Teatro da cidade. De 1976 a 1980, foi um membro do comité consultivo em casos culturais nos países nórdicos. Em 1996 fundou o Conselho das Mulheres de Líderes do Mundo na escola de John F. Kennedy, na Universidade de Harvard. Dois anos mais tarde foi apontada Presidente da Comissão Mundial da Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas, nas éticas do conhecimento científico e da tecnologia.

Referências

  1. Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 530 | não referencia nascimento
  2. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Vigdís Finnbogadóttir». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 258. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  3. Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 530 | referencia última frase
Precedido por
Kristján Eldjárn
Presidente da Islândia
19801996
Sucedido por
Ólafur Ragnar Grímsson
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.