Volscos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Assentamentos volscos

Os volscos (em latim: volsci) foram um antigo povo itálico, de origens indo-europeias, ligado aos povos osco-úmbrios. Habitavam a região central da península Itálica (região do Lácio meridional.[1] ) Combateram a República Romana, tendo sido dominados a partir do século IV a.C.[2] ou, mais precisamente, em 338 a.C.[1] .

Supõe-se que os volscos fizessem parte do grupo étnico osco-umbro, assim como os oscos, umbros, samnitas, sabinos e équos, acreditando-se que, inicialmente, estivessem separados do grupo dos umbros.

A sua existência é conhecida através de relatos da República Romana editados no século I a.C.. Habitavam uma zona de colinas e de pântanos, no sul do Lácio, e eram vizinhos dos auruncos e samnitas ao sul; dos hérnicos a leste, e cujo território era delimitado por uma linha que partia de Norba e Cora, ao norte, indo até Anzio, ao sul.

No século V a.C. controlaram o Agro Pontino (no sudoeste do Lácio, entre os colinas Albanas e o mar), antes controlado pelos latinos. A zona era rica pela sua agricultura (cereais e vides, também pesca) e controlava o caminho a sul para a Campânia (onde se construiria a Via Ápia).

O seu território, à época romana, ficou incluído no Lácio, embora os volscos fossem um povo diferente dos latinos - com os quais, além disso, frequentemente se confrontavam. Os volscos foram frequentemente aliados dos équos contra Roma, enquanto os hérnicos, a partir de 486 a.C. se aliaram a Roma.

A sua língua era da família itálica, uma língua indo-europeia relacionada às línguas osco-umbras, aparentada com o osco e o umbro, e de mais afastadamente com o latim.

Conserva-se uma inscrição em alfabeto latino na chamada Tabula Veliterna, uma tábua de bronze do século III a.C., encontrada em Velletri (Velitras) e conservada no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, [3] na qual, em quatro linhas, a assembleia da comunidade indica o sacrifício expiatório (um boi e um asse para o vinho e outro para os copos) para quem tomara ramos ou folhagem da floresta sagrada da deusa Decluna (provavelmente equivalente a Diana). Tito Lívio descreve-os como do "mais ardentes na revolta que hábeis na guerra"[4]

Na Eneida de Virgílio figura Camila, uma virgem guerreira volsca.

No século V a.C., a capital do território volsco era Antium (correspondente a uma parte da atual cidade de Anzio), que, na origem, fora um oppidum latino. Além de Anzio, no território volsco se encontrava a cidade de Velletri, lugar de origem da família de Otaviano Augusto. Além de Velletri, outros centros eram Atina, Frosinone, Suessa Pometia[5] (Estrabão conta que a planície pomentina fora anteriormente ocupado pelos ausônios; em seguida, pelos osco-volscos[6] ), Sátrico, Arpino (a cidade de Caio Mário e de Cícero), Fregellae, Sora (a cidade de Marco Atílio Régulo), Terracina, Sezze, Priverno, Ceccano e Cassino - esta última surgida posteriormente e situada nos limites entre os territórios volsco e aurunco.

Referências

  1. a b Nova Enciclopédia Portuguesa - Vol.26, pág.2464 (Ediclube, 1992).
  2. VV.AA. Diciopedia do século 21. ISBN 978-84-8289-357-0
  3. Tabula Veliterna. Museo Archeologico Nazionale di Napoli.
  4. Citação: ferocior ad rebellandum quam bellandum gens escreveu: «Tito Lívio, Ab Urbe condita libri, VII, 27.7.» Tito Lívio, Ab Urbe condita libri vii.27.
  5. Estrabão, Geografia, V, 3,4.
  6. Estrabão, Geografia, V, 3,6.


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.