Voo Malaysia Airlines 653

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Voo Malaysia Airlines 653
Acidente aéreo
MAS Boeing 737-200 Wallner.jpg
Um Boeing 737-200 da Malaysia Airlines, semelhante à aeronave envolvida no acidente.
Sumário
Data 04 de dezembro de 1977 (43 anos)
Causa Sequestro e queda
Local Tanjong Kupang, Malásia
Origem Aeroporto Internacional de Penang (PEN/WMKP), Malásia
Destino Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur (KUL/WMKK), Malásia
Passageiros 93
Tripulantes 7
Mortos 100 (todos)
Feridos 0
Sobreviventes 0 (nenhum)
Aeronave
Modelo Boeing 737-2H6
Operador Malaysia Airlines
Prefixo 9M-MBD
Primeiro voo 12 de setembro de 1972 (48 anos)

O voo Malaysia Airlines MH653 ou MAS653, foi uma rota aérea que ligava as cidades malaias de Penang e Kuala Lumpur utilizando um Boeing 737-2H6.

Em 4 de dezembro de 1977, a aeronave que fazia o voo foi supostamente sequestrada e cairia poucos minutos após a aproximação no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, na Malásia, causando a morte dos 100 passageiros e tripulantes a bordo[1]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

A aeronave que fazia o voo MH653 era um Boeing 737-2H6 de matrícula 9M-MBD.

A aeronave tinha o número de construção 20 585/306 e foi entregue à Malaysia Airlines em 12 de setembro de 1972.

Acidente[editar | editar código-fonte]

No dia 4 de dezembro de 1977, o Boeing 737-2H6 que fazia a rota Penang-Kuala Lumpur foi sequestrado e tentou-se desviar o voo para Singapura.[carece de fontes?]

A aeronave decolou às 19h21. Às 19h54, voando a 4 000 pés de altura, ao fazer a aproximação no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, a tripulação relatou que havia sequestradores a bordo, de maneira que a torre de controle notificou as autoridades para uma possível emergência.

Poucos minutos mais tarde, o capitão relatou que a tripulação estava seguindo para Singapura.

No entanto, às 20h15, todas as comunicações com o voo e a tripulação foram perdidas.

Às 20h36, foram relatadas explosões próximo a uma área residencial em Tanjong Kupang.

Destroços encontrados foram mais tarde confirmados como pertencentes ao voo MH653.

Todos os 100 passageiros e tripulantes a bordo morreram, assim como nenhum corpo pode ser reconhecido, devido a uma colisão com a terra em alta velocidade.[carece de fontes?]

Investigações[editar | editar código-fonte]

Após os gravadores de dados e de voz da cabine serem recuperados, as investigações concluíram que o sequestrador trancou-se na cabine com os pilotos, e após ameaças dois tiros foram ouvidos.

Neste ponto, a aeronave estava sob o piloto automático. Neste momento, tiros e sons de arrombamento da porta do cockpit foram ouvidos, juntamente com gritos e disparos dos passageiros e tripulantes.

Os pilotos e o sequestrador pareciam não estar controlando a aeronave, ao ponto que uma pessoa entra no cockpit e tenta controlar a aeronave, mas sem conhecimento para prosseguir comandando o voo, visto que o piloto automático foi desligado devido a inoperância dos pilotos e do sequestrador.[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.mirror.co.uk/news/world-news/curse-malaysia-airlines-5-tragic-3875868 Curse of Malaysia Airlines? 5 tragic moments in airline's history before MH17 and MH370