WASP-12b

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
WASP-12b
Exoplaneta Lista de exoplanetas
Exoplanet Comparison WASP-12 b.png
Comparação de tamanho entre WASP-12b (à direta) e Júpiter.
Estrela mãe
Estrela WASP-12
Constelação Auriga
Ascensão reta 06h 30m 32,8s
Declinação 29° 40′ 20,3″
Magnitude aparente 11,69
Distância 871[1] anos-luz
267 pc
Tipo espectral G0
Elementos orbitais
Semieixo maior 0,0229 ± 0,004 UA
Periastro 0,0218 UA
Apoastro 0,0240 UA
Excentricidade 0,049 ± 0,015
Período orbital 1,091423 ± 0,000003 dias
(26,19415 horas)
Inclinação 83,1°
Argumento do periastro -74°
Características físicas
Massa 1,39 ± 0,04 MJ
448 M
Raio 1,83 RJ
20,1±1 R
Densidade 0,24 g/cm³
Temperatura 2525 K
Descoberta
Data da descoberta 1 de abril de 2008
Descobridores Cameron et al. (SuperWASP)
Método de detecção Trânsito
Estado da descoberta Publicada
Outras designações
1SWASP J063032.79+294020.4

WASP-12b é um planeta extrassolar que orbita a estrela WASP-12, descoberto pela pesquisa de trânsitos planetários do SuperWASP. Sua descoberta foi anunciada em 1º de abril de 2008.[1] Seu raio é 83 por cento maior que o de Júpiter e sua massa 39 por cento maior.[1] O planeta está a 0,0229 UA de sua estrela e leva aproximadamente um dia para orbitá-la.

Em setembro de 2017, astrônomos descobriram que o exoplaneta WASP-12b não reflete quase nenhuma luz, fazendo com que pareça essencialmente preto. Isso significa que o WASP-12b é duas vezes menos reflexivo do que a nossa lua, que tem um albedo de 0,12.[2]

Características[editar | editar código-fonte]

WASP-12b absorve 94% da luz que brilha na sua superfície, resultando em um albedo muito baixo, a quantidade de luz refletida pelo exoplaneta.[3]

O planeta WASP-12b está tão perto de WASP-12 que as forças de maré da estrela estão distorcendo-o em uma forma de ovo e puxando sua atmosfera a uma taxa de cerca de 10−7 MJ (cerca de 189 quadrilhões de toneladas) por ano.[4] Devido ao "aquecimento de maré" e à proximidade do planeta a sua estrela, combinam-se para aumentar a temperatura da superfície em mais de 2 500 K (2 200 °C), sendo assim o planeta extrassolar mais quente já descoberto.[5]

Em 20 de maio de 2010, o Telescópio Espacial Hubble observou WASP-12b sendo consumido por sua estrela. Apesar de que os cientistas já sabiam que estrelas podem consumir planetas, essa foi a primeira vez que um evento assim foi observado tão claramente. Estima-se que o planeta tenha 10 milhões de anos restantes até que ele seja totalmente consumido pela estrela.[6][7] Estudos de dezembro de 2010 indicam que WASP-12b tem uma alta taxa carbono-oxigênio, indicando que ele é um planeta de carbono.[8]

O Telescópio Espacial Hubble observou o planeta usando seu Cosmic Origins Spectrograph (COS). As observações confirmaram as previsões publicadas na Nature em fevereiro de 2009 pela Shu-lin Li da Universidade de Pequim. A atmosfera do planeta cresceu quase três vezes o raio de Júpiter, enquanto o próprio planeta tem 40% mais de massa que Júpiter.

Conteúdo de Carbono[editar | editar código-fonte]

Evidências recentes indicam que o WASP-12b possui uma relação carbono-oxigênio melhorada, significativamente maior do que a do Sol, indicando que é um gigante de gás rico em carbono. A relação C/O compatível com observações é de cerca de 1, enquanto o valor solar é de 0,54. As razões C/O sugerem que planetas ricos em carbono podem ter formado no sistema estelar.[9] Um dos pesquisadores atrás desse estudo comentou que "com mais carbono do que oxigênio, você obteria pedras de carbono puro, como diamante ou grafite".[10]

O estudo publicado afirma: "Embora os planetas gigantes ricos em carbono como o WASP-12b não tenham sido observados, a teoria prevê uma miríade de composições para planetas sólidos dominados por carbono. Os planetas de carbono de tamanho terrestre, por exemplo, podem estar dominados nos seus interiores por grafite ou diamante, em oposição à composição de silicato da Terra".[9] These remarks have led the media to pick up on the story,[11] some even calling WASP-12b a "diamond planet".[12]

O conteúdo de carbono do planeta está localizado dentro da sua atmosfera, sob a forma de monóxido de carbono e metano. O estudo aparece no jornal Nature.[13]

Referências

  1. a b c «WASP Planets». SuperWASP. Consultado em 26 de janeiro de 2016  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wasp" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  2. «Este planeta negro completamente contraditório foi capturado por Hubble». hype science. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  3. «Hubble observes pitch black planet». www.spacetelescope.org. Consultado em 15 de Setembro de 2017 
  4. Li, Shu-lin; Miller, N.; Lin, Douglas N. C. & Fortney, Jonathan J. (2010). «WASP-12b as a prolate, inflated and disrupting planet from tidal dissipation». Nature. 463 (7284): 1054–1056. Bibcode:2010Natur.463.1054L. PMID 20182506. arXiv:1002.4608Acessível livremente. doi:10.1038/nature08715 
  5. Hebb et al.; Collier-Cameron, A.; Loeillet, B.; Pollacco, D.; Hébrard, G.; Street, R. A.; Bouchy, F.; Stempels, H. C.; et al. (2009). «WASP-12b: THE HOTTEST TRANSITING EXTRASOLAR PLANET YET DISCOVERED». The Astrophysical Journal. 693: 1920–1928. doi:10.1088/0004-637X/693/2/1920 
  6. «Hubble Finds a Star Eating a Planet». NASA. 20 de maio de 2010. Consultado em 10 de dezembro de 2010 
  7. Hubble encontra uma estrela comendo um planeta nasa.gov. 20-05-2010. Recuperado em 10-12-2010.
  8. Madhusudhan, Nikku; et al. (8 de dezembro de 2010). «A high C/O ratio and weak thermal inversion in the atmosphere of exoplanet WASP-12b». Nature. doi:10.1038/nature09602 .
  9. a b Madhusudhan, N.; Harrington, J.; Stevenson, K. B.; Nymeyer, S.; Campo, C. J.; Wheatley, P. J.; Deming, D.; Blecic, J.; Hardy, R. A.; Lust, N. B.; Anderson, D. R.; Collier-Cameron, A.; Britt, C. B. T.; Bowman, W. C.; Hebb, L.; Hellier, C.; Maxted, P. F. L.; Pollacco, D.; West, R. G. (2010). «A high C/O ratio and weak thermal inversion in the atmosphere of exoplanet WASP-12b». Nature. 469 (7328): 64–67. Bibcode:2011Natur.469...64M. PMID 21150901. arXiv:1012.1603Acessível livremente. doi:10.1038/nature09602 
  10. «Carbon-Rich Planet: A Girl's Best Friend?». U.S. News & World Report. 10 de Dezembro de 2010 
  11. Lorianna De Giorgio (10 de Dezembro de 2010). «Carbon-rich planet could house diamonds». Toronto Star 
  12. «Diamond planet found by Keele University astronomers». BBC News Online. 9 de Dezembro de 2010 
  13. Intagliata, Christopher (9 de dezembro de 2010). «Exoplanet Strikes Carbon Pay Dirt». Scientific American 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]