Xosé María Álvarez Cáccamo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Xosé María Álvarez Cáccamo
Nome nativo Xosé María Álvarez Cáccamo
Nascimento 6 de julho de 1950 (68 anos)
Vigo
Cidadania Espanha
Progenitores Pai:Xosé María Álvarez Blázquez
Irmão(s) Celso Álvarez Cáccamo, Berta Álvarez Cáccamo
Alma mater Universidade de Santiago de Compostela
Ocupação crítico literário

Xosé María Álvarez Cáccamo (Vigo, Galiza, 6 de Julho de 1950) é um escritor galego, crítico literário e professor de literatura.

Filho de Xosé María Álvarez Blázquez e irmão de Alfonso Álvarez Cáccamo, Celso Álvarez Cáccamo, e Berta Álvarez Cáccamo, Xosé María Álvarez Cáccamo estudou Filologia Românica na Universidade de Santiago de Compostela. Desde 1973 é professor de ensino secundário.

Além de poesia, tem publicado alguns relatos breves, teatro e literatura infantil. A sua obra foi traduzida para o Catalão, Castelhano, Basco e Italiano. Obteve os prémios Esquio, Miguel González Garcés e Arume e os Prémios da Crítica da Galiza e de Espanha.

Fez parte do conselho editoral das coleções de Poesia "Mogor" (1976-1980) e "Pero Meogo" (1980) e dos conselhos de redação dos suplementos Galicia Literaria de Diario 16 de Galicia (1990-1992) e Faro das Letras de Faro de Vigo (1993-1996). Entre os anos 1984 e 2002 fez parte da equipa diretiva da Asociación de Escritores en Lingua Galega, da que foi presidente interino após a dimissão de Carlos Mella (2001) e a eleição de Bernardino Graña (2002), foi coordenador das suas revistas e Contemporánea. Foi membro fundador do "Foro da Cultura" e de "Esculca. Observatorio para a defensa dos direitos e as liberdades". Actualmente faz parte do coletivo Burla Negra e do conselho de redação da revista Grial.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Laberinto el clavicornio, 1977 (poemário em Castelhano)
  • Galego cero, 1979 (ensaio linguístico)
  • Praia das furnas, 1983 (poemário)
  • Arquitecturas de cinza, 1985 (poemário)
  • Os documentos da sombra, 1986 (poemário)
  • Luminoso lugar de abatimento, 1987 (poemário)
  • Cimo das idades tristes, 1988 (poemário)
  • Casa dormida, 1988 (teatro)
  • Fragmentos de mar, 1989 (poemário)
  • Prego de cargos, 1991 (poemário)
  • O lume branco, 1991 (poemário)
  • Microtopafanías, 1992 (prosa)
  • Colección de espellos, 1994 (poemário)
  • A luz dos desnortados, 1996 (relatos)
  • Pedro e as nubes, 1996 (literatura infantil)
  • A escrita das aves de marzo, 1997 (poemário)
  • Ganapán das palabras, 1998 (literatura infantil)
  • Os cadernos da ira, 1999 (poemário)
  • Vocabulario das orixes, 2000 (poemário)
  • Dinosaurio Belisario, 2001 (literatura infantil)
  • Depósito natural (1995-2001), 2002 (poemário)
  • Lúa de pan, 2002 (poesia infantil)
  • Vida de Antón Avilés de Taramancos, 2003 (biografia)
  • Ancoradoiro. Obra poética (1983-2003, 2003 (poesia)
  • Vilar dos fillos, 2004 (poesia)
  • Memoria de poeta 2006 (ensaio)
  • Vento de sal, 2008 (poemário)
  • Tempo do pai, 2008 (biografia sobre o pai, Xosé María Álvarez Blázquez)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]