Xylobium colleyi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaXylobium colleyi
Xylobium colleyi - cropped.jpg
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Embryophyta
Divisão: Tracheophyta
Subdivisão: Euphyllophyta
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Tribo: Cymbidieae
Género: Xylobium
Espécie: Xylobium colleyi

Xylobium colleyi é uma espécie de planta do gênero Xylobium e da família Orchidaceae. [1]

Xylobium colleyi foi descrito por Lindley em 1838 como Maxillaria colleyi, através da coleta realizada na Guiana, na região de Demerara, em data não especificada. Posteriormente, foi transferido para o gênero Xylobium por Rolfe em 1890. Algumas das características evidentes desta espécie são as longas brácteas florais e labelos inteiros. [1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita em 1890 por Robert Allen Rolfe. [2] Os seguintes sinônimos já foram catalogados: [1]

  • Maxillaria brachypus Rchb.f.
  • Maxillaria rebellis Rchb.f.
  • Xylobium brachypus (Rchb.f.) Hemsl.
  • Xylobium brachystachyum Kraenzl.
  • Xylobium rebellis (Rchb.f.) Schltr.
  • Maxillaria colleyi Batem. ex Lindl.

Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie epífita e herbácea. [1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Planta epífita. Pseudobulbo ovado. Ela tem folhas elípticas a lanceoladas, ápice obtuso a agudo. Inflorescências paucifloras. Sépalas brancas a amarelas, pintalgadas de marrom; a dorsal oblonga a elíptica, ápice obtuso; as laterais semelhantes a dorsal. Pétalas brancas a amarelas, pintalgadas de marrom, oblongo-lanceoladas, ápice obtuso. Possui labelo branco com manchas marrons, margem e ápice pretos; inteiro, oblongo, disco sem calos e verrugoso. Coluna branca a amarela, pintalgada de marrom, arqueada. [1]

Raiz[1]
fasciculada presente
Caule[1]
pseudobulbo presente
Folha[1]
folha 1
Inflorescência[1]
tipo pauciflora
Flor[1]
labelo inteiro
Fruto[1]
tipo cápsula
Semente[1]
muitas presente

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil. A lista foi publicada em 13 de junho de 2005 por intermédio do decreto estadual nº 1.499-R. [3]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é encontrada nos estados brasileiros de Bahia, Espírito Santo, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.[1] Em termos ecológicos, é encontrada nos domínios fitogeográficos de Floresta Amazônica e Mata Atlântica, em regiões com vegetação de floresta ombrófila pluvial.[1]

Notas[editar | editar código-fonte]

Contém texto em CC-BY-SA 4.0 de Santos, T.F.; Smidt, E.C. Xylobium in Flora e Funga do Brasil. [1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o «Xylobium colleyi (Batem. ex Lindl.) Rolfe». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. «Xylobium colleyi». www.gbif.org (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  3. «IEMA - Espécies Ameaçadas». iema.es.gov.br. Consultado em 12 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.