Zona franca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Zona económica especial.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Fevereiro de 2008).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Uma zona franca é uma região isolada e delimitada dentro de um país, geralmente situada em um porto ou em suas adjacências, onde entram mercadorias nacionais ou estrangeiras sem se sujeitar às tarifas alfandegárias normais. O objetivo consiste em estimular as trocas comerciais, em certos casos para acelerar o desenvolvimento regional. São lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com o abaixo dos impostos e ajudando com o capital financeiro.

Algumas zonas econômicas especiais são chamadas de "free ports". Às vezes, elas historicamente foram dotados de regulamentos aduaneiros favoráveis, como o porto livre de Trieste. Nos últimos anos, o sistema portuário gratuito foi acusado de facilitar a criminalidade artística internacional, permitindo que as obras de arte roubadas permaneçam não detectadas no armazenamento há décadas.[1]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Bielorrússia[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Bulgária[editar | editar código-fonte]

China[editar | editar código-fonte]

  • Hong Kong
  • Macau
  • Distrito de Pudong
  • Xiamem
  • Shantou
  • Shenzen
  • Zhuhai
  • Província de Hainan

Chile[editar | editar código-fonte]

Coreia do Sul[editar | editar código-fonte]

Emirados Árabes Unidos[editar | editar código-fonte]

Espanha[editar | editar código-fonte]

  • Barcelona
  • Vigo
  • Cádiz
  • Gran Canaria

França[editar | editar código-fonte]

Geórgia[editar | editar código-fonte]

Irão[editar | editar código-fonte]

Malásia[editar | editar código-fonte]

Panamá[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Rússia[editar | editar código-fonte]

Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Experts identify top six scandals amid boom in art crime" The Art Newspaper, 1 July 2015 [1]
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.