Acidente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um acidente em um jogo de futebol americano.

Um acidente é um evento inesperado[1] e quase sempre indesejável[1] que causa danos[1] pessoais, materiais (danos ao patrimônio), danos financeiros e que ocorre de modo não intencional. Exemplos físicos incluem colisões e quedas indesejadas, lesões por tocar em algo afiado, quente, elétrico ou ingerir veneno. Exemplos não-físicos são revelar um segredo não intencionalmente, esquecer um compromisso, etc.[carece de fontes?]

Se os resultados dessa negligência eram previsíveis e não foram tomadas as precauções necessárias para evitá-la, a pessoa pode ser responsabilizada por eventuais consequências de tal negligência. Em um "acidente", ninguém pode realmente ser responsabilizado porque o acontecimento é imprevisível ou muito pouco provável, apesar de que o causador, mesmo involuntariamente, pode ter que ressarsir o bem danificado.

Muitas vezes os acidentes são investigados para que seja possível aprender a evitá-los no futuro. Isso é muitas vezes chamado análise das causas, mas geralmente não se aplica aos acidentes que não pode ser previsto com o mínimo de certeza.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 337 milhões de acidentes acontecem no trabalho a cada ano, resultando, juntamente com doenças profissionais, em mais de 2,3 milhões de mortes por ano.[2]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Na Filosofia "acidente" refere-se ao que é efémero, aparente, transitório; o que não afecta à substância, essência ou a coisa em si. Por ex., é acidental a cor do cabelo, ele permanece sendo cabelo independentemente de ser vermelho, preto, amarelo ou branco. A forma, também, é acidental numa pedra. Os conceitos de "substância" e "acidente" são bem explicados por Aristóteles em suas obras filosóficas.[3]

Referências

  1. a b c Infopédia (Data desconhecida). Acidente. Página visitada em 14 de Julho de 2012.
  2. "ILO Safety and Health at Work". International Labour Organization (ILO)
  3. Abbagnano, Nicola. Diccionário de Filosofia. Ciudad del México, Fondo de Cultura Económica. 1966

Ver também[editar | editar código-fonte]