Acidente nuclear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Procedimento de Detecção em Ambiente Contaminado.

Este artigo descreve os principais acidentes nucleares envolvendo dispositivos nucleares e materiais radioativos. Em alguns casos uma contaminação radioativa acontece, mas em muitos casos o acidente envolve uma fonte selada ou a libertação de radioatividade pequena, enquanto a radiação direta é grande. Devido à confidencialidade do governo e da indústria, nem sempre é possível determinar com certeza a freqüência ou a extensão de alguns eventos no início da história da indústria nuclear. Nos dias atuais, acidentes e incidentes que resultem em ferimentos, mortes ou séria contaminação ambiental tendem a ser melhores documentados pela Agência Internacional de Energia Atómica.

Devido à diferente natureza dos eventos, é melhor dividi-los em acidentes “nucleares” e "de radiação”. Um exemplo de acidente nuclear pode ser aquele no qual o núcleo do reator é danificado, tal como em Three Mile Island, enquanto um acidente de radiação pode ser um evento de acidente de Medicina Nuclear, onde um trabalhador derruba a fonte de radiação (a substância radioativa: o radionucleotídeo) num rio. Estes acidentes de radiação, tais como aqueles envolvendo fontes de radiação, como os radionucleotídeos usados para a elaboração de radiofármacos, frequentemente têm tanta ou mais probabilidade de causar sérios danos aos trabalhadores e ao público quanto os bem conhecidos acidentes nucleares, possivelmente porque dispositivos de Tomografia por emissão de positrões (PET), a cintilografia e a radioterapia (braquiterapia), designadamente, estão presentes em muitos dos hospitais e o público em geral desconhece seus riscos. Foi o caso, por exemplo, do acidente radiológico de Goiânia, Brasil.[1] [2]

Acidentes de radiação são mais comuns que acidentes nucleares, e são freqüentemente de escala limitada. Por exemplo, no Centro de Pesquisa Nuclear de Soreq, um trabalhador sofreu uma dose que era similar à mais alta dose sofrida por um trabalhador no local do acidente nuclear de Chernobil no primeiro dia. Porém, devido ao fato de que a fonte gama não era capaz de passar o invólucro de concreto de dois metros de espessura, ela não foi capaz de ferir muitos outros.

A página na internet que lida com acidentes recentes é [1]. A significância de acidentes nucleares pode ser avaliada usando a Escala de Eventos Nucleares da Agência Internacional de Energia Atómica.

A Comissão Nuclear Reguladora dos Estados Unidos registra relatórios de incidentes em instalações regulamentadas. Esta agência atualmente (2006) usa uma taxonomia de quatro níveis para classificar os incidentes reportados:

  • notificação de evento não-usual;
  • alerta;
  • emergência na área da instalação;
  • emergência geral.

Nem todos os eventos relatados constituem acidentes. Incidentes que ameacem a operação normal ou a segurança da instalação podem ser relatados, mas não resultam na liberação de radiatividade.

O Departamento de Energia dos Estados Unidos usa uma classificação similar para eventos ocorridos no ciclo de combustível e instalações de propriedade do governo que são monitoradas, portanto, pelo Departamento de Energia em vez da Comissão Nuclear Reguladora.

Vias de contaminação radiativa aérea para o ser humano

Tipos de acidente[editar | editar código-fonte]

A Escala Internacional Nuclear e Radiológica de Evento usa um esquema de classificação de sete níveis para avaliar o significado de eventos nucleares e radiológicos: Níveis 1-3 são "incidentes", e 4-7 são "acidentes". [3] Existem vários tipos de eventos constituídos Acidente Nuclear.

São eles:

Acidente de perda do resfriamento[editar | editar código-fonte]

O aviso suplementar sobre radiação ionizante lançado em 2007 pela Agência Internacional de Energia Atómica e a Agência Internacional de Normas.

Ver também Derretimento nuclear

Acidentes críticos[editar | editar código-fonte]

O acidente em Chernobil é um exemplo de acidente crítico e de escape de energia em reatores nucleares. No acidente de menor escala em Sarov, um homem trabalhando com urânio altamente enriquecido sofreu irradiação quando tentava realizar uma experiência com uma esfera de material físsil. O acidente de Sarov é interessante porque o sistema permaneceu em estado crítico durante muitos dias até que pudesse ser detido. Este é um exemplo de um acidente de âmbito limitado em que poucas pessoas podem sofrer ferimentos, já que não se produz escape de radioatividade. Um exemplo bem conhecido deste tipo de acidente ocorreu no Japão em 1999. [2].

Deterioração térmica[editar | editar código-fonte]

São os produzidos por operação fora dos limites de temperatura de funcionamento de um reator. Por exemplo, em Three Mile Island, o vazamento do líquido de refrigeração uma vez interrompida a reação nuclear, em um reator de água pressurizada, produziu um acréscimo de temperatura por falta de água para resfriá-lo. Como resultado o combustível nuclear sofreu danos e a estrutura interna do reator fundiu-se.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Acidentes de transporte podem causar uma liberação de radioatividade resultando na contaminação ou danos na blindagem causando irradiação direta. Em Cochabamba um aparelho de radiografia com raios gama com defeito foi transportado num ônibus de passageiros como carga. A fonte gama estava fora da blindagem, e irradiou alguns passageiros.[4]

No Reino Unido, foi revelado em um recente caso judicial que uma fonte de radioterapia foi transportada de Leeds a Sellafield em blindagem com defeito. A blindagem tinha uma abertura na parte inferior. Considerou-se que nenhum ser humano foi seriamente ferido pela radiação que escapou.

Falha do equipamento[editar | editar código-fonte]

Falha no equipamento é um tipo de acidente possível. Recentemente em Białystok, na Polônia, os dispositivos eletrônicos associados a um acelerador de partículas, usado para o tratamento de câncer, tiveram um mau funcionamento. Isto levou pelo menos um paciente a sofrer sobre-exposição. Embora a falha inicial fosse simples -(um diodo semi condutor)-, ela desencadeou uma série de eventos que levaram a ferimentos por radiação.

Outra causa relatada de acidentes é a falha do software de controle, como nos casos envolvendo o equipamento de radioterapia Therac-25: a eliminação do intertravamento de segurança por hardware em um novo modelo expôs um defeito não detectado previamente no software de controle, o qual poderia levar os pacientes a receber doses excessivas de radiação sob condições de ajuste específicas.[4]

Erro humano[editar | editar código-fonte]

O erro humano foi responsável por muitos acidentes. Por exemplo, uma pessoa que calcula erradamente a atividade da fonte de teleterapia. Isto levaria o paciente a receber a dose errada de raios gama. No caso de acidentes de radioterapia, uma sub-exposição é um acidente tanto quanto uma sobre-exposição, já que os pacientes não receberiam os benefícios do tratamento prescrito. Também os seres humanos cometem erros, enquanto operam equipamentos e instalações, que têm resultado em overdoses de radiação, tal como nos acidentes de Nevvizh e Soreq. [4]

Em 1946, o físico canadense Louis Slotin, do Projeto Manhattan, realizou um experimento de risco conhecido como “cutucando o rabo do dragão” que envolvia dois hemisférios de berílio reflector de nêutrons, mantidos juntos em torno de um núcleo de plutônio levando à sua criticalidade. Os hemisférios foram distanciados por uma chave de fendas, que escorregou e levou a uma reação em cadeia, enchendo a sala com radiação danosa e um flash de luz azul (devido à ionização do ar). Slotin, por reflexo, separou os hemisférios em reação ao flash de luz azul, evitando radiação adicional aos demais trabalhadores presentes na sala. Porém Slotin absorveu uma dose letal de radiação e morreu na semana seguinte.

Perda de fonte[editar | editar código-fonte]

Acidentes por perda de fonte são aqueles em que uma fonte radioativa é perdida, roubada ou abandonada. A fonte pode então causar danos a seres humanos ou ao ambiente. Por exemplo, ver o evento em Lilo onde fontes foram abandonadas pelo exército soviético. Outro caso ocorreu em Yanango, onde uma fonte de radiografia foi perdida. Também em Samut Prakarn uma fonte de teleterapia de cobalto foi perdida e em Gilan, no Irã, uma fonte de radiografia feriu um soldador. Porém o melhor exemplo deste tipo de evento é o acidente de Goiânia que ocorreu no Brasil.[4]

Outros[editar | editar código-fonte]

Alguns acidentes desafiam classificações. Estes acidentes acontecem quando o inesperado acontece com uma fonte radiativa. Por exemplo, se um pássaro pega uma fonte radiativa contendo rádio de uma janela e voa longe com ela, retornando ao seu ninho e então o pássaro morre brevemente de irradiação direta e este seria o caso de uma pequeno acidente com radiação. Se o ato de colocar a fonte na janela por um humano foi o evento que permitiu à ave o acesso à fonte, não é claro como tal acidente deveria ser classificado (se como uma perda de fonte ou alguma coisa mais).[4]

Estimativa da radiação em um ano em Fukushima, Japão.

Acidentes em usinas nucleares[editar | editar código-fonte]

Um dos piores acidentes nucleares até à data foi o acidente nuclear de Chernobil que ocorreu em 1986, na Ucrânia. O acidente matou 30 pessoas diretamente, bem como danos de aproximadamente US$ 7 bilhões em bens. Um estudo publicado em 2005, estima que haverá eventualmente até 4.000 mortes por câncer de adicionais relacionados com o acidente entre aqueles expostos a níveis de radiação significativos.[5] Precipitação radioativa do acidente estava concentrada em áreas de Belarus, Ucrânia e Rússia. Cerca de 350.000 pessoas foram forçadas reassentadas longe destas áreas logo após o acidente.[5]

Benjamin K. Sovacool informou que todo o mundo tem havido 99 acidentes em centrais nucleares 1952-2009 (definidos como incidentes que quer resultou na perda de vidas humanas ou mais de EUA $ 50.000 dos danos materiais, o montante que o governo federal dos EUA usa para definir grande energia acidentes que devem ser relatados), totalizando EUA 20.500 milhões dólares em danos materiais. [6] Cinquenta e sete acidentes têm ocorrido desde o desastre de Chernobil, e quase dois terços (56 de 99) de todos os acidentes nucleares relacionadas com a ter ocorrido nos EUA. Houve relativamente poucas mortes associadas a acidentes em usinas nucleares.

Acidentes e incidentes de usinas de energia nuclear
com várias mortes e/ou mais
[6] [5] [7]
Data Local do acidente Descrição do acidente ou incidente Morte Custo
($US
milhões
2006 )
INES
Nível
[8]
01952-12-12 12 de dezembro de 1952 Chalk River, Condado de Renfrew, Canadá
46° 3' 0.87" N 77° 21' 39.61" O[9]
Primeiro reator fora do EUA e primeiro acidente nuclear, os Laboratórios Nucleares de Chalk River, um reator de investigação movido a urânio, água pesada e resfriado a água, NRX, sofreu um acidente semelhante ao acidente de Chernobil, só que em menor escala, ocasionado pela falha no desligamento do reator causando a fissão parcial do núcleo, explosão do vapor, destruição da cúpula de proteção do reator e liberando o material radioativo para o meio ambiente. Uma nuvem radioativa na atmosfera e uma área para servir como destino para água radioativa do reator. A poluição radioativa mobilizou militares canadenses e americanos, entre eles um futuro presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, para ajudar a limpar a área contaminada.[10] 0 [11] [12]
01957-09 Setembro de 1957 Mayak, Oblast de Cheliabinsk, Ex-União soviética (Atualmente Rússia)
55° 42′ N 60° 50′ E
Associação de Produção de Mayak, grande complexo nuclear com uma usina de reprocessamento nuclear e reatores de produção de plutônio. A 30 anos, as autoridades Soviéticas tentaram ocultar os vazamentos de materiais radioativos em vários níveis de quantidade, jogados no rio Techa, desde 1948 até 1990, sendo o seu auge em 1957, com a explosão um tanque subterrâneo de armazenamento de resíduos nucleares feito de concreto (Kyshtym). Se juntarmos toda a quantidade de material radioativo jogado no ambiente, de 1948 até 1990, ultrapassa Chernobil.[13] ± 1000 6
01957-10-10 10 de outubro de 1957 Ex-Windscale, Ex-Cumberland (Atualmente, Sellafield, Cúmbria), Grã-Bretanha
54° 25' 29.50" N 3° 30' O
Um incêndio no projeto da bomba atômica britânico destruiu o núcleo e lançou cerca de 750 terabecquerels (20.000 Curie) de material radioativo no meio ambiente. Veja: Incêndio de Windscale 39 5 [14]
01958 1958 Chalk River, Condado de Renfrew, Canadá
46° 3' 0.87" N 77° 21' 39.61" O
Outro acidente em Laboratórios Nucleares de Chalk River, outro reator NRU, o problema foram as hastes de urânio que super aqueceram e quebraram no interior do reator, sendo que uma delas se quebrou e caiu no poço de manutenção da usina, contaminando o ambiente do reator, conseguência, o sistema de ventilação foi acionado e o material radioativo liberado para ambiente exterior até alguma ação de proteção contra a radiação, ter sido tomada. [10]
01961-01-03 3 de janeiro de 1961 Idaho Falls, Idaho, Estados Unidos
43.51751° N 112.82379° O
Explosão em SL-1 protótipo na Estação Nacional de Teste de Reator. Todos os três operadores morreram quando uma haste de controle foi removido longe demais. 3 22 4
01966-10-05 5 de outubro de 1966 Frenchtown Charter Township, Michigan, Estados Unidos
41° 57' 46" N 83° 15' 27" O
Núcleo parcial colapso do Fermi 1 Reactor no Usina Nuclear de Enrico Fermi. Ausência de fugas de radiação para o meio ambiente. 0 $132[15]
01969-01-21 21 de janeiro de 1969 Lucens, Vaud, Suiça
46° 41' 34" N 6° 49' 39" E
Em 21 de Janeiro de 1969, que sofreu um acidente de perda de líquido de arrefecimento, que conduz a um colapso parcial do núcleo e da contaminação radioactiva massiva da caverna, o qual foi então selado. 0 4
01973 1973 Ex-Windscale, Ex-Cumberland (Atualmente, Sellafield, Cúmbria), Grã-Bretanha
54° 25' 29.50" N 3° 30' O
Segunda explosão na usina de reprocessamento de material nuclear, contaminou a área interior de operação da central com material radioativo. 4[14]
01975 1975 Sosnovy Bor, Oblast de Leningrado, Ex-União soviética (Atualmente Rússia)
59° 50' 50" N 29° 02' 37" E
Não teria sido uma fusão nuclear parcial em Usina Nuclear de Leningrado unidade do reator 1.
01975-12-07 7 de dezembro de 1975 Greifswald, Ex-Alemanha Oriental (Atualmente Alemanha)
54° 5' N 13° 23' E
Erro elétrico causa incêndio na principal cocho que destrói linhas de controle e cinco bombas de refrigeração principais 0 443 3
01976-01-05 5 de janeiro de 1976 Jaslovské Bohunice, Ex-Tchecoslováquia (Atualmente, Eslováquia)
48° 29' 40" N 17° 40' 55" E
Mau funcionamento durante a substituição de combustível. Vareta de combustível foi ejetada do reator pelo gás refrigerante (CO2) para o corredor do reator.[16] veja: KS 150 2 4
01977-02-22 22 de fevereiro de 1977 Jaslovské Bohunice, Ex-Tchecoslováquia (Atualmente, Eslováquia)
48° 29' 40" N 17° 40' 55" E
A corrosão severa do reator e liberação de radioatividade para a área da usina, causou a desativação total da Usina. veja: KS 150 0 1,700 4[16]
01979-03-28 28 de março de 1979 Three Mile Island, Pennsylvania, Estados Unidos
40° 9' 11.86" N 76° 43' 31.22" O
A perda de líquido de arrefecimento e fusão do núcleo parcial devido a erros do operador. Há uma pequena libertação de gases radioactivos. 0 2,400 5
01984-09-15 15 de setembro de 1984 Athens, Alabama, Estados Unidos
34° 42' 14" N 87° 7' 7" O
Violações de segurança, erro do operador, e problemas de projeto forçar uma interrupção de seis anos em Browns Ferry Unit 2. 0 110
01985-03-09 9 de março de 1985 Athens, Alabama, Estados Unidos
34° 42' 14" N 87° 7' 7" O
Mau funcionamento dos sistemas de instrumentação durante a inicialização, o que levou à suspensão das operações em todos os três Unidades de Usina Nuclear de Browns Ferry 0 1,830
01986-04-11 11 de abril de 1986 Plymouth, Massachusetts, Estados Unidos
41° 56' 42" N 70° 34' 42" O
Problemas com o equipamento recorrentes forçar o desligamento de emergência de Boston Edison Usina Nuclear de Pilgrim 0 1,001
01986-04-26 26 de abril de 1986 Pripyat, Ex-União soviética (Atualmente Ucrânia)
51° 23' 23" N 30° 05' 57" E
Super aquecimento, explosão a vapor, fogo e colapso, obrigando à evacuação de 300 mil pessoas de Chernobil e dispersando o material radioativo em toda a Europa. Veja Acidente nuclear de Chernobil 56 Imediatamente;
4,000 a
985,000
de câncer[17]
6,700 7
01986-05-04 4 de maio de 1986 Hamm-Uentrop, Alemanha
51° 40' 45" N 7° 58' 18" E
Reator experimental THTR-300 libera pequenas quantidades de produtos de fissão (0.1 GBq Co-60, Cs-137, Pa-233) para a área circundante 0 267
01987-03-31 31 de março de 1987 Delta, Pennsylvania, Estados Unidos
39° 45' 30" N 76° 16' 5" O
Unidades inferiores 2 e 3 de Peach desligamento devido a avarias de refrigeração e problemas com o equipamento inexplicáveis 0 400
01987-12-19 19 de dezembro de 1987 Lycoming, New York, Estados Unidos
43° 31' 15" N 76° 24' 25" O[18]
Avarias forçam a Companhia de Energia Niagara Mohawk a desligar a unidade 1 de Nine Mile Point[19] 0 150
01989-03-17 17 de março de 1989 Lusby, Maryland, Estados Unidos
38° 25' 55" N 76° 26' 32" O
Inspecções nas Unidades 1 e 2 Calvert Cliff revelam rachaduras nas mangas aquecedor pressurizados, forçando paradas prolongados 0 120
01992-03 Março de 1992 Sosnovyi Bor, Oblast de Leningrado, Rússia
59° 50' 50" N 29° 02' 37" E
Um acidente na usina nuclear de Sosnovy Bor vazaram gases radioativos e iodo para o ar através de um canal de combustível rompido.
01996-02-20 20 de fevereiro de 1996 Waterford, Connecticut, Estados Unidos
41° 18' 43" N 72° 10' 7" O
Vazamento de forças de válvulas de desligamento das unidades 1 e 2 da Usina Nuclear de Millstone, múltiplas falhas de equipamentos encontrados 0 254
01996-09-02 2 de setembro de 1996 Crystal River, Florida, Estados Unidos
28° 57' 27" N 82° 41' 54" O
Forças de balanço de planta mau funcionamento do equipamento de desligamento e reparos em Unidade 3 de Crystal River 0 384
01999-09-30 30 de setembro de 1999 Ibaraki, Japão
36° 28' 47.00" N 140° 33' 13.24" E
Acidente nuclear de Tokaimura matou dois trabalhadores, e expôs mais um para os níveis de radiação acima dos limites permitidos. 2 54 4
02002-02-16 16 de fevereiro de 2002 Oak Harbor, Ohio, Estados Unidos
41° 35' 48" N 83° 5' 11" O
Corrosão severa da haste de controle força de 24 meses de interrupção Reator de Davis-Besse 0 143 3
02004-08-09 9 de agosto de 2004 Fukui, Japão
35° 42' 12.51" N 135° 57' 48.88" E
Explosão de vapor em Usina nunlear de Mihama mata 4 trabalhadores e fere mais 7 4 9 1
02006-07-25 25 de julho de 2006 Forsmark, Suécia
60° 24' 12" N 18° 10' E
Uma falha elétrica em Usina nuclear de Forsmark causou um reator ser desligado 0 100 2
02011-03-11 11 de março de 2011 Fukushima, Japão
37° 25' 17" N 141° 1' 57" E
Um tsunami inundou e danificou as 5 plantas de reatores ativos afogando dois trabalhadores. A falta de energia elétrica de backup levou ao superaquecimento, colapsos, e evacuações.[20] Um homem morreu de repente enquanto carregava o equipamento durante a limpeza. Veja: Acidente nuclear de Fukushima I 7[21]
02011-09-12 12 de setembro de 2011 Marcoule, França
44° 8' 36" N 4° 42' 34" E
Uma pessoa foi morta e quatro feridos, um deles gravemente, em uma explosão na Usina Nuclear de Marcoule. A explosão ocorreu em um forno utilizado para derreter resíduos metálicos. 1

Acidentes Radiológicos[editar | editar código-fonte]

Acidentes e incidentes com material Radioativo
Data Local do acidente Descrição do acidente ou incidente Morte Custo INES
Nível
[8]
01987-09-13 13 de setembro de 1987 Goiânia, Goiás, Brasil uma cápsula contendo o sal de Césio-137, abandonada há 2 anos nos escombros do antigo Instituto Goiano de Radiologia, e posteriomente vendida como ferro-velho, chegando a contaminar mais de 200 pessoas entre adultos e crianças. Veja: Acidente radiológico de Goiânia 4 5[22]
01989-02-05 5 de fevereiro de 1989 San Salvador, San Salvador Degradação das barreiras de proteção do equipamento, operadores sem treinamento e guerra civil, fonte radiante Cobalto-60. 1 [23]
01990 1990 Soreq, Israel Ausência de Manual na língua do país, fonte radiante Cobalto-60. 1
01991 1991 Nesvizh, Bielorrússia fonte radiante Cobalto-60. 1
01994 1994 Tammiku, Estônia Roubo de fonte radioativa, fonte radiante Césio-137. 1
01996 1996 San José, Costa Rica Hospital San Juan de Dios, contaminação elevada de radioatividade por erro no cálculo das dosagens na teleterapia, 115 pacientes contaminados, fonte radiante Cobalto-60.
01997 1997 Lilo, Geórgia Abandono de varias fontes radioativas contaminando 14 soldados, fonte radiante Césio-137, Cobalto-60 e Rádio-226.
01997 1997 Sarov, Rússia Experimento com urânio enrequecido na Excursão de criticalidade. 1
01998 1998 Istambul, Turquia Abandono de fonte radioativa encontrada no ferro-velho contaminando 18 pessoas, fonte radiante Cobalto-60.
01999 1999 Yanango, Peru Roubo de fonte radioativa, fonte radiante Irídio-192.
02000 2000 Samut Prakarn, Tailândia Abandono de fonte radioativa em ferro-velho, fonte radiante Cobalto-60. 3
02001-04-26 26 de abril de 2001 Cidade do Panamá, Panamá Exposição acidental de material radioativo, fonte radiante Cobalto-60.
02001 2001 Białystok, Polônia Exposição acidental de material radioativo, fonte radiante Cobalto-60.
02002 2002 Lia, Geórgia Gerador Termonuclear, fonte radiante Estrôncio-90.
02003 2003 Cochabamba, Bolívia Transporte de fonte radioativa em ônibus, fonte radiante Irídio-192.
02003 2003 Gilan, Irã Fonte radioativa abandonada, fonte radiante Irídio-192.
02005-12 Dezembro de 2005 Concepción, Chile Fonte radioativa abandonada, fonte radiante Irídio-192.
02009 2009 Quito, Equador Fonte radioativa abandonada, fonte radiante Irídio-192.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ACIDENTES NUCLEARES: estratégia de defesa
  2. O Sistema Brasileiro de Atendimento a Emergências Radiológicas e Nucleares
  3. The Dirt on Nuclear Power (em inglês)
    A sujeira sobre a Energia Nuclear
  4. a b c d e ACIDENTES COM FONTES DE RADIAÇÃO
  5. a b c Benjamin K. Sovacool. Uma avaliação preliminar de acidentes graves de energia, 1907-2007, Política Energética (em inglês) 36 (2008), pp. 1802-1820.
  6. a b Benjamin K. Sovacool. Uma avaliação crítica da energia nuclear e de electricidade renovável na Ásia Journal of Contemporary Asia, Vol. 40, No. 3, Augosto de 2010, pp. 393–400.
  7. Benjamin K. Sovacool (2009). The Accidental Century - Prominent Energy Accidents in the Last 100 Years (em inglês)
    O século acidental - Acidentes de energia proeminentes nos últimos 100 anos
  8. a b Linha do Tempo: Acidentes em usinas nucleares Notícias BBC, 11 Julho de 2006.
  9. Nota-GeoHack, em Sistemas globais, use o serviço da WikiMapia, não tem erro.
  10. a b Chalk River Nuclear Accident (em inglês)
    Acidente Nuclear de Chalk River
  11. ENERGIA NUCLEAR - História marcada por panes fatais Novo Olhar
  12. História da energia nuclear é marcada por panes fatais, Deutsche Welle Onda Alemã, 2014
  13. Mayak nuclear accident (em inglês)
    Acidente Nuclear de Mayak
  14. a b Appendix VI - IAEA international nuclear events scale (INES) (em inglês)
    Apêndice IV - Escala Internacional de Eventos Nucleares da IAEA (EIEN)
  15. Reator de reprodução Fermi I
  16. a b Acidentes Usina de Jaslovské Bohunice A-1 (cs)
  17. IAEA Report Em Foco: Chernobil. Visitado em 2008-05-31.
  18. Povoado de Lycoming no interior da Cidade de Scriba (em inglês)
  19. Nine mile point 1 and 2 (em inglês)
  20. "Trabalhador morre aos danificada usina nuclear de Fukushima", Notícia CBS, 2011-05-14.
  21. Instruções da AIEA no acidente nuclear de Fukushima (12 de Abril de 2011)
  22. ACIDENTE RADIOATIVO DE GOIÂNIA E ACIDENTE NUCLEAR DE CHERNOBYL
  23. Acidentes Radiológicos e Nucleares

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]