Acidente na estação Perus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TUE Mafersa 1700 ano-fabricação 1987, igual aum dos envolvidos no acidente.

O Acidente na estação Perus, comumente denominado apenas de Trem de Perus[1] refere-se ao desastre ocorrida no dia 28 de julho de 2000, na Estação Perus da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, no bairro de Perus, na zona norte da capital paulista.

Histórico[editar | editar código-fonte]

às 21h15 da sexta-feira, 28 de julho de 2000, uma composição da série TUE Budd Mafersa-Série 1100 (CPTM), vinda do Jaraguá com destino a Francisco Morato, estacionou na Estação Perus devido à falta de energia. Uma outra composição da série 1700 (nº 127), que estava estacionada na mesma linha pelo mesmo motivo e que já havia sido esvaziada, perdeu os freios em um trecho de descida, percorreu 5,5 quilômetros em oito minutos e colidiu com o trem estacionado na estação Perus.[2] O acidente deixou nove mortos e 115 feridos[3] e destruiu a estação Perus.

Conclusões[editar | editar código-fonte]

A CPTM sabia desde 1995 que o trem não ficava estacionado em descidas,[4] entretanto responsabilizou, em sua sindicância interna, o maquinista da composição que perdeu os freios pelo acidente, dizendo que o mesmo deveria ter "calçado" o trem,[5] "negligência comparável à do motorista que passa o sinal vermelho", segundo a CPTM.[6] Já segundo a Polícia Civil, houve uma sucessão de falhas que culminaram no acidente:[7]

  • Às 19h15, queda na rede de energia elétrica entre as estações de Jaraguá e Perus;
  • Entram em pane os três sistemas de freios do trem que causou o acidente;
  • Depois de ter sido esvaziada e sem freios, a 127 começa a se movimentar rumo à estação Perus, onde estava parada a 1103. O maquinista principal, Oswaldo Pieruti, depois de ter avisado o Centro de Controle Operacional (CCO) da CPTM desce da composição para tentar detê-la, colocando nos trilhos travas de madeira, sem sucesso. Somente Selmo Quintal, maquinista em treinamento fica no trem;
  • Desgovernada, a 127 rompe a rede de energia elétrica aérea;
  • O CCO tenta tirar a composição 145 que estava com passageiros na estação Perus, mas ela não podia se movimentar porque suas portas não fechavam.
  • Acontece o choque, 9 pessoas morrem e 115 ficam feridas, as duas composições e a estação são destruídas.

A Estação Perus foi reaberta três dias depois, sem a cobrança de tarifa, porque "não apresentava condições para isso", segundo o secretário de transportes metropolitanos na época, Claudio de Senna Frederico.[8] A estação foi sendo reformada aos poucos e a situação se normalizou com o passar dos dias.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]