Aditivo (combustível)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um aditivo para combustível é uma substância química agregada a um produto (um combustível) para melhorar suas propriedades e alterar suas características. Tal substância é utilizada normalmente em pequenas quantidades, adicionada durante sua elaboração pelo fabricante, e em alguns casos, comercializada para adição pelos consumidores, por exemplo, diretamente nos tanques de combustível dos veículos.

De acordo com a legislação brasileira, um aditivo para combustível automotivo não pode exceder 5000 ppm.[1]

Há diferentes características que podem melhorar com os aditivos:

  • Octanagem: O composto de chumbo (tetraetilchumbo) que se utilizou durante décadas, mas é muito contaminante e tem seu uso proibido. O MTBE é usados como aditivos para obter melhor combustão da gasolina.
  • Oxigenadores: Melhoram a combustão do combustível. Evitando as fumaças dos hidrocarbonetos não queimados e os restos de carbonila. Além de melhorar o consumo e a potência.[carece de fontes?] Por exemplo, em motores do tipo glow, utilizados em aeromodelismo, este aditivo é o nitrometano.[2]
  • Detergentes: Diminuem os resíduos deixados pelo combustível no interior do motor, matendo limpas todas as partes em contato com o combustível.[3]
  • Corantes: São utilizados para evitar confundir combustíveis ou em fraude fiscal com combustíveis com menos impostos (por exemplo, o combustível agrícola e o de calefação).

Tratamento para o motor[editar | editar código-fonte]

Existem preparados para melhorar ou tratar certos problemas do motor. São apresentados comercialment em embalagen plásticas que se adicionam ao tanque de combustível, ao óleo lubrificante, e inclusive pulverizadas na admissão. Não estão previstos para serem usados continuamente como os aditivos e não são recomendáveis.

Referências

  1. Portaria ANP No 41, de 12.3.1999, DOU 15.3.1999, Art. 5o [em linha]
  2. Federação Portuguesa de Aeromodelismo, Curso de técnicos nível 1, 10 - Combustíveis e lubrificantes, Combustíveis e seus segredos [em linha]
  3. Governo do Brasil, Senado Federal, Agência Senado, Especial Cidadania, Gasolina aditivada [em linha]