Alexandre I de Épiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre I
Rei de Épiro
Governo
Reinado 350–331 a.C.
Rainha Cleópatra
Antecessor Arribas
Sucessor Eácides
Dinastia Eácida
Vida
Nascimento ca. 370 a.C.
Épiro
Morte 331 a.C. (39 anos)
Padósia
Filhos Neoptólemo
Cadmea
Pai Neoptólemo I

Alexandre I de Épiro (em grego antigo: Ἀλέξανδρος Α' της Ηπείρου, Épiro, ca. 370 a.C. – Padósia, 331 a.C.), também conhecido por Alexandre Molosso (em grego antigo: Ἀλέξανδρος ο Μολοσσός), foi um rei de Épiro (350–331 a.C.) da dinastia eácida.[1] Como filho de Neoptólemo I e irmão de Olímpia,[2] era tio de Alexandre, o Grande.

Família[editar | editar código-fonte]

Ele era filho de Neoptólemo I, filho de Alcetas I, filho de Thapyrus.[2] Após a morte de Alcetas I, seus filhos,[3] Neoptólemo I e Arribas,[2] concordaram em dividir o poder, reinando juntos.[3]

Olímpia, irmã de Alexandre I, foi criada por Arribas, que era casado com sua irmã Troas.[4] [Nota 1] Foi Arribas que promoveu o casamento de Olímpia com Filipe II da Macedónia.[4]

Ascensão[editar | editar código-fonte]

Frequentou, quando criança, a corte de Filipe II da Macedônia, e, sendo um jovem muito belo, seduzido por promessas de receber o reino do Épiro, tornou-se um caso de Filipe.[5] Quando Alexandre I fez vinte anos,[5] Filipe destronou e exilou seu tio Arribas,[4] e fez de Alexandre I rei de Épiro.[5]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Quando Olímpia foi repudiada por seu marido, em 337 a.C., ela foi ao seu irmão, e esforçou-se por convencê-lo a lutar contra Filipe.[6] Alexandre, o Grande também se refugiou com Alexandre I, mas depois foi para a Ilíria.[6]

Filipe, contudo, recusou enfrentá-lo,[6] e firmou uma segunda aliança com Alexandre I, dando-lhe sua filha (sobrinha de Alexandre I) Cleópatra em casamento [7] (336 a.C.). No casamento, Filipe foi assassinado por Pausânias de Orestis.[7]

Em 334 a.C., Alexandre I, a pedido da colônia grega de Taras (na Magna Grécia), dirigiu-se para a Itália, a fim de auxiliá-los na batalha contra várias tribos itálicas, os lucanos e os brútios.[8] Juniano Justino comenta que, como se tivessem feito um sorteio e dividido o mundo, Alexandre, o Grande teria ficado com a Ásia e a Pérsia, e Alexandre do Épiro com a Itália, África e Sicília.[8] O Oráculo de Delfos havia prevenido Alexandre, o Grande, contra a traição na Macedônia, e a Alexandre I para temer a cidade de Pandósia e o rio Aqueronte; assim, ele fez a campanha na Itália para ficar longe da cidade e do rio, localizados no Épiro, sem saber que havia uma cidade e um rio de mesmo nome na Itália.[8]

Inicialmente, Alexandre lutou contra a Apúlia, mas, por causa de um oráculo que dizia que eles seriam invencíveis, fez um acordo de paz com eles.[8] Depois de vitórias sobre os brútios e lucanos, Alexandre fez um tratado de paz com os romanos, metapontinos e pediculanos.[8] O sucesso ainda acompanhou o seu exército. Tomou a Heracleia dos lucanos, e as cidades de Terina e Sipontum dos brútios.

Os brútios e lucanos arrumaram reforços, e renovaram a guerra.[8] Alexandre foi morto nas proximidades da cidade de Padósia e do rio Aqueronte, conforme o oráculo.[8]

Sucessão[editar | editar código-fonte]

Deixou um filho, Neoptólemo,[9] e, possivelmente, uma filha, Cadmea.[Nota 2] [10]

Após a morte de Alexandre I entre os lucanos, Olímpia, com medo de Antípatro, retornou ao Épiro; Eácides, filho de Arribas, manteve sua aliança com Olímpia e lutou contra os macedônios, cujo rei nominal era Filipe Arrideu.[3]

Seu filho, Neoptólemo II,[9] governou conjuntamente com Pirro,[11] porém foi assassinado por Pirro quando planejava envenená-lo.[12]

Notas e referências

Notas

  1. Segundo Juniano Justino, Arribas era primo-irmão de Olímpia; segundo Pausânias, Arribas era tio de Olímpia.
  2. Cadmea é citada como irmã de Neoptólemo.

Referências

  1. Mason, Charles Peter (1867). "Alexander". Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology 1. Ed. William Smith. Boston: Little, Brown and Company. 116. 
  2. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.11.1
  3. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.11.3
  4. a b c Juniano Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, Livro 7, 6 [em linha]
  5. a b c Juniano Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, Livro 8, 6 [em linha]
  6. a b c Juniano Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, Livro 9, 7 [em linha]
  7. a b Juniano Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, Livro 9, 6 [em linha]
  8. a b c d e f g Juniano Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, Livro 12, 2 [em linha]
  9. a b Cabanes, L'Épire 545,12
  10. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.5 [em linha]
  11. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.1
  12. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.4-6

Wikisource  "Alexander I". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Alexandre I de Épiro
Eácida
Nascimento: 370 a.C. Morte: 331 a.C.
Precedido por
Arribas
Rei de Épiro
350–331 a.C.
Sucedido por
Eácides