Amora-silvestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Como ler uma caixa taxonómicaAmora-silvestre
Amoreira-silvestre ou silva, com amoras em diversos estados de maturação

Amoreira-silvestre ou silva, com amoras em diversos estados de maturação
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Divisão: Magnoliophyta
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Subfamília: Rosoideae
Género: Rubus
Subgénero: Eubatus
Espécies
Rubus fruticosus
Linnaeus, 1753
Amora-silvestre comum,
entre outras centenas de microespécies (o subgénero inclui ainda as amoras-pretas)

As amoras-silvestres são os frutos (pseudobaga) de arbustos (amoreira-silvestre) do género Rubus, vulgarmente designados como silvas, da família das rosáceas. As plantas crescem até 3 metros. Os frutos são usados para a composição de sobremesas, compotas, e por vezes vinho. São muitos os tipos do que é vulgarmente designado como "amora" – incluindo muitas cultivares híbridas, com mais de duas espécies ancestrais. O conhecido "tempo das amoras" inicia-se oficialmente no dia 17 de Junho e prolonga-se durante as semanas seguintes, permitindo a possibilidade da raça humana desfrutar dos seus sabores àcidoces bem como das capacidades anti-oxidantes deste fruto. Aconselha-se sobretudo fazê-lo no formato de crepes, acompanhados de compal de frutos vermelhos ou limonada.

A cultivar Marionberry nasceu do cruzamento entre a amora tipo Olallieberry e o tipo Chehalem, de modo a conjugar as qualidades organolépticas dos dois tipos de fruta. A Olallieberry, por sua vez, resulta do cruzamento das amoras-framboesas com youngberry (que, por sua vez, resulta do cruzamento de amoras-pretas com amoras-silvestres).

A amoreira-silvestre é composta por longos caules curvos, com espinhos curtos, levemente encurvados. Quando os caules tocam no chão ganham frequentemente raízes laterais, dando origem a um novo pé de silva (reprodução assexuada), tornando-se uma espécie invasora persistente, colonizando vastas áreas por longos períodos. Tolera facilmente solos pobres, sendo uma das primeiras plantas a colonizar baldios e terrenos de construção abandonados. As suas folhas são palmadas, em trifólio (o limbo está dividido em três, ainda que se encontrem também divididas em cinco). As flores brancas ou rosadas, florescem de Maio a Agosto (no hemisfério norte), dando, após a frutificação, as amoras de uma cor vermelha e, depois, negra.

Flor da amora-silvestre

A amora silvestre é designada como pseudobaga já que é, de facto, um fruto agregado, constituído pela reunião de diversas drupas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Amora-silvestre